Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Petraglia em 2018 comemora a conquista da Sul-Americana. Premiação por conquistas em 2019 alavancou a receita do clube.
Petraglia em 2018 comemora a conquista da Sul-Americana. Premiação por conquistas em 2019 alavancou a receita do clube.| Foto: Giuliano Gomes/Agência Estado

O Athletico registrou superávit de R$ 63,4 milhões em 2019, de acordo com o balanço financeiro anual divulgado nesta quinta-feira (30), data-limite para a publicação do registro. O número é quase quatro vezes maior que os R$ 16,4 milhões apresentados no ano fiscal anterior. O documento foi aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo, que se reuniu em videoconferência.

A receita total do clube foi de R$ 378, 7 milhões, um recorde para o Rubro-Negro. O bom desempenho foi impulsionado pelo resultado esportivo do clube, campeão da Copa do Brasil no ano passado. A análise computa R$ 159 milhões recebidos como "direitos de transmissão". Deste montante, R$ 74,8 milhões vieram de televisionamento e R$ 84,8 milhões de premiações e participações.

A segunda maior fonte de receita do Furacão foi a venda de direitos de jogadores, que totalizou R$ 133 milhões. A principal delas envolveu o lateral-esquerdo Renan Lodi, que se transferiu para o Atlético de Madrid, da Espanha, por 20 milhões de euros, o equivalente a R$ 120 milhões, em julho de 2019. Esta venda foi feita em parcelas e só uma parte dela aparece no balanço do ano passado.

O dinheiro arrecadado com bilheteria também teve um grande salto no caixa rubro-negro: de R$ 8,7 milhões, em 2018, para R$ 23,5 milhões, em 2019. O quadro de associados, por outro lado, assinalou um ganho menor, de quase R$ 5 milhões – totalizando R$ 26,4 milhões.

Segundo o balanço, a dívida bruta integral do Athletico é de R$ 458,1 milhões, já atualizada com juros. A maior parte é referente à reforma da Arena da Baixada. A questão está judicializada e o clube quer estado e município paguem dois terços do estádio, que custou R$342 milhões para o Mundial. Já o endividamento líquido é de R$ 278,5 milhões, 6% menor do que em 2018.

Entre as despesas do ano passado, o clube gastou R$ 95,4 milhões com salários e encargos. Chama atenção também o valor destinado às premiações (R$ 33,7 milhões) e os custos com transações de direitos de atletas (R$ 35,3 milhões). Em 2018, o valor envolvendo transações de jogadores foi de R$ 20,7 milhões.

https://oglobo.globo.com/esportes/com-um-possivel-retorno-do-basquete-nba-quer-encerrar-temporada-na-disney-24403081
7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]