Presidente Luiz Sallim Emed cita o mercado inflacionado e o excesso de jogadores medianos como fatores que vem dificultando as ações do Furacão. | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Presidente Luiz Sallim Emed cita o mercado inflacionado e o excesso de jogadores medianos como fatores que vem dificultando as ações do Furacão.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Após acertar as contratações do atacante Bergson, do lateral-esquerdo Thiago Carleto, do latera-direito Diego Ferreira, além do técnico holandês Clarence Seedorf, o Atlético encontra dificuldades no mercado para reforçar ainda mais o elenco.

>> MERCADO DA BOLA: confira a movimentação dos clubes

>> COPA DO BRASIL: confira a tabela, com jogos e datas

>> COPA SÃO PAULO DE FUTEBOL JUNIOR: confira a tabela

Apesar de não participar diretamente dos processos do departamento de futebol, o presidente Luiz Sallim Emed cita o mercado inflacionado e o excesso de jogadores medianos como fatores que vem dificultando as ações do Furacão.

“Está muito difícil, porque o mercado está muito competitivo. Os atletas que se destacam têm os preços muito elevados, aí é difícil você competir”, diz Sallim. “Outro aspecto, é que houve uma redução grande do maior número de talentos. E aí às vezes os clubes contratam atletas medianos que não vão resolver suas necessidades”, prossegue.

Em meio a este cenário, o Furacão também fez apostas. Além dos nomes citados acima, o clube fechou com o zagueiro francês Junior Kingue, 18 anos, e o atacante Felipe Dorta, 21 anos, que é brasileiro, mas fez toda carreia na Áustria, tendo nacionalidade austríaca. Ambos passarão por períodos de testes.

“Temos que ser mais seletivos. E, quando você é seletivo, demora mais, é mais difícil e mais lento. Estamos trabalhando e não podemos revelar nossa estratégia. Mas certamente precisamos de reforços para termos um time mais competitivo”, completa Sallim.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]