i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião

Ainda na fila

  • PorLuiz Augusto Xavier
  • 21/04/2016 00:08

E ainda não foi desta vez. Fica o Atlético no caminho em mais uma final de competição nacional. A terceira, desde o título conquistado naquele já longínquo 2001. Foi assim em 2004, no Campeonato Brasileiro, mais uma vez na decisão da Copa do Brasil de 2013 e agora essa de ontem, na final da Primeira Liga.

O Atlético não jogou bem. Tivesse sido aquele time que passou lotado pelo Paraná Clube, sábado passado, a situação poderia ter sido bem diferente. Mas os setores, desta vez, não se encaixaram. Talvez em decorrência da fraca apresentação individual de alguns dos titulares mais expressivos desse atual time, desequilibrando a ação de conjunto.

Marcos Guilherme, por exemplo. Teve apenas bons momentos no início da partida, mas sumiu completamente a partir dali, contribuindo para desarticular o setor de criação da equipe, que, positivamente, nada ofereceu para a finalização dos atacantes. Otávio também não esteve em suas melhores jornadas e foi substituído por Deivid, que fez aquele básico de sempre.

E aí, quando se viu perdido, com um gol nas costas, o técnico Paulo Autuori fez o que qualquer treinador faz nessas horas, naquela de dar satisfação de ter tentado o ataque: tirou volante e pôs atacante. Não deu certo, claro, pois se o avante está lá para marcar, só o faz quando recebe uma bola aceitável. E ninguém recebeu.

A partida de ontem deixou claro, mais uma vez, uma deficiência que até não vinha fazendo falta em momentos recentes, mas que desta vez foi um peso a menos na decisão: a bola parada. Exceto pelo raro gol de falta de Vinícius, em Londrina, não me lembro mais de outra cobrança direta de sucesso do Atlético de agora. Não há mais a convicção de gol em qualquer falta próxima da área, como, por exemplo, aquelas cobradas por Paulo Baier, tempos atrás (antes que reclamem de qualquer viuvez, trata-se apenas de uma referência do último eficiente cobrador que a equipe teve, pois, desde então, ninguém mais teve a mesma capacidade).

Foi por isso que teve de assistir o Fluminense erguer a taça e dar a volta olímpica, mantendo-se na fila de mais uma conquista nacional. Jogou pouco, muito pouco para quem pretende brilhar além das divisas estaduais.

As decisões

Com todo o respeito que merece o PSTC, o Coritiba já está na final, embora o discurso de seus profissionais, por respeito, seja de cautela. Mas, como já escrevi aqui, tirar três gols de diferença do Coxa no Alto da Glória não é tarefa de qualquer um e a história, ao que me parece, jamais registrou tal feito por qualquer clube, pequeno ou grande.

Domingo, sim, a situação é diferente. A vantagem do Atlético, com o empate, é importante e um handicap a ser considerado. Mas as duas equipes se equivalem e o Paraná Clube certamente será empurrado pela torcida em busca da reversão.

Vai ser de arrepiar, posso imaginar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.