Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Ivonaldo Alexandre / Gazeta do Povo
| Foto: Ivonaldo Alexandre / Gazeta do Povo

A formação de valores é hoje o principal ponto na educação de crianças e adolescentes. É o que defende o psiquiatra e educador Içami Tiba, uma das autoridades em Educação no país com mais de 30 livros publicados. O especialista vai além ao dizer que a responsabilidade de educar os filhos é dos pais. No entanto, a escola e o professor devem ser parceiros nessa missão.

Tiba reforça que, na educação, sempre é tempo para preparar os filhos e alunos para o futuro. Só assim os jovens terão competência e ética para enfrentar e superar problemas que hoje sequer imaginamos. A Gazeta do Povo conversou com o especialista na semana passada, em São Paulo, durante a 19.ª Educar Educador, feira internacional de educação. Confira os principais trechos da entrevista:

Sempre é tempo de preparar os alunos e os filhos para o futuro?

Sempre é tempo. Infe­liz­mente os professores esquecem que estão formando o aluno para o futuro. Os professores querem passar somente o que sabem, mas os alunos estão precisando de instrumentos para o futuro deles e não aquilo que os professores sabem. Depois escutamos que o aluno não quer estudar. Dê uma matéria que envolva a vida do aluno e isso muda. Ele é o primeiro a querer saber sobre a própria vida.

O que importa para os alunos hoje?

Primeiro, a formação de valores. Segundo, a competência. A competência tem que ser um pouco mais específica. Como se fossem vários afluentes que vão se reunindo no rio para dar um caminho, uma profissão. Eles precisam conhecer não só o que eles querem no rio, mas o que os leva ao rio. Eles não têm noção do que precisa para formar o rio.

Como os pais e professores podem colaborar nesse processo?

A escola tem que estar um pouco mais preparada. Os pais devem ser parceiros com o processo iniciado pelos professores. Não dá para, na educação, o pai falar vinho e a mãe falar água. Desse jeito, o filho desanda. Os pais falam vinho e a escola fala água, aí o aluno desanda. A escola tem que iniciar esse processo para medir o desempenho do aluno porque ela tem condições mais palpáveis e tem perto dela outros 200 da mesma idade. Ela tem melhores condições de ver o que está inadequado e vai detectar o que este aluno precisa. Os pais têm que aprender a entender o filho e não querer mudar a escola para adaptar a escola para o filho.

Como as escolas vêm preparando o aluno?

Está um desmando educativo tão grande que Paulo Freire nunca esteve tanto em voga. A educação, hoje, está servindo para dar poder, dinheiro e status, mas não está preparando o aluno. Esqueceram do aluno. O educador é aquele que usa tudo o que tem e conhece para usar a favor do desenvolvimento do aluno. E este aluno não está atrás do poder e do dinheiro. O resultado que vai medir o trabalho do professor é quanto o aluno se desenvolveu como pessoa.

Quais os instrumentos necessários e adequados para uma boa formação?

A formação deve ser ética, competente, progressiva e feliz. Isso tudo são valores. A escola tem que falar para os pais que eles precisam educar seus filhos e não, simplesmente, satisfazê-los. Hoje, as crianças estão mandando nos pais. Os pais têm que começar a entender que ninguém sente falta do que não conhece, portanto, eles precisam estudar. Não é porque foi um bom filho que será um bom pai hoje, vai estar desatualizado.

Existe algum limite para que não haja interferência no que é ensinado na escola?

Não. Tem que haver uma cooperação. Os pais não podem fazer a lição pelo filho porque isso é contra a ética. O filho será avaliado pelo que ele faz e não pelo que os pais fazem. O filho deixa de aprender quando os outros fazem no lugar dele. São valores que a família é quem tem que incutir. Pais e escola devem ser parceiros porque ambos têm o mesmo objetivo. Ambos querem que este jovem ou aquela criança seja um grande cidadão, lá na frente.

Os pais tendem a largar a educação para a escola?

Existe a falta de conhecimento dos pais, que não sabem o que fazer e ficam achando que a escola vai tomar conta. Esse é o sentido de "escola-babá". Esta criança vai crescer, virar adolescente. Nas piores das situações, pode acontecer o seguinte: o adolescente pode ir para um pronto-socorro, delegacia ou necrotério. Nenhum deles, nessas horas, vai chamar a escola para socorrê-los. Quem é que vai ser chamado? Os pais! É preciso preparar os filhos para as diversas situações e não só criar filhos. Quem ama educa!

E o desrespeito com os professores, comum na sala de aula?

Os pais são ignorantes. Eles querem mudar o mundo para o seu filho continuar como ele quer. Ele que tem que se adaptar ao mundo, não o mundo se adaptar a ele. Há pais que querem ser amigos dos filhos e aí os filhos não vão respeitar a autoridade, seja ela onde for. Na escola, o professor que tem que ser autoridade e, hoje, ele tem muita dificuldade de se impor. Tem que ter autoridade, exigir respeito, ter meritocracia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]