i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Balanço

Shoppings têm alta de 3% nas vendas de Natal

O presidente da Alshop afirmou ainda que o movimento nos shoppings foi baixo sobretudo na véspera de Natal, dia 24 de dezembro

  • PorEstadão Conteúdo e Folhapress
  • 26/12/2014 08:29

Venda de comércio eletrônico cresce 37% no Natal, impulsionada por Black Friday

O comércio eletrônico faturou R$ 5,9 bilhões no período de Natal, o que representa crescimento nominal de 37% em relação ao mesmo período do ano passado. Foram feitos 15,2 milhões de pedidos, com gasto médio de R$ 388, entre os dias 15 de novembro e 24 de dezembro de 2014, período considerado para calcular as vendas de Natal.

O resultado superou a previsão inicial de faturar R$ 5,2 bilhões, segundo a E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico.

A empresa atribui o desempenho positivo das vendas ao efeito Black Friday, que ocorreu no dia 28 de novembro e representou 20% de todo o faturamento. Segundo a e-bit, o ingresso de 1,5 milhão de novos consumidores no Natal também colaborou para o crescimento do e-commerce no país. Entre as categorias com maior quantidade de encomendas feitas pelos consumidores foram moda e acessórios; cosméticos, perfumaria e saúde; eletrodomésticos; telefonia, celulares informática.

Pagamento

A empresa também registrou avanço nas compras feitas por aparelhos móveis. Neste ano representaram 8,8% do faturamento --o que representa crescimento de 82% em relação ao mesmo período do ano passado-- e 8,8% do total de pedidos, incremento de 96%. Segundo a empresa, uma das explicações é que os novos consumidores nunca tiveram acesso à internet com computadores tradicionais, como internautas que antes usavam desktop e notebook, mas têm smartphones e tablets.

As vendas nas lojas de shoppings cresceram 3% neste Natal na comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (26) pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop). O número leva em conta o crescimento real, já descontada a inflação. O presidente da Alshop, Nabil Sahyoun, considerou que o crescimento registrado no período está atrelado à abertura de novos shoppings e de projetos de expansão. "É um crescimento vegetativo que está relacionado a abertura de lojas novas, mas considerando as lojas já existentes não houve crescimento", afirmou.

No critério mesmas lojas, que leva em conta apenas as unidades abertas há mais de um ano, o executivo afirmou que as vendas ficaram estáveis, no mesmo patamar de 2013. "Sem dúvida, o ano de 2014 foi ruim para o comércio, temos um cenário de crédito mais restrito para as populações de menor poder aquisitivo, insegurança com relação às mudanças na economia e a alta do dólar gerando aumentos de preço", disse Sahyoun.

O presidente da Alshop afirmou ainda que o movimento nos shoppings foi baixo sobretudo na véspera de Natal, dia 24 de dezembro. "Parece haver uma mudança de comportamento, não se vê mais os shoppings cheios no último dia antes do Natal, mas sim o movimento de um dia normal, sem filas", comentou.

Entre os fatores que contribuíram para essa mudança, Sahyoun destacou o crescimento das vendas via internet e uma antecipação das compras de Natal na Black Friday, em novembro.

De janeiro a dezembro de 2014, as vendas cresceram em termos reais 1,5%, segundo a Alshop. O indicador também foi considerado fraco pela entidade. Para Sahyoun, os números podem indicar que os shoppings tenderão a enfrentar mais problemas com alta de vacância. Na avaliação dele, lojistas de menor porte (lojas satélite) não sentem incentivos para investir em lojas novas. A Alshop estima que hoje a média da vacância em shoppings em operação esteja em 10% e Sahyoun estima que esse número pode se aproximar de 12% em breve.

Em 2014, foram abertos 25 novos shoppings e dois encerraram as atividades, chegando ao final do ano a um total de 889 centros de compras. A Alshop conta ainda que há 134 shoppings em construção, a serem inaugurados entre três e quatro anos.

Vendas de Natal crescem 1,2% em 2014, menor ritmo desde 2008, aponta Boa Vista

As vendas de Natal cresceram 1,2% em 2014 na comparação com 2013, segundo pesquisa da Boa Vista SCPC. O ritmo de alta foi o menor desde o início da série histórica, em 2008. "A redução do ritmo de crescimento das vendas para o Natal em 2014 segue a tendência das demais datas comemorativas deste ano: todas apresentaram desaceleração se comparadas ao ano anterior", diz o relatório.

O cálculo do volume de vendas para o Natal é baseado em amostra das consultas realizadas pelo varejo no banco de dados da Boa Vista SCPC, com abrangência nacional. Foram consideradas as consultas realizadas no período de 17 a 24 de dezembro de 2014, comparadas ao mesmo período do ano passado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.