i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
língua estrangeira

Aulas de Inglês acontecem em português

Pesquisa sobre o ensino de língua inglesa na escola pública mostra que o idioma não é considerado relevante pelos alunos e que os professores têm dificuldades com a fala

  • PorMarcela Campos
  • 30/09/2015 22:00
 | /
| Foto: /

Professora de Inglês na rede estadual de ensino, Ivani Aparecida Andrade não utiliza mais os livros didáticos em sala, pois considera os materiais muito avançados para o grau de conhecimento dos estudantes. A aula é de língua estrangeira, mas as conversas acontecem em português. “Eu morei um ano nos Estados Unidos e quando voltei os alunos odiavam a minha aula, porque eu falava em inglês. Pediam para eu usar o português, diziam que não entendiam nada”, conta. A percepção do dia a dia é confirmada por dados.

Apenas 5 % dos brasileiros falam inglês

Pesquisa do British Council revela os desafios do ensino da língua no país

Embora o inglês seja hoje o idioma mais difundido no mundo, apenas 5% dos brasileiros falam a língua e menos de 1% apresentam algum grau de fluência, aponta pesquisa feita em 2013 pelo British Council. A evolução desse quadro passa obrigatoriamente pela melhoria das condições de ensino na rede pública, onde estão 85% dos brasileiros matriculados nos ensinos fundamental e médio. “Devido à realidade do Brasil, ao peso da educação pública no país, esse é um caminho muito importante”, afirma Nina Coutinho, Diretora para Língua Inglesa do British Council no Brasil.

As dificuldades com a língua não parecem estar apenas no ensino público. Segundo dados do Índice de Proficiência em Inglês 2014, medido pela empresa de educação EF Education First, o Brasil apresenta “proficiência baixa” na língua, enquanto a Argentina está no rol de países com “proficiência alta”. A conclusão foi obtida a partir de exames de Inglês feitos em 2013 por 750 mil alunos maiores de 19 anos, em 63 países. A proficiência da população avaliada é dividida em cinco níveis: “muito alta”, “alta”, “moderada”, “baixa” e “muito baixa”.

Pesquisa inédita encomendada pela organização British Council com 1.269 professores de ensino fundamental e médio da rede pública mostrou que 42% deles entendem que os livros são muito difíceis para os alunos. Além disso, do total de docentes, 41% dizem que a língua inglesa não é considerada relevante pelos estudantes.

Além da falta de recursos didáticos adequados e do interesse dos alunos, o estudo aponta outras condições que interferem do ensino de Inglês nas escolas públicas, entre elas a sobrecarga e o despreparo dos docentes. Os professores entrevistados reconhecem que têm dificuldades com o idioma e apontam a falta de oportunidade de praticar como o principal entrave: do total de docentes, 22% admitiram apresentar problemas com a língua falada e 55% afirmaram não ter oportunidades para conversar em inglês.

A dificuldade dos professores com a oralidade faz com que o ensino seja focado em questões gramaticais, com poucas oportunidades para que os alunos se comuniquem de maneira adequada em diferentes contextos, afirma a professora Ana Lúcia Ducatti, autora de uma dissertação de Mestrado sobre os entraves da aprendizagem de Inglês em uma escola pública do interior de São Paulo. “Se o próprio professor não se sente confiante em dar a aula, os alunos não têm como aprender”, diz.

Naiara da Costa Barbosa é aluna do 1.º ano do ensino médio do Colégio Estadual Hildebrando de Araújo, no Jardim Botânico. Ela valoriza as aulas de Inglês da escola, mas afirma que tem dificuldade em aprender a pronúncia das palavras. “Às vezes tem muita bagunça na sala e eu não consigo entender”, diz.

Apenas 5 % dos brasileiros falam inglês

Leia a matéria completa

A pesquisa divulgada pelo British Council mostra ainda que os professores estão sobrecarregados: 69% deles dão aulas para mais de cinco turmas e grande parte das aulas não é de Inglês. Geralmente os docentes também lecionam Português, uma vez que boa parte deles é formada em Letras – Língua Portuguesa e Letras – Língua Portuguesa e Estrangeira. Segundo Ana Lúcia, por possuírem dupla licenciatura, os docentes escolhem primeiro as aulas de Português, para depois completarem a carga horária com as de Inglês. “Os professores escolhem primeiro Português, porque têm mais confiança no ensino dessa língua”, afirma.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.