Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Educação
  3. Cotas para transgêneros mostram incompreensão do papel da universidade

Opinião

Cotas para transgêneros mostram incompreensão do papel da universidade

Universidade parece reconhecer que é impossível haver um critério objetivo; bastará a um homem dizer que, em sua mente, é uma mulher

  • Gabriel de Arruda Castro
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A intenção original das ações afirmativas, de onde os progressistas brasileiros importaram a ideia do sistema de cotas nas universidades, foi a de reparar um sistema de segregação que durou até a década de 1960 nos Estados Unidos. Lá, o governo violava a noção de igualdade ao tratar negros como cidadãos inferiores, que eram impedidos de frequentar certas universidades e escolas, e de ocupar certos cargos. 

Pode-se discutir se esta era a melhor solução para remediar o problema. Mas, de fato, havia uma razão clara para a adoção de um sistema de cotas, posteriormente convertido nas chamadas ações afirmativas. No Brasil, porém, a adaptação dessa ideia sempre foi problemática.

Primeiro, porque não houve, após a abolição da escravidão, um sistema oficial que impedisse os negros ou indígenas de frequentar instituições de ensino. Em segundo lugar, por causa da falta de delimitação clara entre brancos e negros. 

Agora, parece que o próximo passo das universidades públicas é estender a transexuais e transgêneros o critério diferenciado de seleção que já é aplicado (por lei federal) a alunos de baixa renda, oriundos de escolas públicas, negros e indígenas. E isto gera ainda mais problemas.

Como mostrou a Gazeta do Povo, uma das pioneiras nesse quesito é a Universidade Federal do Cariri (UFCA). Inicialmente, a reserva de vagas será aplicada apenas no mestrado e no doutorado. Outras instituições, como a Universidade Federal da Bahia, debatem o assunto.

O problema se torna evidente no critério de seleção: basta se autodeclarar transexual ou transgênero para concorrer uma das vagas reservadas. Ou seja: especialmente no caso dos transgêneros, em que não é preciso ter qualquer aparência externa característica, é impossível haver um exame objetivo. Bastará a um homem dizer que, em sua mente, é uma mulher.

Pessoas que se identificam como transexuais ou transgêneros sempre puderem ir à escola, ter empregos e concorrer livremente no vestibular (que, a propósito, impede discriminação porque os candidatos não são identificados, ao contrário do sistema americano). Não há empecilhos no sistema legal que os impeçam de chegar a uma universidade. 

Além disso, diferentemente da negritude, o transexualismo não necessariamente é permanente: não há ex-negros, mas existem pessoas que acreditam ser transgêneros e depois deixam de se identificar como tal.  

O que se fará com um aluno que, porventura, declarar-se transgênero, for aprovado pelo sistema de cotas e depois decidir que deixou de sê-lo? 

Por fim, há um debate mais profundo a ser feito. Se a função da universidade é combater desigualdades ou fazer a "justiça social", é o caso de se indagar por que ainda existe um processo competitivo de seleção, em vez de um sistema que distribua as vagas àqueles considerados mais oprimidos e desfavorecidos. 

Se o mérito intelectual ainda é um fator relevante, e se o sistema de cotas é mesmo a forma ideal de corrigir injustiças, melhor seria restringir a reserva de vagas àqueles que mais precisam. E, como os dados mostram, a barreira econômica, não o preconceito, é o principal entrave no acesso à educação de qualidade.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE