Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Reprodução / Pixabay
| Foto: Reprodução / Pixabay

Uma escola na Geórgia, Estados Unidos, anunciou que adotará castigos físicos para alunos com problemas de disciplina. A Georgia School for Innovation and the Classics (GSIC), localizada no município de Hephzibah, enviou uma carta aos pais pedindo permissão para bater nos alunos com uma palmatória de madeira.

De acordo com a superintendente da instituição, Jody Boulineau, a punição física às crianças é opcional: os pais podem conceder ou negar consentimento para a escola usar palmatórias de madeira em seus filhos. Se negarem, eles devem concordar com uma punição alternativa de cinco dias de suspensão. 

Leia também: Formatura: escola presenteia alunos com mochilas à prova de balas

“Nesta escola, levamos disciplina muito a sério”, disse Boulineau ao jornal local WRDW. “É apenas mais uma ferramenta que temos no nosso repertório de disciplina e que podemos usar”, completou.

Polêmica

“O estudante será levado para um escritório a portas fechadas. O aluno colocará as mãos nos joelhos ou na mobília e será atingido nas nádegas com uma palmatória”, diz o formulário entregue aos pais. 

Segundo o documento, o castigo deverá ser aplicado na presença de uma testemunha maior de idade. Podem ser aplicados até três golpes usando uma palmatória de 60 centímetros de comprimento, 15 centímetros de largura e 2 centímetros de espessura. 

Ainda de acordo com a superintendente, cerca de um terço dos pais responderam ao pedido autorizando o castigo físico.

Leia também: Contra atiradores, escola protege alunos e professores com pedras

“Ouvi desde ‘ótimo, já estava na hora, estamos tão felizes que isso está acontecendo de novo, eles nunca deveriam ter tirado isso das escolas’, até ‘oh meu Deus, não consigo acreditar em você estão fazendo isso’.” 

Boulineau lembrou também que castigo físico é permitido em escolas em vinte Estados americanos, incluindo a Geórgia, mas a prática se tornou incomum nas últimas décadas

“Houve um tempo em que o castigo corporal era uma espécie de norma na escola e não tínhamos os problemas que temos hoje”, defendeu.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]