A torcida não perdoou. Sem clemência, foi a maior vaia dos últimos tempos. De nada adiantou a ação de os jogadores do Atlético se reunirem no centro do gramado e partirem para a saudação – prática que tem sido comum nos tempos do técnico Milton Mendes. Lembrou-me a reação dos torcedores em Prudentópolis quando, livres do rebaixamento no campeonato estadual, os jogadores se dirigiram à arquibancada. Aplaudiram, pediram aplausos e ouviram de volta: “ão, ão, ão, não fez mais que a obrigação”.

O torcedor se decepcionou, é claro. Isso por ter acreditado que o time era bem melhor do que ele mesmo poderia imaginar, nos tempos que frequentou o grupo de cima na classificação. Não era tudo isso, ficou bem claro com o passar dos jogos. Talvez nem tanto para o treinador e alguns de seus comandados, que se colocavam acima do bem e do mal, como se tudo no futebol fosse brincadeira de raspar cabelo e sorrir à vontade.

Ontem, o Atlético levou o primeiro gol, ficou tonto, mas soube reagir. O goleiro da Ponte Preta operou um milagre na conclusão de Sidcley, teve um pênalti não marcado. O fato é que a equipe aceitou o jogo proposto pela Macaca, que soube fazer em campo exatamente o que havia programado.

Tipo de partida que tanto poderia ter terminado em 2 a 2 quanto num 3 a 1 para a Ponte, pela chance desperdiçada por Borges nos instantes finais. Consequência: pela 1ª vez, o Atlético ocupa a segunda página da tabela.

No sábado, outra decepção. Cada vez mais confuso, nas elucubrações táticas do técnico Fernando Diniz, que acabou demitido, o Paraná foi a campo com laterais no meio, zagueiros nas laterais e volante de zagueiro. Enrolou-se nas alquimias do comandante e foi incapaz de passar pelo Atlético-GO, um time, cá entre nós, bem mais fraco. Perdeu a chance de 1% de chegar ao G4. Se é que teve qualquer chance.

Não deu

A chance de bom resultado era muito boa. O Coritiba vinha de boa fase, o adversário contava com um jogador a menos desde os instantes finais do primeiro tempo, mas não teve jeito. O ex-coxa Ceará acertou uma bomba lá da intermediária e pôs o Cruzeiro em vantagem e, a partir dali, os mineiros passaram a explorar o contra-ataque, fazendo outro gol, oferecendo a posse de bola, mas não permitindo as finalizações.

Certo que houve um pênalti, em toque de Manoel, quando a vantagem era de apenas um gol. Poderia ter sido lance decisivo, mas nada foi marcado. Tirando duas defesas de Fábio no primeiro tempo, nada mais de incisivo o Coritiba ofereceu.

Juninho, que vinha fazendo uma bela partida, perdeu a cabeça e foi expulso. As chances terminaram ali. Ficou na derrota (normal por ter sido fora de casa?), embora livre da pressão do rebaixamento, pois os adversários diretos também foram mal.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]