Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | /
| Foto: /

Para muitos jovens, a fase final do ensino médio começa com uma série de questionamentos. Afinal, o fim de uma etapa significa o início de outra e é justamente sobre esse início que muitos têm dúvidas. O próximo passo para quem vai continuar os estudos é optar por um curso de graduação e, consequentemente, a profissão em que vai atuar pelos próximos anos. Essa escolha envolve algumas questões, principalmente sobre o mercado de trabalho.

LEIA TAMBÉM: Sera que escolhi a carreira errada? E agora?

CONTEÚDO PATROCINADO: Confira lista de instituições de ensino superior com vagas abertas em Curitiba

A professora Cleuza Cecato, do colégio Bom Jesus, explica que a maior preocupação dos estudantes nessa fase é encontrar o equilíbrio entre as aptidões que eles têm e a possibilidade de retorno que o mercado oferece. Para isso, ela orienta os alunos a conversar com profissionais da área para entender o histórico da profissão escolhida e suas tendências. “Visitar feiras de profissões e conversar com profissionais satisfeitos na área também ajuda a conhecer a rotina e quebrar estigmas existentes sobre certas atividades”, afirma.

Outra dica para manter a certeza sobre uma boa escolha é ter sempre em mente que a rotina em uma profissão deve ser um prazer diário e por isso deve partir do principal envolvido com essa rotina: o estudante. Segundo Ivo Carraro, que trabalha com orientação educacional e profissional no Curso Positivo, a escolha do aluno deve passar por duas etapas. Primeiro, ele deve descobrir qual é o seu tipo de inteligência e que vocação exige mais conhecimentos dessa

área. Por exemplo: aqueles que têm inteligência lógico-matemática podem optar por cursos como engenharia e área de exatas; a inteligência linguística é aplicada em cursos de comunicação, direito e letras; já a inteligência espacial é característica de quem faz cursos como arquitetura.

Depois de definir sua inteligência, é preciso procurar algo que traga “prazer ao fazer”. “É como uma loja em que você é bem tratado e quer voltar. Se você não gosta, não quer voltar. Você tem que querer voltar para o seu trabalho todo dia”, explica Carraro. Além disso, a identificação com a rotina da profissão é o que vai fazer a pessoa gostar de estudar, buscar novidades e se tornar referência na área, afirma. Os profissionais de orientação vocacional também chamam a atenção para a importância de se escolher uma instituição reconhecida na área, que conceda boa formação prática e teórica, ajudando o aluno a garantir uma boa posição no mercado e na área acadêmica, caso ele opte por fazer formação continuada por meio de cursos de pós-graduação.

O desejo dos pais

Além de confrontar as opções com seus próprios questionamentos também há a influência dos pais, que algumas vezes fazem planos de carreira para os filhos sem necessariamente consultar as preferências deles. Nesses casos, a conversa é sempre a melhor saída. Explicar as preferências, a rotina de trabalho e as tendências de mercado ajudam a família a ter segurança na escolha. A orientação da “voz da experiência” deve ser feita com respeito aos valores de quem vai escolher a profissão. Para Lilian Luitz, gerente de educação do Sesi Paraná, a escola também tem pessoas que são referência e podem ajudar nesse aconselhamento. “A escolha tem que ser de uma forma colaborativa e bem orientada, para que ele [o aluno] se sinta feliz”,orienta.

Será que escolhi errado? E agora?

Algumas vezes, o estudante começa a achar o caminho da graduação desagradável. E isso nem nem tanta relação com as avaliações e dificuldade em algumas disciplinas. É que a escolha anteriormente já não parece ter tanta conexão com o destino desejado. Aí vem a pergunta: vale a pena desistir e começar tudo de novo?

Para Cleuza Cecato essa decisão é muito individual, que deve ser conversada, pensada. É importante que o aluno faça uma relação entre o que está estudando e aonde quer chegar, pense no esforço que já fez para o próprio mercado e para a instituição. “Não pode se basear em um semestre que foi mais difícil ou que ele não gostou. Depende muito do momento da graduação. Se a pessoa está quase concluindo, só falta um período, é um processo de formação que ela nunca vai perder. É melhor finalizar e depois partir para outra área”.

Para fazer essa escolha, é importante analisar a situação do curso escolhido e sua relação com o mercado, quais tendências são sugeridas para a profissão e, dentro disso, quais as possibilidades de optar por um novo caminho.

Ivo Carraro afirma que, se a primeira escolha foi tomada com base no tipo de inteligência que o aluno tem, ela ainda pode fazer sentido para a carreira dele. “A pessoa se preocupa em ter que fazer uma escolha para a vida toda, mas não é bem assim. Enquanto ela estuda, pode fazer correções na rota, procurar novas possibilidades dentro da graduação escolhida. E ele vai encontrar, porque o curso ainda vai ter relação com a habilidade dele”. O professor ressalta que um novo direcionamento pode ser feito com especializações e pós-graduações. Por isso, é importante se formar por uma instituição renomada, que garanta o seu preparo nessa continuação de carreira, aconselha.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]