Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A Imagem mostra frame do vídeo divulgado na tarde desta sexta-feira no Twitter: “tive depressão” pelo ministro da Educação.
Imagem do vídeo divulgado na tarde desta sexta-feira no Twitter: “tive depressão”. Foto: Reprodução | Twitter.| Foto:

Após ter seu histórico escolar divulgado nas redes sociais, com notas baixas na faculdade, o ministro da Educação, Abraham Weintraub veiculou vídeo em que lamenta a divulgação do documento e relata drama familiar para justificar o seu desempenho.

"Está circulando na internet o meu boletim do primeiro ano e meio na faculdade, os três primeiros semestres na USP (...). E esse primeiro ano e meio meu foi um inferno", conta.

"Como esse boletim foi obtido, é ilegal, não tinha acesso, mas ele não é fake news, é verdade", disse. "Nesse primeiro ano e meio os meus pais se separaram, teve o Plano Collor, minha família desmanchou, eu tive depressão e eu sofri um acidente horroroso que eu tive de colocar parafuso no braço; eu fiquei seis meses sem poder escrever e só teve um professor que me deixou fazer prova oral, está aqui a cicatriz, 15 centímetros", afirmou mostrando o ombro direito.

O histórico escolar do ministro foi divulgado pelo cientista político Alberto Carlos Almeida, após o ministro anunciar cortes nos orçamentos das universidades. No Twitter, Almeida postou:

No início da semana, em entrevista para o jornal O Estado de S. Paulo o ministro alegou, entre os motivos para a redução de recursos para as instituições de ensino superior públicas, casos de "balbúrdia" no ambiente acadêmico, pagos pelo erário. Mas o ministro não foi claro quais seriam os eventos que poderiam ser assim classificados. Seus críticos, então, utilizaram o documento nas redes sociais em retaliação a esse fato.

EDITORIAL: As polêmicas do MEC continuam

27 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]