i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tostão

Sábios velhinhos

  • Portostaocoluna@yahoo.com.br
  • 03/03/2009 21:01

Uma das coisas mais intrigantes do futebol é o fato de as principais regras terem sido estabelecidas há mais de 120 anos. Uns dez ingleses, reunidos diariamente em um pub de Londres, provavelmente bêbados, estabeleceram as 17 regras. Continuam atuais e corretas.

Com frequência, ouço e leio críticas irônicas e preconceituosas aos "velhinhos da International Board", que decidem os detalhes que possam ou não ser mudados. Os "velhinhos" demoram para mudar, mas quando decidem, costumam acertar em cheio, como a vitória valer três pontos e a proibição do goleiro segurar a bola com as mãos, quando houver intenção do companheiro de atrasar a bola com os pés.

Com a alegação de que o futebol ficou mais veloz e que os jogadores ocupam mais espaços, muitos pedem mudanças radicais, como acabar com o impedimento, diminuir o número de jogadores, aumentar o tamanho do gramado e a altura das traves. Seria um desastre.

Há mais de dez anos, comentei um jogo pela tevê entre os reservas de dois grandes times de São Pau-lo. A partida, sob a observação dos "velhinhos", servia de teste para acabar com o impedimento. Os atacantes corriam para dentro da área e os zagueiros iam atrás. Ficava um enorme vazio no meio-campo. O jogo ficou horrível. Parecia outro esporte. Os "velhinhos", sabiamente, vetaram.

Na semana passada, queriam adotar um novo cartão, o laranja. O jogador teria que sair por algum tempo para voltar, como acontece em alguns esportes. Se os árbitros, a imprensa e os torcedores não entram em acordo se um atleta mereceu o cartão amarelo ou vermelho, imagine a confusão com mais um cartão. Os "velhinhos", sabiamente, vetaram.

Queriam ainda passar o intervalo para 20 minutos. Só seria bom para as tevês venderem mais anúncios comerciais. Os "velhinhos", sabiamente, vetaram.

Isso não significa que nada deva ser mudado. Sou a favor de aumentar o número de substituições, principalmente se houver prorrogação, de punir jogadores e equipes que ultrapassarem um limite de faltas, do uso da tecnologia em pouquíssimas situações especiais, como saber se uma bola entrou no gol ou não, da bola só sair do jogo se tocar no chão.

Nesse último caso, beneficiaria o jogador habilidoso que bate o escanteio de curva, com a bola saindo do campo e caindo dentro da área. Mas se a bola entrasse no gol e saísse sem tocar no chão? Seria gol?

Há muitas controvérsias. Na teoria, seria bom colocar mais um auxiliar atrás de cada gol. Mas tenho dúvidas se não vai haver confusão entre o árbitro e os auxiliares. Uma boa teoria nem sempre é confirmada na prática. Os "velhinhos", sabiamente, adiaram a decisão.

Deixem os "velhinhos" trabalhar com calma. Eles sabem o que fazem.

Milagres

Em toda rodada, um atacante entra sozinho dentro da área, pode escolher um canto para fazer o gol e solta um petardo no corpo do goleiro. A bola bate e volta. O goleiro fica assustado. Aí, o narrador e/ou comentarista falam que o goleiro fez uma defesa espetacular, um milagre. Mesmo se quisesse, ele não conseguiria sair da bola.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.