Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Sterling, autor de Piratas de Dados e outros livros de ficção científica: organização da internet é baseada no improviso | Robert Scoble/ Creative Commons
Sterling, autor de Piratas de Dados e outros livros de ficção científica: organização da internet é baseada no improviso| Foto: Robert Scoble/ Creative Commons

São Paulo - Escritor premiado por seus trabalhos em ficção científica – foi um dos criadores da corrente conhecida como cyberpunk, Bruce Sterling é também conhecido como um dos "gurus" do mundo digital. Com um blog publicado no site da revista Wired e atuando como professor convidado em cursos de de­­sign e mídia, ele tornou-se uma referência nas conversas sobre o futuro da internet. Em uma recente passagem pelo país, ele falou sobre as principais tendências do mundo digital e sobre como a adoção da tecnologia pode mudar até os transportes.

Três assuntos parecem ter emergido este ano entre os principais temas na área de tecnologia e internet: Facebook, geolocalização e aplicativos. O que estas três tendências têm em comum?

O que há de importante sobre essas três coisas é que nenhuma delas precisa do sistema operacional da Microsoft. Por um bom tempo, ter um computador dizia respeito apenas ao sistema operacional e ao processador. E o Windows criou uma simbiose com fabricantes de chip: lançava um sistema operacional logo que um processador mais rápido chegava ao mercado. E isso tornou-se sufocante, não ha­­via mais nenhum entusiasmo. E até a Microsoft teve um hit neste ano, com seu dispositivo de detecção de movimento, como é o nome mesmo...

Kinect.

Kinect! Kinect é o aparelho eletrônico doméstico que mais vendeu em todos os tempos – e está vendendo duas vezes mais rápido do que o ex-detentor desse título, que era o iPad. E o que há em comum entre Kinect e iPad? Eles não têm nada a ver com os velhos computadores. Quando coisas assim aparecem, eu procuro o que morreu. Se as pessoas estão olhando para aplicativos, geolocalização e redes sociais, em que elas pararam de prestar atenção? O computador pessoal morreu neste ano e ninguém percebeu. A definição de computação pessoal: eu tenho um computador e ele é meu e tem todas as minhas coisas! Se você oferecer um desses para alguém hoje, um computador em que você não pode entrar na internet, nem compartilhar nada, que só serve para processar dados e, sei lá, editar filmes... Mesmo que ele seja ótimo, ninguém vai querer! Talvez se você pagasse, alguém teria o computador verdadeiramente pessoal.

Você definiu o Facebook como uma favela...

Sim, como as favelas brasileiras, devido à organização política. Ninguém imaginava que ele cresceria tanto, que funcionaria desse jeito, não há um modelo de negócios e ele está crescendo cada vez mais, só no boca-a-boca. Não tem outdoor, programa de TV...

Tem o filme...

É, mas o filme não vai fazer ninguém entrar no Facebook. E, principalmente, o Facebook é gerido por um moleque de 26 anos que age como... um cacique. É estranha essa estrutura tão grande online, mas ela não é tão incomum se você pensa em termos de cidades, daí a comparação com favelas e metrópoles do terceiro mundo, que crescem sem planejamento.

Então, de certa forma, o mundo está mais terceiro-mundista?

Não sei se terceiro-mundista, pois há favelas no mundo todo. A in­­ternet cresceu de forma muito rápida e usa estruturas muito pró­­ximas às de casas de lata – junta o que tem à mão, coloca tudo no mesmo lugar e vê se funciona. Se não funcionar, começa do zero. Tudo é beta o tempo todo, o novo é construído sobre o velho, não importa se vai aguentar o peso, se haverá deslizamentos, spam, pornografia, pirataria. Tudo o que você quiser está lá. De vez em quando tem uma batida policial: "vamos derrubar os serviços de compartilhamento de arquivos". Talvez al­­guém vá preso, mas quando a polícia vai em­­bora, tudo volta a ser como era. Cada um usa a internet como achar melhor, por isso há uma es­­trutura semelhante à de uma fa­­vela. Não é uma favela literal, mas uma favela cultural.

E como a estrutura do digital afeta o resto do mundo?

Hoje essas estruturas são simbióticas, não somos mais inocentes como éramos antes. O que acontece no mundo digital tem consequências ainda mais graves no mundo real do que antes. Veja um exem­­plo: pergunte a um jovem, entre 18 e 25, se ele prefere um carro ou estar no Facebook. Se­­riam escolhas excludentes, quem tiver um carro não entra no Fa­­cebook e vice-versa. Tenho quase certeza de que ele escolherá o Facebook. Carros serviam para ir até onde as garotas estavam. Agora basta ir ao Facebook. Além disso, as pessoas estão deixando de gostar de carros pois não dá para usar aparelhos eletrônicos enquanto se dirige. É melhor ir de ônibus usando seu iPhone ou iPad, pois você consegue fazer mais coisas no tempo de locomoção. Essa é uma mudança enorme. Meu amigo Adam Green­field disse há dois anos que o dispositivos portáteis mudariam mais a cidade do que os carros mudaram. E os carros mu­­daram as cidades de forma profunda Quando eu ouvi isso, pensei que era um hype forçado. Mas ho­­je vejo que ele estava certo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]