Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) vai sediar, de 7 a 12 de fevereiro, o VII Congresso Internacional de Linguística.

Entre outros especialistas, estarão presentes: Ricardo Molina, especialistas em fonética forense da Unicamp; Ana Müller, da USP, pesquisadora de línguas indígena; e Elsa Gomes Imbert, da Universidade de Toulouse, que falará sobre línguas tonais - línguas em que o tom utilizado muda o sentido da palavra, como o chinês e o japonês.

O encontro promove o intercâmbio de pesquisadores de várias áreas da linguística, como alfabetização e fonética, políticas linguísticas, dialetos, línguas lusófonas (dos países que utilizam o português) e Bilinguismo dos surdos.

O evento é promovido pela Associação Brasileira de Linguística (Abralin) e será realizado no complexo da Reitoria da UFPR, no Edifício D. Pedro I (Rua General Carneiro, 460).

Segundo a presidente da Abralin, professora Maria José Foltran, do departamento de Linguística da UFPR, o congresso será uma oportunidade para professores e estudantes de graduação e pós-graduação participarem de diversos minicursos.

Haverá cursos voltados para professores de língua portuguesa da educação básica, como o de fonética e alfabetização, que trabalhará o conhecimento fonológico da língua.

Segundo Maria José, um professor capacitado nessa área consegue entender melhor o processo de aprendizado da criança, que tem a noção da escrita inicialmente como fonética. "O professor precisa perceber que a escrita da criança não é exatamente um erro, mas uma percepção, que é certa ou adequada para aquela fase, para depois processar que a escrita não é fonética", exemplifica.

Mesas redondas:

Dia 10, quinta-feira, das 11h às 13h: Ana Müller, professora da USP especialista em karitiana, língua indígena brasileira do tronco Tupi, da família Arikém. É falada por cerca de 320 pessoas que vivem numa reserva ao sul de Porto Velho, em Rondônia e apresenta a característica de não utilização de marcas de plural. Local: Anfiteatro 800.

Dia 11, sexta-feira, das 17h às 19h: Fonética Forense, com a coordenação da professora Adelaide Pescatori Silva, da UFPR. Vai enfatizar o papel crucial que os linguistas têm nessa prática e a necessidade de se buscar um diálogo multidisciplinar para que se chegue a análises mais acuradas tanto na identificação de autoria de textos escritos como na identificação de falantes. O especialista Ricardo Molina estará presente. Local: Anfiteatro 100.

Minicursos

De 14 a 18 de fevereiro os inscritos no evento poderão participar de minicursos. Eles serão realizados pela manhã, da 8h às 12h, e no período da tarde, das 14h às 18h.

Pela internet é possível realizar a inscrição até a véspera do início de cada curso.

Entre os temas dos minicursos estão: Políticas Linguísticas no Espaço Lusófono; e Fonologia e Alfabetização - discutirá os aspectos fonológicos com a alfabetização e a natureza da interferência da oralidade na escrita e também da escrita na oralidadesob a perspectiva da fonologia.

Serviço:

VII Congresso Internacional de Linguística

Datas: de 7 a 12 de fevereiro

Abertura: Dia 9 de fevereiro, às 19h30

Local: Centro de Convenções de Curitiba - Rua Barão do Rio Branco, 370 - Centro.

Local das mesas redondas: Complexo da Reitoria, Edifício D. Pedro I, Anfiteatros 100 e 800

Informações sobre o Congresso podem ser obtidas diretamente com a professora Maria José Foltran, presidente da Abralin, pelo telefone 9199-5312.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]