i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
inclusão

STF mantém proibição de escolas particulares recusarem alunos com deficiência

Escolas privadas não podem cobrar adicionais e nem negar matrícula a alunos com necessidades especiais a partir da decisão do STF

  • PorAdriana Czelusniak
  • 09/06/2016 17:37
Pelo  Estatuto da Pessoa com Deficiência, escolas são proibidas de negar matrículas de alunos com necessidades especiais. | CESAR MACHADO/Gazeta do Povo
Pelo Estatuto da Pessoa com Deficiência, escolas são proibidas de negar matrículas de alunos com necessidades especiais.| Foto: CESAR MACHADO/Gazeta do Povo

Na tarde desta quinta-feira (9), o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou ação da Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (Confenen) que contestava dispositivo do Estatuto da Pessoa com Deficiência (lei 13.146/15). A confederação pedia a retirada do termo “privadas” do texto que defende a inclusão, desobrigando assim as escolas particulares a receberam pessoas com necessidades especiais sem cobrar valores adicionais. Pela decisão favorável às pessoas com deficiência, escolas públicas e privadas devem promover a adaptação necessária sem repassar qualquer ônus financeiro às famílias.

Em novembro do ano passado, ministro Edson Fachin, relator, já havia negado o pedido da entidade para suspender o artigo que estabelece a obrigatoriedade. Na ocasião, o ministro considerou que a lei impugnada atendeu ao compromisso constitucional e internacional de proteção e ampliação progressiva dos direitos fundamentais e humanos das pessoas com deficiência.

A Confenen defendia que a norma leva à alto custo econômico para as escolas privadas, violando vários dispositivos constitucionais, entre eles o artigo 208, inciso III, que prevê como dever do Estado o atendimento educacional a pessoas com deficiência. E também afirma que a lei acaba encaminhando pessoas com qualquer tipo de deficiência a qualquer escola, sem que esta esteja preparada para recebê-las, frustrando e desequilibrando emocionalmente professores e pessoal da escola comum, regular, por não possuírem a capacitação e especialização para lidar com todo e qualquer portador de necessidade e a inumerável variação de cada deficiência.

A decisão favorável ao Estatuto da Pessoa com Deficiência foi anunciada pelo presidente do STF, Ricardo Lewandowski, que acompanhou o relator Fachin para impedir o adicional na mensalidade de escolas privadas ao receber alunos com deficiência. Segundo Fachin, à escola não é dado escolher segregar ou separar, mas seu dever é ensinar incluir e conviver. “O enclausuramento em face do diferente furta o colorido da diversidade da convivência. É somente com o convívio com a diferença que pode haver a construção de uma sociedade livre justa e solidária.”

O placar terminou com 9 votos a um. O ministro Celso de Mello estava ausente e o único a votar a favor da Confenen foi Marco Aurélio, que defendeu a não-obrigatoriedade das escolas a receberem alunos com deficiência. “Não pode o Estado cumprimentar com o chapéu alheio. A educação é dever de todos, mas é dever do Estado, que não pode obrigar a iniciativa privada a fazer o que ele não faz”, disse Marco Aurélio. Já Gilmar Mendes se disse preocupado com a falta de preparo das escolas e lembrou que exigências da lei são complexas, mas desejáveis.

Ainda a favor das pessoas com deficiência, a procuradora Ela Castilho pediu que a cartilha seja interpretada em favor da pessoa com deficiência e não da escola, e o ministro Luiz Fux afirmou que o preconceito é a pior das deficiências, e que dessas deficiências as escolas estão lotadas. Pela Federação Nacional das Apaes, a advogada Rosangela Moro, esposa do juiz Sergio Moro, defendeu que pessoa com deficiência tenha a possibilidade de escolha, mesmo com instituições especializadas como as APAEs, e citou a convenção internacional que trata dos direitos de pessoas com deficiência para sustentar que não deve haver cobranças diferenciadas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.