Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
eleicoes-gazeta-2022
Pesquisa eleitoral para presidente| Foto: Gazeta do Povo

O Instituto Gerp divulgou nesta segunda-feira (6) a terceira rodada da pesquisa de intenção de voto para presidente da República. A sondagem mostrou uma diferença de dois pontos percentuais entre Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL): o petista aparecia com 39% e o presidente com 37%. Em terceiro lugar estava o pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, com 7%, seguido pelo deputado federal André Janones (Avante), com 3%.

O ex-presidente Michel Temer (MDB), apesar de ter afirmado que não disputará a Presidência, foi incluído no levantamento. Ele estava com 2% das intenções de voto, o mesmo percentual que a pré-candidata do MDB, a senadora Simone Tebet. O Gerp entrevistou por telefone 2.095 eleitores. A margem de erro é de 2,18 pontos percentuais (veja a metodologia abaixo).

Cenário 1

  • Lula (PT) - 39%
  • Bolsonaro (PL) - 37%
  • Ciro Gomes (PDT) - 7%
  • André Janones (Avante) - 3%
  • Simone Tebet (MDB) - 2%
  • Michel Temer (MDB) - 2%
  • Leonardo Péricles (UP) - 1%
  • Nenhum - 4%
  • Não sabe - 5%

Pablo Marçal (Pros), José Maria Eymael (DC), Luciano Bivar (União), Vera Lucia (PSTU), Felipe D’Avila (Novo) e Sofia Manzano (PCB) não pontuaram.

Cenário 2

  • Lula (PT) - 39%
  • Bolsonaro (PL) - 37%
  • Ciro Gomes (PDT) - 8%
  • André Janones (Avante) - 3%
  • Simone Tebet (MDB) - 2%
  • Leonardo Péricles (UP) - 1%
  • Nenhum - 4%
  • Não sabe - 5%

Pablo Marçal (Pros), José Maria Eymael (DC), Luciano Bivar (União), Vera Lucia (PSTU), Felipe D’Avila (Novo) e Sofia Manzano (PCB) não pontuaram.

Rejeição dos candidatos

O Gerp também perguntou aos entrevistados em quem não votariam de jeito nenhum para presidente.

  • Bolsonaro (PL) - 49%
  • Lula (PT) - 43%
  • Michel Temer (MDB) - 19%
  • Ciro Gomes (PDT) - 14%
  • Simone Tebet (MDB) - 7%
  • Luciano Bivar (União) - 7%
  • Vera Lucia (PSTU) - 7%
  • Pablo Marçal (Pros) - 7%
  • José Maria Eymael (DC) - 6%
  • André Janones (Avante) - 6%
  • Felipe D’Avila (Novo) - 6%
  • Leonardo Péricles (UP) - 6%
  • Sofia Manzano (PCB) - 5%
  • Nenhum - 2%
  • Não sabe - 2%
  • Poderia votar em qualquer um - 1%

Avaliação do governo Bolsonaro

Dos entrevistados pelo Gerp, 49% disseram que desaprovam a gestão de Jair Bolsonaro e 42% afirmaram aprová-la. Em uma avaliação sobre o trabalho do presidente, 43% consideram ruim ou péssimo, 24% acham regular e 38% avaliam como bom ou ótimo. A avaliação do governo Bolsonaro é melhor nos estados do Sul (51% acham bom ou ótimo) e pior no Nordeste (50% consideram ruim ou péssimo).

Metodologia da pesquisa

O Instituto Gerp realizou 2.095 entrevistas por telefone entre os dias 31 de maio e 03 de junho em 144 municípios das cinco regiões do Brasil. A margem de erro da pesquisa é de 2,18 pontos percentuais para mais ou para menos, e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o protocolo BR-00123/2022. O relatório completo pode ser lido neste link.

Por que a Gazeta publica as pesquisas eleitorais

A Gazeta do Povo publica há anos todas as pesquisas de intenção de voto realizadas pelos principais institutos de opinião pública do país. Você pode conferir os levantamentos mais recentes neste link, além de reportagens sobre o tema.

As pesquisas de intenção de voto fazem uma leitura de momento, com base em amostras representativas da população. Métodos de entrevistas, a composição e o número da amostra e até mesmo a forma como uma pergunta é feita são fatores que podem influenciar o resultado. Por isso é importante ficar atento às informações de metodologias, encontradas no fim das matérias da Gazeta do Povo sobre pesquisas eleitorais.

Feitos esses apontamentos, a Gazeta considera que as pesquisas eleitorais, longe de serem uma previsão do resultado das eleições, são uma ferramenta de informação à disposição do leitor, já que os resultados divulgados têm potencial de influenciar decisões de partidos, de lideranças políticas e até mesmo os humores do mercado financeiro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]