Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. UEG Araucária vai ser transformada em sociedade anônima

Energia

UEG Araucária vai ser transformada em sociedade anônima

  • Fernando Jasper
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A UEG Araucária Ltda., termelétrica que pertence à Copel (80%) e à Petrobrás (20%), deixará de ser uma companhia limitada e vai se tornar uma sociedade de economia mista, regime jurídico do qual podem participar governo e investidores privados. Prevista no projeto de lei 454/07, encaminhado pelo governo estadual, a alteração foi aprovada ontem por unanimidade pela Assembléia Legislativa e aguarda sanção do governador.

A oposição apontou a possibilidade de que, após gastar R$ 500 milhões na compra do controle acionário da usina, há pouco mais de um ano, o governo poderia estar “privatizando” a termelétrica, negociando suas ações em bolsa de valores. A hipótese foi descartada pelo líder do governo, Luiz Cláudio Romanelli (PMDB). “Estamos única e exclusivamente transformando a UEG de companhia limitada para S. A. [sociedade anônima]”, disse Romanelli, garantindo que o governo “não vai vender uma única ação” da termelétrica. “A empresa [UEG] não vai abrir seu capital. Será uma sociedade de economia mista de capital fechado.”

Segundo a Copel, o projeto serve para adequar o regime jurídico da UEG ao da própria estatal. O mesmo ocorreu em outubro de 2004, quando, após assumir o controle acionário da Elejor – empresa que detém as hidrelétricas de Fundão e Santa Clara –, a Copel transformou-a em sociedade de economia mista, em parceria com a Paineiras Participações. Outro exemplo é o da Compagás, que tem como acionistas a Copel, a Petrobrás e investidores privados.

Durante a sessão, o vice-líder da oposição, Élio Rusch (DEM) lembrou que, ao assumir o governo em 2003, Roberto Requião disse que a UEG era uma bomba, que poderia explodir se entrasse em funcionamento. Segundo Rusch, isso não impediu que, em 2006, a Copel – controlada pelo governo estadual – assumisse o controle da usina.

Romanelli desmentiu que Requião tenha anunciado uma possível explosão e afirmou que o risco era de que a UEG derrubasse todo o sistema elétrico brasileiro – ameaça afastada, segundo ele, depois que a Petrobrás garantiu a compatibilidade do gás que move as turbinas da termelétrica.

Inaugurada em 2002, a usina foi arrendada para a Petrobrás até o fim deste ano. Está em operação desde 13 de junho, quando passou a enviar energia para a Argentina, sem registro de incidentes desde então. A média diária de geração tem superado os 460 megawatts (MW), pouco abaixo de sua capacidade máxima – 484,5 MW.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE