i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Capital

Senado argentino aprova projeto de repatriação de dinheiro no exterior

Com a lei de anistia fiscal, espera-se que US$ 20 bilhões (R$ 64 bilhões) sejam reintegrados à economia do país

    • Folhapress
    • 30/06/2016 14:04
     | Lula Marques/Agência PT
    | Foto: Lula Marques/Agência PT

    Com uma oposição cada vez mais fraca, o governo de Mauricio Macri conseguiu aprovar no Senado, nas últimas horas de quarta (29), um projeto que permite aos argentinos que mantêm dinheiro ilegalmente no exterior legalizarem a situação.

    Com a lei de anistia fiscal, espera-se que US$ 20 bilhões (R$ 64 bilhões) sejam reintegrados à economia do país, cuja população costuma poupar no exterior ou em dólares guardados em casa devido às sucessivas crises econômicas. A estimativa é que os argentinos mantenham cerca de US$ 500 bilhões (R$ 1,6 trilhão) fora do sistema bancário.

    O texto, que já havia sido aprovado pelos deputados, recebeu voto favorável de 56 senadores e foi rejeitado por 11. Houve uma abstenção. Apesar de a oposição ter a maioria nas casas, a atual fragilidade do Frente para a Vitória (coalizão de base do kirchnerismo) facilitou a vitória da situação.

    Vários políticos têm abandonado o bloco por causa das denúncias de corrupção envolvendo kirchneristas, principalmente após o secretário de obras de Cristina e Néstor Kirchner, José López, ter sido preso quando tentava esconder em um convento na Grande Buenos Aires US$ 8,9 milhões em espécie.

    A detenção do político fez com que se ampliasse as restrições de quem poderá repatriar seu capital. Funcionários do governo, seus familiares mais próximos e representantes do Parlasul (Parlamento do Mercosul) foram excluídos para impedir que legalizem seus recursos sem que haja uma investigação da origem deles.

    Antes de dar o respaldo ao projeto, a oposição criticou um artigo do texto que permite a venda de ações do Fundo de Garantia da Anses (equivalente ao INSS). Tanto o dinheiro levantado com esses papéis quanto os impostos pagos pelos argentinos que aderirem à lei serão usados para bancar um programa de ampliação de aposentadorias.

    Anteriormente, Macri também havia sido alvo de questionamentos por haver anunciado o envio do projeto ao Congresso dias após sua declaração de bens ter se tornado público com a informação de que tinha uma conta com 18 milhões de pesos (R$ 4 milhões) no paraíso fiscal das Bahamas. O dinheiro, apesar de estar em situação legal, alimentou as acusações kirchneristas contra o mandatário.

    A gestão de Cristina Kirchner (2007-2015) também tentou adotar programas de repatriação semelhantes, mas não teve sucesso. Macri espera ter mais êxito por ter fechado parcerias com outros países para trocar informações financeiras, dificultando a manutenção de contas secretas no exterior. Também será concedido desconto de cinco pontos percentuais no imposto para os que repatriarem até o fim deste ano.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.