i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
base

Assédio de grandes clubes agita rotina do ‘diamante paranista’ de 17 anos

  • PorJulio Filho
  • 08/06/2017 17:27
Jhonny comemora título na categoria de base do Paraná. | /Reprodução Instagram
Jhonny comemora título na categoria de base do Paraná.| Foto: /Reprodução Instagram

Considerado o diamante bruto das categorias de base do Paraná, o meia-atacante Jhonny Lucas vem sofrendo forte assédio de empresários e grandes times brasileiros antes mesmo de estrear entre os profissionais da Vila Capanema.

Já o Tricolor tenta agir rapidamente e ampliar o salário do jovem de 17 anos, para automaticamente elevar o valor da sua multa rescisória — Johnny Lucas possui vínculo profissional com o clube até outubro de 2019. O Paraná garante deter 100% de seus direitos econômicos. O atleta, por sua vez, assinou recentemente contrato de patrocínio pessoal com a Nike.

Todos os empresários locais nos procuraram. Oferecem dinheiro, casa pra ele, coisas pra família. Tem empresários agressivos. Um me disse que jogaria R$ 1 milhão em cima da mesa e que mudaria a nossa cabeça. Mas com a gente não é assim

Mário Vieira  tutor de Jhonny Lucas

Mário Vieira, tutor e o gerenciador da carreira de Jhonny Lucas, reclama da insistência de outros empresários do mundo da bola em várias sondagens. E revela ter recebido também uma proposta oficial do Cruzeiro. Ele cita também o empresário Naor Malaquias, que comprou o jogo do Tricolor contra o Atlético-MG e agora adquiriu a partida contra o Guarani, pela Série B.

“A minha preocupação hoje é só o assédio. O que o Naor [Malaquias] está fazendo não é certo, mas esse é o mundo do futebol. Conversei com muitos empresários, o último que veio foi o empresário do Jadson [meia do Corinthians]”, afirma Vieira, o Mazola, como é conhecido. O empresário de Jadson é Marcelo Robalinho.

Naor não quer comentar o assunto, nem sequer confirma o interesse pelo garoto. Robalinho também não confirma, mas admite que “alguém da sua empresa pode ter observado o menino”.

“Todos os empresários locais nos procuraram. Oferecem dinheiro, casa pra ele, coisas pra família. Tem empresários agressivos. Um me disse que jogaria R$ 1 milhão em cima da mesa e que mudaria a nossa cabeça. Mas com a gente não é assim”, assegura, sem revelar mais nomes.

A fama tem origem no futsal, quando o camisa 10 da base paranista foi eleito o melhor atleta do estado nos anos de 2008, 2009, 2011, 2013 e 2015. Na base tricolor, chama a atenção pelo desempenho acima da média.

Empréstimo rechaçado e estreia na Série B

Reprodução Instagram

Mazola conta que o Paraná sugeriu recentemente emprestar Jhonny Lucas para ganhar experiência. A possibilidade foi imediatamente rechaçada pelo administrador de carreira, que não quer ser confundido com empresário, especialmente pela relação próxima com o jovem. “Enquanto o Jhonny não estrear no profissional do Paraná, tem chance zero de sair do clube, mesmo emprestado”, assegura.

“O primeiro sonho dele é ser profissional. O segundo, fazer a estreia no Paraná, com um gol na Vila Capanema. Somente depois disso podem pensar em negociá-lo”, conta Mazola, que já foi chamado pelos diretores paranistas – nestes últimos dias – para apreciar um plano de carreira especial para o jovem.

Ainda segundo Mazola, o projeto é lançar o garoto no time de cima ainda nesta Série B. “Ele vai ter que treinar alguns dias com o profissional, ver se aguenta a parte física, técnica, porque ele tem um estilo de jogo muito intenso”, explica.

Cria do futsal e talento precoce

Jhonny (último da direita entre os agachados) no time de futsal do Paraná, em 2008. Arquivo pessoal

Mazola é uma espécie de padrasto de Jhonny Lucas. O garoto praticamente vive com ele desde os oito anos de idade. A aproximação se deu ainda nas quadras de futsal da sede da Kennedy, quando Jhonny fez amizade com o filho de Mazola, que também joga no clube.

“Virei responsável pela carreira dele quando ele tinha 11 anos. Mas desde os 8 anos a mãe dele assinou um documento dizendo que eu podia ser responsável por ele”, afirma, revelando que a família do garoto é extremamente humilde.

Assim que chegou ao futsal do Tricolor, em 2008, Jhonny teve o talento reconhecido. “Velocidade, drible, raciocínio, visão de jogo...Quando chegou, o destaque dele foi visto por todos”, relembra Caio Krueger, primeiro técnico de Jhonny no clube.

Quando estava no sub-11, o atleta acabou promovido precocemente à categoria seguinte. “Ele subiu pra treinar com garotos de dois anos a mais e se destacou. Se destacava tanto na parte técnica, individual, um potencial muito forte, e na técnica, de entender a dinâmica e leitura de jogo”, comenta Thiago José Ferreira, que comandava o time sub-13.

Ajuda dos outros pais

Por ser de família humilde, Jhonny recebeu não apenas ajuda de Mazola, como também de outros pais das equipes de futsal do Paraná. Caso de Paula Armentano, mãe do jogador Warley, que até hoje atua com Jhonny na base do Tricolor – ele é filho do ex-atacante Warley, do Atlético.

“Todo mundo ajudava quando tinha que pagar alguma coisa, conforme a gente podia. As viagens para jogos ele não pagava, por exemplo. Dormia várias vezes na casa dos colegas, inclusive na minha”, conta Paula. Ex-coordenador do futsal do Tricolor, entre 1992 e 2011, Josley Luiz de Carvalho, o Duda, relembra a situação.

“É um garoto simples, a primeira vez que pisou numa quadra de futsal foi no Paraná. O Mazola é quem criou ele, pagou colégio”, conta. “Os pais se mobilizavam, levavam roupa, tênis, o Jhonny sempre foi muito querido por todos. Em quadra, a força física, impulsão, chute com as duas pernas, eram coisas que chamavam atenção”, completa.

Reprodução Instagram
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.