i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Energia

UEG Araucária vai ser transformada em sociedade anônima

  • PorFernando Jasper
  • 17/07/2007 18:44

A UEG Araucária Ltda., termelétrica que pertence à Copel (80%) e à Petrobrás (20%), deixará de ser uma companhia limitada e vai se tornar uma sociedade de economia mista, regime jurídico do qual podem participar governo e investidores privados. Prevista no projeto de lei 454/07, encaminhado pelo governo estadual, a alteração foi aprovada ontem por unanimidade pela Assembléia Legislativa e aguarda sanção do governador.

A oposição apontou a possibilidade de que, após gastar R$ 500 milhões na compra do controle acionário da usina, há pouco mais de um ano, o governo poderia estar "privatizando" a termelétrica, negociando suas ações em bolsa de valores. A hipótese foi descartada pelo líder do governo, Luiz Cláudio Romanelli (PMDB). "Estamos única e exclusivamente transformando a UEG de companhia limitada para S. A. [sociedade anônima]", disse Romanelli, garantindo que o governo "não vai vender uma única ação" da termelétrica. "A empresa [UEG] não vai abrir seu capital. Será uma sociedade de economia mista de capital fechado."

Segundo a Copel, o projeto serve para adequar o regime jurídico da UEG ao da própria estatal. O mesmo ocorreu em outubro de 2004, quando, após assumir o controle acionário da Elejor – empresa que detém as hidrelétricas de Fundão e Santa Clara –, a Copel transformou-a em sociedade de economia mista, em parceria com a Paineiras Participações. Outro exemplo é o da Compagás, que tem como acionistas a Copel, a Petrobrás e investidores privados.

Durante a sessão, o vice-líder da oposição, Élio Rusch (DEM) lembrou que, ao assumir o governo em 2003, Roberto Requião disse que a UEG era uma bomba, que poderia explodir se entrasse em funcionamento. Segundo Rusch, isso não impediu que, em 2006, a Copel – controlada pelo governo estadual – assumisse o controle da usina.

Romanelli desmentiu que Requião tenha anunciado uma possível explosão e afirmou que o risco era de que a UEG derrubasse todo o sistema elétrico brasileiro – ameaça afastada, segundo ele, depois que a Petrobrás garantiu a compatibilidade do gás que move as turbinas da termelétrica.

Inaugurada em 2002, a usina foi arrendada para a Petrobrás até o fim deste ano. Está em operação desde 13 de junho, quando passou a enviar energia para a Argentina, sem registro de incidentes desde então. A média diária de geração tem superado os 460 megawatts (MW), pouco abaixo de sua capacidade máxima – 484,5 MW.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.