i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Reality show

Startup de educação financeira para crianças recebe aporte de R$ 176 mil no Shark Tank

  • PorPatrícia Basílio, especial para a Gazeta do Povo
  • São Paulo
  • 09/08/2019 23:00
Shark Tank
Eduardo Schroeder (à direita na foto) com o sócio Fábio Rogério no pitch aos investidores do reality show (Foto: Divulgação/Sony).| Foto:

As crianças hoje em dia são atraídas cada vez mais cedo pelo consumo. E para que elas se tornem adultos conscientes do valor do dinheiro, precisam ser educadas financeiramente. Foi com este propósito que o cientista da computação Eduardo Schroeder, 38 anos, desenvolveu há dois anos um aplicativo para organizar a mesada de seu filho Rafael: o Tindin. Agora, a startup participou do reality show de empreendedorismo Shark Tank Brasil e recebeu um aporte de R$ 176 mil da Chili Beans. O episódio vai ao ar nesta sexta-feira (9/8), no canal Sony.

“Fui pai de primeira viagem e cometi um erro comum: presenteá-lo demais. Com a mesada, ele comprou um boneco do Toy Story que se tornou o favorito dele pela conquista”, conta Schroeder, sobre como criou o app.

Na plataforma, que funciona como um game, os pais podem oferecer uma mesada fixa e também uma variável — baseada em metas que as crianças devem concretizar, como guardar os brinquedos e utilizar o cesto de roupas sujas. A ideia é que elas entendam como se ganha dinheiro e, desta forma, deem mais valor ao que é entregue a eles pelos pais.

O Tindin também funciona como um ambiente controlado para que os pequenos desfrutem dos seus cofrinhos. “Temos um marketplace no próprio aplicativo em que as crianças podem comprar brinquedos educativos com a mesada acumulada. Os pais também podem inserir produtos, como viagens e eletrônicos. A questão da gamificação é a experiência com a família”, explica o empreendedor.

No Shark Tank, Eduardo Schroeder afirma que recebeu elogios sobre o engajamento com o público infantil e a automatização da mesada. No entanto, ele admite que também recebeu críticas construtivas ao negócio, principalmente de João Appolinário, fundador da Polishop: “Citaram que a plataforma precisa ter mais foco e que posso ter dificuldade para atrair parcerias com empresários", revela.

O resultado no debate com os "tubarões", como são chamados os investidores, foi positivo. A Tindin conseguiu um investimento de R$ 176 mil por 20% do negócio que passa para o controle da Chili Beans, após negociação com o fundador Caito Maia. “Cedi um percentual maior do que queria da empresa, mas a executivo destacou a oportunidade de vender a linha de óculos infantis no Tindin. Hoje, ele vende 400 mil unidades por ano”, pontua Schroeder.

Educação financeira forma adultos maduros

Na avaliação de Juliana Inhasz, coordenadora de economia do Insper, o hábito de não poupar vem de gerações anteriores, que se acomodaram com a inflação sob controle. Por isso, qualquer iniciativa que mostre às crianças o valor do dinheiro contribui para a formação de adultos mais responsáveis. “Precisamos fazer o público infantil entender que poupar, controlar os gastos e estar pronto para imprevistos é importante”, elenca.

É o que mostra a Pesquisa Nacional de Educação Financeira nas Escolas, realizada pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), em parceria com a Abefin (Associação Brasileira dos Educadores Financeiros) e o Instituto Axxus. O levantamento aponta que 81% dos estudantes que recebem orientação financeira gastam parte do que recebem e guardam o resto para realizar seus sonhos.

Por meio do storytelling e do design thinking, o economista Flávio Ramos, 46, criou a Educash, startup de educação financeira para crianças de 9 a 12 anos que estimula a reflexão e o pensamento crítico sobre o uso do dinheiro. “A plataforma ensina o estudante a gerenciar recursos em um mundo lúdico . Ele tem de lidar com desafios, como comprar ovos e milho, ou vendê-los”, exemplifica Ramos.

Segundo o executivo, o aplicativo possui duas versões: uma para uso familiar, para ser gerenciado pelos pais, e outro para as escolas, que possui um plano de aula completo para auxiliar os professores; ambos disponíveis para Android e iOS.

Em dezembro do ano passado, a Educash foi finalista do Demand Solutions, programa de aceleração para startups inovadoras do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). Também no ambiente internacional, a solução está sendo negociada para a Finlândia. No Brasil, a ferramenta venceu o Acelera Fiesp em 2017. “Fechamos parceria com a Secretaria de Educação de São Paulo e nossa plataforma será adotada dentro do Sistema S”, adianta Ramos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.