Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 |
| Foto:

A Justiça determinou que o Ninho da Gralha não pode ser leiloado ou vendido para quitar a dívida do Paraná com o empresário Léo Rabello, por causa da negociação do meia Thiago Neves. A decisão é de 15 de outubro, tomada pelo juiz Irineu Stein Júnior, da 3.ª Vara Cível de Curitiba, como parte da ação da Base, antiga parceira paranista na formação de atletas, contra o Tricolor, por ruptura de contrato.

Está no contrato

A alegação dos advogados da Base para obter a liminar foi o próprio contrato da parceria, firmada em 2008. O acordo, que cedeu o Ninho da Gralha em comodato à base para a formação de atletas, é explícito ao determinar que "o Paraná Clube não poderá dar o imóvel citado em garantia de qualquer operação comercial, processo ou outros negócios, bem como não nomeá-lo à penhora em nenhuma ação judicial". Mesmo que seja pedido o empenho específico do CT de Quatro Barras, o Paraná tem obrigação de indicar outro imóvel.

Garantia

A oferta do Ninho da Gralha para pagamento foi mais uma forma de o Paraná tentar quitar o débito com a Systema, empresa de Léo Rabello, por causa da venda de Thiago Neves. O Paraná não repassou a Rabello a parte na venda do meia e, por isso, foi condenado em 2012. Os juros transformaram uma dívida de R$ 9 milhões em outra três vezes maior, de R$ 27,9 milhões. Um acordo judicial, firmado em 4 de julho de 2013, transformou o Ninho em garantia caso o clube não cumprisse o parcelamento do débito.

Em nome da Systema

Da dívida renegociada, o Paraná pagou "apenas" R$ 3 milhões. A Systema esperou o término da carência prevista no acordo (4 de julho de 2014) e pediu, judicialmente, o registro do Ninho da Gralha em seu nome, para que pudesse receber o valor produzido por venda direta ou leilão. O pedido ainda tramita pelo Judiciário.

Mais dívida

Na ação movida contra o Paraná, a Base pede três coisas: 1) declaração de que o clube rompeu unilateralmente o contrato; 2) indenização por o Paraná ter descumprido cláusulas do acordo referentes a divisão de direitos econômicos de jogadores; 3) pagamento da multa rescisória de R$ 10 milhões prevista em contrato.

Cielo x Cielo

O nadador César Cielo derrubou as ações da Cielo, empresa de pagamento eletrônico. Tudo por causa de uma ação movida pelo atleta, acusando a companhia de ter mudado de nome (antes era Visanet) para colar na exposição do nome do campeão mundial e olímpico de natação. A Justiça do Rio determinou, essa semana, que a empresa mude de nome em 180 dias, mas cabe recurso.

Submergiu

O efeito nas ações da Cielo foi imediato. Na segunda-feira, os papéis da empresa na Bovespa fecharam valendo R$ 41,27. Na terça, dia da decisão, caiu a R$ 38,66. A maior baixa foi na quinta-feira, com R$ 36,37. O último pregão da semana apresentou uma leve melhora, para R$ 38,40.

Escândalo bom

A ideia de que escândalos prejudicam a imagem de uma marca está em xeque. A relojoaria suíça Parmigiani disse que suas vendas aumentaram após a Fifa determinar que seus dirigentes devolvessem os relógios dados de presente pela CBF, por causa da Copa do Mundo de 2014.

Dê sua opiniãoO que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]