Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Hugo Harada/Gazeta do Povo
| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Dicas

Veja como lidar com as mentirinhas que os filhos contam:

- Pergunte a si mesmo o motivo de seu filho ter mentido. O que a criança está querendo passar com esse comportamento?

- Aos pequenos, que costumam colocar como verdadeiro um desejo, explique que a mentira pode levar a um engano, prejudicar pessoas e eles mesmos.

- Até os 4 anos, a mentira é inexistente para a criança. A partir dos 4, ela começa a perceber que está fantasiando. É a fase do faz de conta. A partir dos 7 anos, ela passa a ter capacidade de fazer juízo de valor e condenar uma mentira.

- Se crianças maiores insistem em mentir, repare em outros sinais. Se o amigo imaginário não desapareceu, se a criança reclama de dores ou doenças que não são confirmadas ou se chora sem motivo, o comportamento precisa ser investigado.

- Ao detectar uma mentira, diga que entende a frustração ou medo do filho, mas que da próxima vez ele deve falar a verdade. Se a mentira se repetir, não grite, castigue ou rotule a criança de mentirosa. Dê exemplos reais de consequências acarretadas pela mentira.

Fonte: especialistas consultados.

Era uma vez um jovem pastor que gostava de pregar peças nos moradores do povoado. O garoto fingia que um lobo atacava suas ovelhas, e gargalhava ao ver a surpresa das pessoas ao constatarem que não era verdade. Mas, quando um lobo realmente atacou seu rebanho, ninguém acreditou no seu pedido de socorro. Histórias como esta, passadas de geração a geração, são úteis para ensinar às crianças que a mentira tem consequências. É importante reforçar conceitos como verdade e honestidade desde cedo, mas sabendo que uma mentirinha pode aparecer.

Ao contrário do que se imagina, a mentira também pode ser um sinal de que tudo está indo bem no desenvolvimento da criança. Segundo o neuropediatra Clay Brites, é positivo quando uma criança mente e sabe que fez errado. "Ela já adquiriu a noção de certo e errado e é interessante os pais darem a ela crédito e verem o que acontece. Ao se desnudar a verdade, devem aproveitar o momento para ensinar que mentir não vai tornar certo o erro. Aprender a ser honesto é um processo de longo prazo", explica.

A psicóloga e psicanalista Leda Fischer Bernardino também vê no aparecimento das mentiras um avanço. "Isso mostra que a criança tem a capacidade de distinguir o que ela fantasia e a realidade. E também que ela passou a ter uma percepção do que pensa e sente, coisas que ninguém mais conhece além dela."

Mas como saber se aquela história mal-contada pede uma ação corretiva ou é natural da idade? De acordo com a psicoterapeuta relacional sistêmica Aline Tatar, a fantasia na vida de uma criança até mais ou menos os 6 anos de idade é natural e saudável. "Aos poucos a criança vai tendo uma percepção mais clara e distinta da realidade. Da proximidade com os pais, deve resultar a construção de uma relação de intimidade e confiança. Conhecer o filho vai fazer com que os pais percebam o que não é verdade e que caminho tomar para descobrir a veracidade do relato do filho", afirma.

Ensinar seu filho que a honestidade vale a pena e que a mentira deve ser evitada pede um empenho que vai acompanhar todo o crescimento dele. Antes de ler as dicas abaixo, não esqueça que os pais funcionam como modelo de comportamento para os filhos, que agem de acordo com os valores vivenciados por eles no dia a dia com a família.

Agradecimento

Modelo: Alícia Maria Souza Bonetto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]