Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (PT); o atual governador do estado, Rui Costa (PT); e o ex-presidente Luiz Inácio da Lula da Silva
O ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (PT); o atual governador do estado, Rui Costa (PT); e o ex-presidente Luiz Inácio da Lula da Silva| Foto: Divulgação / PT

Dois colégios na Bahia ganharam as manchetes nos jornais nacionais nos últimos dias por fatos em sala de aula envolvendo ativismo LGBT e suspeita de doutrinação política na educação básica. No primeiro, um professor estimulou alunos de 11 a 13 anos a beijarem colegas do mesmo sexo e também do sexo oposto. No segundo, uma mãe fez um boletim de ocorrência em uma delegacia contra uma professora de filosofia de ensino médio por divulgar suposto conteúdo “esquerdista” e má qualidade do ensino. Os dois casos, de acordo com fontes locais, são apenas indícios, a “ponta do iceberg”, dos frutos de um ensino público moldado pelos 14 anos de gestões do PT no governo estadual.

>> Faça parte do canal de Vida e Cidadania no Telegram

A falta de qualidade da educação (o ensino público da Bahia está entre os piores do Brasil, veja abaixo), de acordo com as fontes, se dá em parte pela invasão em sala de aula de temas progressistas, como o respeito à diversidade transformado em ativismo LGBT ou a luta legítima contra o racismo desfigurada na suposição de que o país viveria “em um racismo estrutural”. Ao mesmo tempo, professores facilitam a entrada de políticos do PT, PCdoB e PSOL em sala de aula, mostrando apenas uma versão dos fatos.

Basta percorrer as instituições e as redes sociais dos colégios para encontrar alguns indícios dessa influência. Uma das iniciativas mais comuns é o fato de professores e outras personalidades convidarem alunos a participar de eventos políticos, sempre de esquerda, sem espaço para o contraditório.

No canal do YouTube do Colégio Estadual Thales de Azevedo, por exemplo, mesma unidade onde a mãe da aluna denunciou uma professora por doutrinação, no Projeto Entrelace sobre “diversidade e pluralidade nas escolas”, com conteúdo bastante questionável, Alexandro Reis, secretário nacional de Comunicação da União de Negras e Negros pela Igualdade (Unegro), exortou os alunos a participarem de uma manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro.

“Eu faço um convite a vocês aqui. No próximo sábado, vamos fazer uma grande manifestação. Uma manifestação pela democracia e pelo Brasil contra o atual governo – que não quero dizer o nome e não chamo ele de presidente – que tem perfil genocida e que estamos descobrindo que o negacionismo dele à vacina da Covid não era só por desconhecimento ou ignorância, mas era também por interesses econômicos. Nós precisamos lutar contra isso. É assim que você luta contra o racismo, contra a discriminação de gênero e você ganha a capacidade para entender a sociedade e se situar. Essa eu acho que é a grande tarefa que nós saímos desse encontro”, conclama Reis, em sua apresentação.

O velho conceito marxista de luta de classes está presente em muitos deles, com mistura de conceitos e frases ambíguas. Os alunos aprendem, por exemplo, que “as classes mais abastadas” querem dominar a cultura, “como fizeram Hitler e os escravocratas”. Os empresários são detentores dos meios econômicos que “oprimem a classe trabalhadora”.

Já o educador Paulo Freire, que era filiado ao PT e marxista, que junto ao seu inegável interesse pela educação dos mais pobres nunca escondeu suas questionáveis intenções políticas, é transformado em herói – apesar de ser considerado, pelas recentes pesquisas, um dos responsáveis pelo que alguns especialistas chamam de “pedagogia do fracasso” no Brasil.

São comuns atos como os realizados no Colégio Estadual de Jacobina, na cidade de Jacobina, no Norte da Bahia, em que o centenário de Paulo Freire foi comemorado com homenagens, sem nenhum tipo de crítica, ao que seria o defensor da “educação como prática para a liberdade”.

O próprio secretário da Educação da Bahia (SEC), Jerônimo Rodrigues, é um entusiasta do pedagogo. E não só dele. Não são poucos os posts sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), classificando-o como uma “referência de vida, de luta e de dignidade”, ovacionados por professores e até sindicalistas.

Falando neles, as manifestações por parte sindicato dos professores, a Associação dos Professores Licenciados do Brasil (APLB) também não escondem as intenções da agremiação. Não faltam as hashtags #ForaBolsonaro, registros de atos contra o presidente da República, charges, menções a Freire e até panelaço. A lista é grande.

É possível identificar, inclusive, políticos de partidos de esquerda, como a deputada federal Alice Portugal e o vereador de Salvador, Augusto Vasconcellos, os dois do PCdoB, em campanhas do sindicato dos professores baianos “em defesa da vida”.

Procurado pela Gazeta do Povo, o presidente da APLB Bahia, Rui Oliveira, negou a existência de doutrinação nas escolas baianas. “Isso nunca existiu. Toda escola tem liberdade de expressão, liberdade de cátedra e tem a função social de mostrar as diversas variáveis que existem na sociedade. A escolha e o discernimento quem faz é o aluno. Mas ele é obrigado a conviver e a respeitar o outro. Ele tem que conviver com as diferenças. Ele tem que saber conviver com isso. A escola é um local onde isso se dá de forma muito clara. Então não existe posição ideológica”, contou.

Jerônimo Rodrigues foi procurado pela equipe do Gazeta do Povo para responder aos questionamentos sobre doutrinação ideológicas nas escolas baianas, mas enviou apenas uma nota por meio da Secretaria. De acordo com a pasta, "os conteúdos ministrados na rede estadual de ensino estão em consonância com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), com o Referencial Curricular do Estado e são acompanhados pela Coordenação Pedagógica de cada escola".

Baixa qualidade da educação

A Bahia, administrada pelo governador Rui Costa (PT), tem o maior número de analfabetos do país, de acordo com estudo da Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2019, eram cerca de 1,5 milhão de pessoas, com 15 anos ou mais, que não sabiam escrever um bilhete simples – número 2,8% superior a 2018 e 3% superior a 2016.

O desempenho dos alunos de escolas públicas da Bahia no fim do 9º ano do ensino fundamental e do ensino médio também está entre os piores do país, de acordo com o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), indicador que mede a qualidade do ensino no Brasil. Na edição de 2019 do Ideb, no caso dos anos finais do ensino médio da rede estadual, os alunos baianos só ganharam de seus colegas do Sergipe e do Rio Grande do Norte. A nota deles no Ideb foi 3,8, muito abaixo da média do Brasil, 4,6.

No ensino médio estadual, a Bahia empatou no último lugar com Amapá, Pará e Rio Grande do Norte; com um Ideb 3,2 – sendo que a média nacional foi de 3,9.

Doutrinação nas universidades

A predominância das teses de esquerda nas universidades públicas, na formação dos futuros professores, também é uma das causas desse cenário. E os exemplos são vários.

A Universidade Federal da Bahia (UFBA), por exemplo, incluiu no currículo um curso sobre o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Para os responsáveis pela disciplina, porém, tratou-se de um golpe - e não há espaço de discussão para quem questiona ou pensa diferente. Assim, a universidade passou a ofertar a matéria "Tópicos Especiais em História - O golpe de 2016" e o futuro da democracia no Brasil”. O curso é optativo, mas pode contar créditos para a formatura.

A mesma universidade promoveu também o evento online "Educação contra a barbárie - Ato Público em Defesa da Educação". Os discursos concentraram-se em críticas ao governo federal, principalmente quanto ao orçamento disponibilizado à educação superior e à pesquisa científica e a episódios considerados como “ataques à universidade pública”, como a seleção de reitores por Bolsonaro a partir de listas tríplices encaminhadas pelas instituições de ensino - algo previsto em lei.

Outro assunto abordado durante a transmissão da UFBA foi a gestão do governo federal da pandemia da Covid-19. Diversas falas citaram como faltas graves episódios opináveis de decisões Ministério da Saúde, como o tratamento precoce, e comportamentos de Bolsonaro considerados negacionistas; sem contar as referências ao presidente da República como “genocida”. “Fora ao genocida. Nós sabemos que a universidade só terá força e educação para se desenvolver se esse governo sair do comando do nosso país”, disse a deputada federal Lídice da Mata (PSB-BA) em discurso durante o evento.

Já a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) tomou uma iniciativa social criticada por juristas: a criação de cotas para detentos, ex-presidiários e refugiados. A decisão foi tomada pelo Conselho Universitário no fim de junho, e publicada em forma de resolução.

Outro exemplo é o conjunto de manifestações oficiais da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), com ironias ao governo federal e posições político-partidárias ou ideológicas. Em uma das publicações, UFRB ironiza uma fala do presidente Jair Bolsonaro, que brincou que a vacina contra a Covid-19 poderia “transformar as pessoas em jacaré”. Em outra, a universidade exalta a “diversidade” no Dia do Orgulho LGBT. Nos comentários, um professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) responde: “Que orgulho do posicionamento da UFRB”. Um estudante emenda: “Amo a minha universidade”.

* Com a colaboração de Mateus Soares.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]