Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Luiz Volpato garante que a Arena terá teto retrátil em março | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Luiz Volpato garante que a Arena terá teto retrátil em março| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

A turbulenta relação entre Atlético e a empresa Lanik I, fornecedora do teto retrátil para a Arena, teve mais um capítulo ontem. O Rubro-Negro questionou, em entrevista coletiva no estádio, as denúncias e reclamações feitas pelo diretor-executivo da empresa, César França, sobre a instalação da "tampa" do caldeirão.

Entre outras coisas, o empresário coloca em xeque a segurança para os trabalhadores na obra, além de não apresentar documentos que comprovem a ausência de risco para os trabalhadores.

Segundo o clube, França disseminou medo e disse inverdades que puseram em risco a credibilidade do Atlético. "Esse senhor não imagina o mal que está fazendo. Denigre não apenas a imagem da instituição Atlético", afirmou o vice-presidente do clube, Luiz Salim Emed. "As ofensas chegam a agredir nossa inteligência e estimula o medo. Eu, meus netos, filhos, amigos e todos nós estaremos embaixo desse teto. A segurança sempre foi o nosso primeiro plano", acrescentou.

Para o engenheiro Luiz Volpato, diretor de projetos e construção do Atlético, é impossível mensurar os prejuízos que as declarações têm causado ao clube. "Tivemos um evento cancelado e não podemos contratar outros. O prejuízo à imagem do clube, colocando em dúvida a todos, não se dimensiona."

De acordo com Volpato, o relacionamento com os demais funcionários da Lanik é bom e os relatórios produzidos por Santiago Cizaurre, engenheiro da empresa que está em contato direto com o Atlético, jamais apontaram os erros citados pelo executivo. O clube garante que o cronograma deixado por Santiago segue sendo cumprido. "O teto deve estar pronto entre 5 e 10 de março", garantiu Volpato.

Por sua vez, França reafirmou ontem que o clube deve dinheiro para a empresa (cerca de R$ 300 mil) e que não tem cumprido protocolos de segurança. "A recusa em fazer algo [concluir a obra] não significa que queremos prejudicar ou constranger o Atlético. Apenas discordamos dos métodos técnicos e profissionais usados. A Lanik será irresponsável se não expressar o que obervamos em nossas supervisões", resumiu.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]