Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
pesquisa eleitoral
Pesquisa eleitoral no Rio de Janeiro| Foto: Gazeta do Povo

Pesquisa eleitoral Exame/Ideia para o governo do Rio de Janeiro, divulgada nesta quinta-feira (16), mostrou o governador Cláudio Castro (PL) com 24% das intenções de voto e o deputado federal Marcelo Freixo (PSB) com 23%. Dentro da margem de erro de três pontos percentuais, para mais ou menos, há um empate técnico. O levantamento mostrou também que 8% dos entrevistados votariam em branco ou nulo e 17% ainda não sabem. Veja abaixo o desempenho de todos os dez pré-candidatos.

Pesquisa para o governo do Rio de Janeiro (estimulada)

  • Cláudio Castro (PL) - 24%
  • Marcelo Freixo (PSB) - 23%
  • Marcelo Crivella (Republicanos) - 10%
  • Rodrigo Neves (PDT) - 8%
  • Felipe Santa Cruz (PSD) - 3%
  • Cyro Garcia (PSTU) - 2%
  • Coronel Emir Larangeira (PMB) 2- %
  • Paulo Ganime (Novo) - 2%
  • Eduardo Serra (PCB) - 1%
  • Milton Temer (PSOL) - 1%
  • Brancos e nulos - 8%
  • Não sabe ou não respondeu - 17%

Pesquisa para o governo do Rio de Janeiro (espontânea)

  • Cláudio Castro (PL) - 18%
  • Marcelo Freixo (PSB) - 13%
  • Marcelo Crivella (Republicanos) - 2%
  • Rodrigo Neves (PDT) - 2%
  • Felipe Santa Cruz (PSD) - 1%
  • Paulo Ganime (Novo) - 1%
  • Eduardo Paes (PSD) - 1%
  • Cyro Garcia (PSTU) - 0,3%
  • Eduardo Serra (PCB) - 0,2%
  • Coronel Emir Larangeira (PMB) - 0,1%
  • Milton Temer (PSOL) - 0,1%
  • Outro - 0,1%
  • Brancos e nulos - 16%
  • Não sabe ou não respondeu - 46%

O instituto também perguntou aos eleitores fluminenses em quem eles votariam para o Senado. Na estimulada, em que os nomes são apresentados, o senador Romário (PL) tem 23% das intenções de voto, contra 15% para Marcelo Crivella. Confira abaixo.

Pesquisa eleitoral para o Senado do Rio de Janeiro

Cenário 1 - pesquisa estimulada

  • Romário (PL) - 23%
  • Cabo Daciolo (PDT) - 12%
  • Alessandro Molon (PSB) - 10%
  • Marcelo Crivella (Republicanos) - 15%
  • Daniel Silveira (PTB) - 7%
  • André Ceciliano (PT) - 5%
  • Clarissa Garotinho (Pros) - 4%
  • Luciana Boiteux (PSOL) - 3%
  • Otoni de Paula (MDB) - 3%
  • Washington Reis (MDB) - 3%
  • Marcelo Itagiba (MDB) - 2%
  • Brancos e nulos: 4%
  • Não sabe ou não respondeu: 9%

Cenário 2 - pesquisa espontânea

  • Romário (PL) - 5%
  • Marcelo Crivella (Republicanos) - 2%
  • Clarissa Garotinho (Pros) - 1%
  • Marcelo Freixo (PSB) - 1%
  • Alessandro Molon (PSB) - 0,4%
  • Daniel Silveira (PTB) - 0,4%
  • Cabo Daciolo (PDT) - 0,3%
  • Luciana Boiteux (PSOL) - 0,2%
  • Jandira Feghali (PCdoB) - 0,2%
  • Marcelo Itagiba (MDB) - 0,1%
  • Otoni de Paula (MDB) - 0,1%
  • Rodrigo Maia (PSDB) - 0,1%
  • Brancos e nulos: 4%
  • Não sabe ou não respondeu: 9%

Metodologia da pesquisa

O instituto Ideia ouviu, por telefone, 1.000 eleitores do Rio de Janeiro entre os dias 10 e 15 de junho de 2022. A margem de erro é de três pontos percentuais, para um intervalo de confiança de 95%. A pesquisa foi encomendada pela revista Exame e seu registro do Tribunal Superior Eleitoral é RJ-02458/2022.

Por que a Gazeta do Povo publica pesquisas eleitorais

A Gazeta do Povo publica há anos todas as pesquisas de intenção de voto realizadas pelos principais institutos de opinião pública do país. Você pode conferir os levantamentos mais recentes neste link, além de reportagens sobre o tema.

As pesquisas de intenção de voto fazem uma leitura de momento, com base em amostras representativas da população. Métodos de entrevistas, a composição e o número da amostra e até mesmo a forma como uma pergunta é feita são fatores que podem influenciar o resultado. Por isso é importante ficar atento às informações de metodologias, encontradas no fim das matérias da Gazeta do Povo sobre pesquisas eleitorais.

Feitos esses apontamentos, a Gazeta considera que as pesquisas eleitorais, longe de serem uma previsão do resultado das eleições, são uma ferramenta de informação à disposição do leitor, já que os resultados divulgados têm potencial de influenciar decisões de partidos, de lideranças políticas e até mesmo os humores do mercado financeiro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]