Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

O presidente da Vale do Rio Doce (CVRD) anunciou que a empresa não pretende se desfazer de ativos da Inco ou interromper projetos da Vale já anunciados no Brasil para reduzir o seu nível de endividamento com a compra da mineradora canadense.

- Estamos comprando, não estamos vendendo. Todos os bens disponíveis que a Inco tem são muito bons, são válidos. Não queremos vender - diz Agnelli.

Agnelli informou que a empresa tomará empréstimos bancários de, no máximo, US$ 18 bilhões para concluir a aquisição de 75,66% do capital da Inco. Parte será usada já nesta quinta-feira, ou até a semana que vem. O restante pode ser usado para a compra das demais ações da empresa, já que o objetivo da CVRD é adquirir 100% dos papéis. A oferta de compra teve o prazo estendido para 3 de novembro.

Para reduzir a dívida que a companhia está contraindo com a compra da Inco, Agnelli aposta no crescimento da China, no preço alto de minérios no mercado internacional e na capacidade de geração de caixa da empresa. Segundo ele, "talvez em três anos" a empresa mudará de situação.

- Temos instrumentos disponíveis no mercado para garantir um balanço estável. Em termos de financiamento estamos muito bem - acrescenta.

Agnelli admite que a empresa está apostando em um "certo risco" futuro, mas diz estar confiante de que a empresa conseguirá pagar os débitos rapidamente.

Agnelli confirmou Scott Hand como CEO da Inco e anunciou a aposentadoria de Peter Jones, presidente da empresa canadense. No lugar dele, ficará Marc Cuttifani. Os outros diretores continuarão sendo os mesmos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]