i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mito desmascarado

7 textos para entender Paulo Freire

  • PorGazeta do Povo
  • 19/12/2019 09:07
  • Atualizado em 19/09/2020 às 11:46
Paulo Freire (1921-1997)
Paulo Freire (1921-1997)| Foto:

É inegável que o educador Paulo Freire parecia ter interesse real pela educação dos mais pobres. Mas é evidente também que seu legado não é dos melhores: o conjunto da obra de Paulo Freire, apesar da influência que teve, não conseguiu melhorar os índices de educação brasileiros, principalmente entre os vulneráveis. E o seu tom, ideológico de esquerda – era filiado ao PT e marxista –, não deixa dúvidas das suas intenções políticas.

Hoje, em alguns lugares, existe ainda a discussão se é possível separar o seu método de alfabetização do restante da obra, de doutrinação política. Na verdade, as últimas descobertas de como o cérebro aprende a ler e escrever mostram que os caminhos técnicos apontados por Freire para a alfabetização, mesmo depurados de ideologia, continuam a ser precários.

Leia abaixo cinco textos que explicam essas ideias e por que, apesar de tudo, as faculdades de pedagogia continuam defendendo o pensador com unhas e dentes.

Paulo Freire e a educação

1. Paulo Freire, a biografia e a mitologia: adultos alfabetizados em 40 horas?

Em texto publicado para a Gazeta do Povo, em setembro de 2017, Gabriel de Arruda Castro descreve os principais fatos da vida de Paulo Freire (1921-1997), citando episódios como o mutirão de alfabetização em Angicos (RN), em 1963, lenda que defende a suposta alfabetização por Freire de 380 adultos em 40 horas, e que rendeu ao educador o convite do ex-presidente João Goulart para dirigir o Programa Nacional de Alfabetização. Arruda Castro também explica a técnica de Freire de usar a palavra completa para alfabetizar, a ideologia incutida em seus textos, as acusações de plágio contra o educador e a impossibilidade de contestar Paulo Freire na universidade, mesmo com evidências sólidas contra suas ideias.

2. Cinco ideias indefensáveis de Paulo Freire

Texto rápido de ler com cinco ditames de Paulo Freire, bastante questionáveis: Che Guevara seria exemplo de amor, a família é opressora, entre outros.

3. Pedagogia do fracasso: o que há de errado na formação de professores

As faculdades de Pedagogia cultuam Paulo Freire e suas obras e isso é assim por vários motivos. Um deles é porque os currículos dos principais cursos ainda adotam autores que foram importantes há 40 anos, mas que já foram superados pelos estudos recentes de neurociência e psicologia cognitiva – ciências que, por enquanto, têm sido desprezadas no Brasil. Em texto corajoso, dois professores explicam por que reduzir a formação de professores a autores como Henri Wallon, Lev Vigotski e Jean Piaget – como se vê hoje nos cursos de Pedagogia – leva a educação brasileira a aceitar de tudo, como Paulo Freire e a insistência em métodos que não funcionam.

4. Novos livros tentam esconder a insignificância de Paulo Freire no mundo das ideias

“Quem já leu uma biografia de Paulo Freire, leu todas”. Em ensaio para a Gazeta do Povo, Martim Vasques da Cunha analisou não só as duas últimas biografias publicadas sobre Paulo Freire, mas também os fundamentos do pensamento do educador, com base no personalismo de Emmanuel Mounier, no construtivismo pedagógico, na eliminação de Deus e colocando o homem como “autor da própria libertação”, bem em sintonia com a doutrina marxista. Vasques da Cunha também traz detalhes curiosos da vida de Paulo Freire, como a defesa do crioulo como língua oficial do país em lugar do português, o péssimo desempenho documentado de Freire como secretário municipal de Educação de São Paulo e a sua desistência de entender “Grande Sertão: veredas”, de Guimarães Rosa que, para ele, era preciso ser “traduzido”.

5. Paulo Freire e a autoajuda marxista

“O que seria da cultura brasileira se Machado de Assis fosse obrigado, em sua alfabetização, a tartamudear sobre o morro em que nasceu?” Essa é a pergunta que faz José Maria e Silva em artigo publicado na Gazeta do Povo, em crítica ao método de ensino de Paulo Freire, que restringe o aluno às suas próprias experiências. No texto, ele desmascara, em poucas palavras, a ideologia explícita de obras como “Pedagogia do Oprimido”.

6. A transformação de Paulo Freire: de manifesto maoísta a manual de pedagogia

A colunista Bruna Frascolla revela como a "Pedagogia do Oprimido", de Paulo Freire, nem sequer pretendia ser um livro de pedagogia. Era, na verdade, o livro de um comunista voltado a criticar o dirigismo estalinista e apoiar o maoísmo. Por razões que a própria Razão desconhece, tornou-se a Bíblia de pedagogos brasileiros e referência para anglófonos.

7. Paulo Freire em xeque: de Patrono da Educação às ideias indefensáveis

Em seu mais famoso livro, Paulo Freire faz elogios a Fidel Castro e Che Guevara e destaca a sua intenção de “despertar a consciência” dos alunos para a “opressão”. Marxista assumido, Paulo tinha a luta de classes embutida em sua visão de mundo.

* PARA OUVIR: Como Paulo Freire ajudou a destruir a educação brasileira

E, por último, como cereja do bolo, o podcast Ideias explica por que, apesar de tudo, Paulo Freire é enaltecido no Brasil e fora dele: o educador conseguiu levar para a sala de aula o marxismo, a luta de classes, a lógica do “opressor e do oprimido”, dando a essas opiniões uma força de autoridade invisível, como um dogma impossível de ser contestado. Os alunos acabam reduzindo seus conhecimentos à batalha contra um agressor que não existe, sem perceber que, na realidade, estão sendo alienados de estudos que poderiam libertá-los da pobreza e da ignorância.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.