Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Exemplo

Escola transforma lanche do recreio em teste de honestidade

Em colégio de Curitiba, alunos do 6º ao 9º só precisam deixar o dinheiro em uma caixinha e pegar o produto em outra. Não há supervisão

  • Ricardo Prado, especial para a Gazeta do Povo
O experimento foi chamado de “Projeto Honestidade”. | Divulgação
O experimento foi chamado de “Projeto Honestidade”. Divulgação
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A honestidade pode ser estimulada desde cedo – até mesmo na hora do recreio. É assim em uma escola de Curitiba. Nos intervalos da Escola Atuação, os alunos do 6º ao 9º ano compram o lanche sem qualquer supervisão. Basta deixar o dinheiro em uma caixinha, pegar o produto em outra e, se for o caso, retirar o troco. Não há supervisão. 

O experimento foi chamado de “Projeto Honestidade”. Segundo a escola, até agora não houve quem pegasse o lanche sem pagar. 

“Temos observado há algum tempo a decadência emocional das crianças, com relação ao que vem acontecendo em nosso país. Quando conversamos, elas comentam sobre questões políticas, tudo que está presente no noticiário”, conta a psicopedagoga Esther Cristina Pereira, diretora da instituição.  

“Na Europa você passa no supermercado e paga sua própria comida. Não é preciso alguém lhe cobrar. Se lá esse processo deu certo, por que nós, brasileiros, não podemos começar a trabalhar isso?”, questiona a diretora. 

A iniciativa agradou as crianças. “Achei interessante esse projeto. Ele demonstra a confiança que a escola tem em nós. É importante porque prova que somos honestos”, conta Francisco Barth, de 11 anos. A colega Lorena Stocco, 12, tem a mesma opinião: “É importante porque, ao mesmo tempo em que nos, dão liberdade, demonstram confiança em nós”. 

Reflexo prático 

O comportamento ensinado dentro da escola é reproduzido também fora dela. “Já recebi o troco errado e contei para o atendente que estava sobrando”, conta Álvaro Xavier, 11 anos. 

O projeto surpreendeu até mesmo os pais. “Fomos pegos de surpresa”, explica Daniele Cristina Machado, mãe de um aluno da instituição. “O engraçado é que, antes costumava dar um valor para meu filho levar para a escola, e hoje ele pede para dar o dinheiro certinho, já que facilita o troco”, completa. 

O teste, mesmo que em escala pequena, também ajuda a desfazer estereótipos. “Na concepção do adulto, o adolescente é sapeca, irreverente e gosta de burlar regras. A sociedade tem essa visão errônea. Agora estamos colhendo o resultado do trabalho”, conclui Esther.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/10/19/Educacao/Imagens/Cortadas/Honestidade_Atuacao5-ID000002-1200x800@GP-Web.jpeg
Segundo a escola, até agora não houve quem pegasse o lanche sem pagar. Divulgação.

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Educação

PUBLICIDADE