i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Eleições 2020

Coronavírus fortalece campanha na internet – mas corpo a corpo não está fora do jogo

  • PorGustavo Ribeiro, especial para a Gazeta do Povo
  • 04/10/2020 10:09
Máscara deixada no Parque Barigui, em Curitiba
Coronavírus aumenta importância da internet na campanha, mas corpo a corpo não está descartado.| Foto: Lineu Filho/Tribuna do Pararana

A pandemia da Covid-19 não apenas adiou o processo eleitoral deste ano como, também, forçou os candidatos a fazerem campanha de um jeito diferente do usual. Com o novo coronavírus ainda em circulação por todo o Brasil, o tradicional corpo a corpo vai ser reduzido na comparação a pleitos anteriores. A internet, que já vinha ganhando a atenção de candidatos e partidos políticos, será ainda mais importante para angariar votos.

Grandes comícios, apertos de mão, abraços, selfies, distribuição de panfletos, tudo isso está praticamente descartado – ao menos de acordo com as recomendações dos órgãos de saúde e do próprio Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O plano de segurança sanitária do TSE sugere que sejam evitados eventos com grande número de pessoas, que a máscara seja usada em atos de campanha e que estes sejam realizados em locais amplos e abertos, de preferência sem a distribuição de materiais impressos.

A preocupação com o contágio nesses momentos fez o Ministério Público Eleitoral orientar procuradores regionais eleitorais e procuradores-gerais de Justiça para que as normas sanitárias sejam cumpridas. “O Ministério Público estará atento ao cumprimento das normas sanitárias e, quando houver abuso, acionará a Justiça Eleitoral para que coíba a ação irregular e aplique multa”, diz o vice-procurador-geral eleitoral, Renato Brill Góes.

A consequência das restrições é a migração das campanhas para o mundo digital, em que as redes sociais se tornam centrais. “O corpo a corpo será bem reduzido não só pela pandemia, mas também pelo período curto de campanha. Por isso, os candidatos vão precisar abusar das redes sociais para chegar aos eleitores”, analisa o cientista político e professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), Hilton Cesário Fernandes.

Essa será uma vantagem para os candidatos que já usam as redes sociais e que contam com profissionais especializados. Fernandes alerta, também, que os políticos que buscam a reeleição saem na frente. “Os candidatos que já ocupam cargos e tentam a reeleição acabam tendo vantagem na situação em que a exposição vai ser menor, com menos corpo a corpo. Os candidatos novos terão mais dificuldades para se apresentarem”, diz.

Por causa do coronavírus, eventos presenciais de campanha ganham novos formatos

O uso dos canais digitais, porém, não significa que a eleição se dará somente nesse ambiente. O corpo a corpo ainda vai existir, mesmo que de uma maneira diferente. Além de todos os cuidados, como o uso de máscaras e álcool em gel, os eventos mudaram de formato. Na esteira do cinema e dos shows drive-in, os comícios vão no mesmo caminho. No período de convenções esse artifício já foi usado e deve ser intensificado para aproximar os candidatos dos eleitores, mesmo que em menor número.

“Nesse momento é muito difícil atuar em atacado, como se fazia antes com grandes comícios e caminhadas. Mas o varejo precisa acontecer, nem que seja com menos pessoas”, comenta o especialista em marketing eleitoral e professor da PUC Goiás, Marcos Marinho. Ele reforça que os coordenadores das campanhas devem tomar todas as medidas para protegerem não só os eleitores, mas também a equipe e o próprio candidato. Um possível contágio pode custar a eleição.

Além disso, em cidades onde a pandemia segue em estágio avançado, o corpo a corpo pode ser visto negativamente pelo eleitorado, especialmente aquele mais sensível às consequências da Covid-19. “Pode acontecer rejeição ao corpo a corpo e a qualquer tipo de evento que acumule pessoas. Isso pode ser mal visto e custar votos”, diz Fernandes.

E, apesar da facilidade e da crescente importância da internet nas eleições, ela pode não garantir os votos necessários. “Os candidatos que se mantiverem a distância dos eleitores, fazendo uma campanha simplesmente virtualizada, sem criar um vínculo com o público, vão se surpreender. Ele pode ter uma rede social com muito engajamento e na urna ter bem menos votos do que o concorrente”, reforça Marinho.

No interior, uso da internet ainda fica em desvantagem

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 68,2% dos municípios do país tem menos de 20 mil habitantes — são 3.670 cidades. Nesses lugares, a realidade não segue a mesma lógica. A aposta na internet pode fazer sentido nas capitais e nos grandes centros urbanos, mas pode ser uma estratégia equivocada nessas cidades menores. Com acesso restrito ou mesmo sem acesso a tecnologias digitais, é o contato físico que vai fazer a diferença.

“Os eleitores de municípios menores estão acostumados com a campanha corpo a corpo e valorizam muito isso. Eles querem apertar a mão do candidato. Por isso é uma relação diferente na comparação com os grandes municípios”, esclarece Fernandes, da FESPSP.

Nesses municípios, é muito comum que os candidatos já sejam conhecidos pela população local. Estar presente nas ruas, mesmo que com algum distanciamento social e cuidados sanitários, é fundamental. Sem contar que em locais onde a Covid-19 está controlada, o tradicional aperto de mão terá peso na hora da votação.

“Acreditar que vai ser suficiente só disseminar conteúdos na web para interagir e conquistar o eleitorado é muita inocência”, opina Marinho. “Esse generalismo de que a web vai ser a grande estrela da campanha eleitoral é não perceber o que é uma eleição municipal no Brasil”, complementa.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 3 horas

    As eleições estão acabando com o vírus chinês, é o melhor antidoto (nem precisa da Sinovac) !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso