Sacrifícios humanos mostrados no Codex Magliabechiano.
Sacrifícios humanos mostrados no Codex Magliabechiano.| Foto: Wikimedia Commons

O Conselho de Educação da Califórnia votou recentemente por unanimidade para aprovar um Currículo Modelo de Estudos Étnicos para uso em todas as escolas públicas do estado. Como o National Review apontou no dia em que a votação foi realizada, este currículo é “provavelmente o documento educacional mais radical, polêmico e ideologicamente carregado já oferecido para avaliação pública no mundo democrático”. É um programa de doutrinação elaborado para o pior tipo de política tribal - um projeto de engenharia social projetado para apagar a individualidade do ser humano e transformar cada um de nós em avatares de nossas características imutáveis. O conteúdo que será ensinado a gerações inteiras de californianos, um catecismo com dogmas de um evangelho tão sombrio e totalmente político, é quase doloroso demais para suportar.

Como observei há algumas semanas, a parte mais surpreendente do currículo é a seção que trata da religião:

“Os alunos devem ser ensinados que os colonos cristãos brancos cometeram 'teocídio' contra as tribos indígenas quando chegaram ao Novo Mundo acabando com os deuses nativos americanos e substituindo-os pelo Deus cristão. De acordo com o currículo, essa substituição deu início a um regime definido pela 'colonialidade, desumanização e genocídio' e pelo 'apagamento explícito e substituição da Indigenidade holística e da humanidade'. Mas nem tudo está perdido, dizem. Pois os alunos aprenderão que eles têm o poder e a responsabilidade de construir uma ordem social definida pelo 'contra-genocídio', que acabará suplantando os últimos vestígios do cristianismo colonial e pavimentando o caminho para a 'regeneração do futuro epistêmico e cultural indígena'”.

O currículo apresenta os deuses pagãos do império asteca como objetos de estudo e veneração mais valiosos do que Jesus de Nazaré. Esta apresentação não se baseia em acurada teoria ou investigação acadêmica. Como mencionou Christopher F. Rufo, os professores são incentivados pelos autores do currículo a conduzir seus alunos a um “louvor comunitário dos estudos étnicos”, que assume a forma de adoração oferecida a essas divindades:

“Os alunos primeiro batem palmas e cantam para o deus Tezkatlipoka - a quem os astecas tradicionalmente adoravam com sacrifício humano e canibalismo - pedindo a ele o poder de serem 'guerreiros' pela 'justiça social'. Em seguida, os alunos cantam aos deuses Quetzalcoatl, Huitzilopochtli e Xipe Totek, buscando 'epistemologias de cura' e 'um espírito revolucionário'. Huitzilopochtli, em particular, é a divindade asteca da guerra e inspirou centenas de milhares de sacrifícios humanos durante o domínio asteca. Finalmente, o canto chega ao clímax com um pedido de 'libertação, transformação [e] descolonização', após o qual os alunos gritam 'Panche beh! Panche beh! ' em busca da 'consciência crítica' final”.

Mesmo um conhecimento passageiro da história asteca levanta sérias questões sobre este ritual (um conhecimento básico sobre a Primeira Emenda levanta ainda mais, mas isso é um assunto diferente). Nada, porém, é mais importante do que o motivo pelo qual os educadores trouxeram essas divindades de volta à vida depois de tantos séculos de sono. Por que professores e administradores na Califórnia desejam reviver esses cultos astecas como positivos e colocá-los contra o cristianismo?

Não podemos fazer essa pergunta corretamente - muito menos respondê-la - sem dar pelo menos uma olhada superficial na história asteca e procurar as virtudes que o Conselho de Educação da Califórnia acredita ter encontrado nos cultos dessas divindades mesoamericanas.

Leia também: Cristofobia no Brasil é realidade? Depende da definição de cristofobia

Torturas e sacrifícios humanos

O principal local de adoração no império asteca era o Templo Mayor na cidade de Tenochtitlan, que era composto de pirâmides gêmeas, uma dedicada a Huitzilopochtli, deus do sol, e a outra a Tlaloc, o deus da chuva. Como todos os deuses astecas, Huitzilopochtli e Tlaloc tinham um apetite insaciável por sacrifícios humanos. Os sacerdotes de Huitzilopochtli apaziguavam sua divindade padroeira colocando uma vítima sacrificial em uma pedra no ápice da pirâmide do deus, retirando o coração da vítima (enquanto ela ainda estava viva) e, em seguida, rolando o corpo pela lateral da pirâmide, até chegar à base onde a pessoa era desmembrada, descartada ou comida. Fontes pós-conquista relatam que na reconsagração dessa pirâmide em 1.487, cerca de 80.400 pessoas foram sacrificadas dessa maneira ao longo de apenas quatro dias. Mesmo os historiadores que consideram esse número um exagero admitem que a contagem de vítimas provavelmente estaria na casa das dezenas de milhares.

Compare com essa passagem da bíblia: "Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a boca; como um cordeiro é levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a boca".

Tlaloc era uma figura ainda menos atraente. Ele tinha uma predileção particular pelo sacrifício de crianças. Os restos mortais de mais de 40 meninos e meninas foram descobertos no local da escavação da grande pirâmide, a maioria com marcas de tortura severa e prolongada. Isso era de se esperar, visto que os códices pictóricos astecas que chegaram até nós mostram, invariavelmente, crianças chorando antes de serem sacrificadas. Os sacerdotes de Tlaloc acreditavam que as lágrimas de crianças inocentes eram particularmente agradáveis ​​ao deus, e eles tomaram muito cuidado para garantir que suas pequenas vítimas chorassem antes e durante a cerimônia para que a fumaça do fogo sacrificial levasse suas lágrimas até o deus no momento da morte. O ritual começava com os ossos das crianças sendo quebrados, suas mãos ou pés queimados e inscrições dolorosas feitas em sua carne. Elas eram então exibidas para os celebrantes do ritual enquanto choravam. Como eles acreditavam que lágrimas insuficientes das crianças resultassem em chuvas insuficientes para as safras daquele ano, nenhuma brutalidade era poupada. No final, as vítimas mutiladas eram queimadas vivas.

Compare com esta outra passagem bíblica:

“Mas Jesus chamou os filhos e disse: 'Deixai que os pequeninos venham a mim, e não os impeçais, porque o reino de Deus pertence a esses'”.

Tezcatlipoca, que também aparece no novo catálogo californiano de divindades veneráveis, era considerado o mais poderoso dos deuses astecas. Ele dominou a escuridão, a noite, a feitiçaria e a bruxaria. Ele também tinha o poder de perturbar a cortesia social e a felicidade dos próprios deuses e era, por essa razão, particularmente temido. Ele foi adorado com muitas formas diferentes de sacrifício. Uma delas envolvia vestir a vítima com esplêndidos trajes de guerreiro e amarrá-la a uma estaca ou parede. Os guerreiros astecas então "batalhariam" com ela de maneira zombeteira e humilhante, prolongando esse ritual de humilhação e tortura para entreter o deus e a si próprios pelo maior tempo possível.

Compare com esta outra passagem bíblica:

“E depois de tecerem uma coroa de espinhos, puseram-lhe na cabeça e uma cana na mão direita; e ajoelharam-se diante dele e zombaram dele, dizendo: 'Salve, Rei dos Judeus!' E cuspiram nele, tomaram a cana e feriram-no na cabeça. E depois que zombaram dele, tiraram o manto dele, e colocaram suas próprias vestes sobre ele, e o levaram para crucificá-lo” .

Estas são as divindades a quem o deus cristão deve reparações teológicas aos olhos do sistema educacional da Califórnia. As passagens em itálico das escrituras cristãs foram intercaladas acima para que os leitores possam julgar por si mesmos qual das duas religiões é mais bem caracterizada por "colonialidade, desumanização e genocídio". Discuti apenas os três deuses astecas mais proeminentes, mas o leitor inclinado a prosseguir com sua própria pesquisa não encontrará em todo o panteão das divindades mesoamericanas característica redimível.

O bem e a verdade não importam

Os historiadores de tendências anticoloniais pensavam por muito tempo que os conquistadores exageravam muito seus relatos sobre a crueldade asteca para fins polêmicos. Já se sabe que não é assim: agora, existem amplas evidências documentais e arqueológicas mostrando que os astecas eram tão gratuitamente cruéis quanto os colonos espanhóis originalmente relataram que eram.

A pergunta que surge, então, é o motivo pelo qual uma conspiração de engenheiros sociais na Califórnia deseja apresentar essas crenças religiosas em uma luz positiva para as crianças americanas. Certamente não é porque eles pensam que esses deuses e seus servos humanos eram moralmente impressionantes. Alguns malucos na turma do QAnon podem pensar assim, mas aqueles que possuem suas faculdades críticas em ordem nunca aceitariam essa ideia.

Não, a verdadeira razão pela qual os autores do Currículo de Estudos Étnicos da Califórnia têm uma visão positiva da religião asteca e uma visão negativa do Cristianismo é porque os deuses astecas perderam a batalha das ortodoxias religiosas e o Novo Mundo e o Deus Cristão venceram. Realmente é tão simples quanto isso.

Em sua forma mais radical, a análise social e histórica de tendência esquerdista começa com o axioma de que o poder coercitivo e violento é a única variável nos arranjos sociais humanos. A vida é concebida como uma competição de soma zero entre grupos. Todos os outros fatores que podem ser considerados responsáveis ​​pelas disparidades de sucesso entre esses grupos - em termos de capital humano, condições materiais ou ideias de governo - são vistos como facetas elaboradas que disfarçam a simples luta pelo poder. Esse ponto de partida axiomático leva inevitavelmente à conclusão de que a ordem social reinante alcançou seu domínio oprimindo os grupos que foram marginalizados. É por isso que palavras como “domínio”, “opressão” e “marginalização” se tornaram lugares-comuns em nosso léxico político.

A variação marxista clássica sobre esse tema é, obviamente, econômica: a história diz que os capitalistas e a burguesia estabeleceram e cimentaram o sistema econômico global atual oprimindo o proletariado. Mas uma grande parte da esquerda pós-1960 complementou as categorias econômicas de Marx com uma série de outras: raça, gênero, orientação sexual, afiliação religiosa, nacionalidade e assim por diante. O grande opressor não é mais apenas o capitalista, mas o capitalista masculino heterossexual, branco, imperialista, europeu, cisgênero e cristão. Essa é a inovação da interseccionalidade. Qualquer vantagem que as pessoas pertencentes aos grupos dominantes tenham obtido sobre os grupos marginalizados ao longo dos séculos é considerada o resultado de uma ordem social fraudada. As vantagens - ou “privilégios” - de que gozam os descendentes dos opressores históricos são apresentadas como ganhos ilícitos.

Entendida dentro dessa estrutura, a história dos astecas é simples. Eles eram um povo nativo americano, não cristão, que foi conquistado pelos imperialistas cristãos europeus. Sua derrota nas mãos da civilização ocidental, que teve a temeridade e a maldade de durar tanto tempo oprimindo os oprimidos da Terra, é suficiente para dotar suas práticas religiosas de uma nobreza e uma virtude totalmente distintas de seu conteúdo.

Para os elementos mais extremos da esquerda, o simples fato de ser poderoso ou bem-sucedido é incriminador. O simples fato de ser o oprimido insurgente perdoa qualquer violência. A longa e vergonhosa gestão de Noam Chomsky como útil idiota chefe do Khmer Vermelho no Camboja e sua concomitante minimização dos campos de extermínio é apenas um exemplo disso.

Outro exemplo é a ideia comum de que os brancos não podem ser vítimas de racismo. Como os brancos, de acordo com muitos da esquerda interseccional, alcançaram poder hegemônico na sociedade por meio do uso da violência, eles não podem ser considerados vítimas de racismo em nenhum sentido, a menos e até que as pessoas de cor tenham exercido violência suficiente para derrubar o opressor existente na ordem social. Até esse ponto, que nunca é definido de forma concreta, uma pessoa branca não pode ter queixa legítima contra uma pessoa de cor. Não é permitido espaço para complexidade histórica ou atenção aos detalhes.

Quando John Locke reuniu os elementos díspares do liberalismo clássico em uma filosofia coerente, ele o fez não com o propósito de formar um governo, mas para justificar a revolução. Derrubar, em vez de ordenar, é o instinto político básico do liberalismo progressista, razão pela qual, uma vez vencida a Guerra da Independência, os Pais Fundadores tiveram de recorrer ao republicanismo clássico em busca de uma linguagem adequada para estruturar uma constituição. As ramificações mais malucas do progressismo, primo extremista do liberalismo, apenas levam este espírito de revolução ao enésimo grau. Deuses do sacrifício de crianças podem ser defendidos dentro dessa estrutura, desde que sejam deuses insurgentes; contanto que eles sejam oprimidos pelo “Homem” - mesmo quando o Homem é o próprio Jesus Cristo.

Os primeiros cristãos eram da opinião de que os deuses pagãos não eram necessariamente irreais; em vez disso, eles eram simplesmente demônios que os seres humanos haviam sido enganados para adorar como divindades. Isso parece estranho para nós, modernos, que desconfiamos do sobrenatural. Mas as demandas particulares dos deuses astecas são, penso eu, depravadas o suficiente para fazer até mesmo os mais céticos entre nós considerar por um momento que pode existir mais do que males materiais em ação entre nós. Quer se tenha uma visão metafísica ou metafórica do assunto ou não, não se pode negar que nossa tendência social de dar o benefício da dúvida às partes derrotadas, aos insurgentes fracassados, desencadeou forças demoníacas no mundo.

Jogando com essa tendência americana, o Hamas, o Hezbollah, o IRA e outros grupos terroristas obtiveram apoio de ignorantes ou mal informados para seus fins violentos ao longo dos anos. Os autores do novo currículo da Califórnia estão agora explorando exatamente a mesma simpatia na área da educação.

Em muitos aspectos, seu currículo é muito parecido com o altar de pedra que ficava no topo da Grande Pirâmide de Tenochtitlan. É o ápice de um edifício ideológico que levou décadas, senão séculos, para construir. Os valores que consagra não seriam tolerados sem este edifício, que lhe confere legitimidade, autoridade e respeitabilidade. E, o mais importante e terrível de tudo, muitos de nossos filhos serão sacrificados por causa disso se concedermos ao culto que ele serve mais respeito e tolerância do que merece.

Leia também: Cota para deputados e benefícios fiscais para negros: o que querem os juristas que revisam leis sobre o racismo

© 2021 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês

24 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]