Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 |
| Foto:

Estádio

Aumenta a crença nos prazos da Baixada, indica pesquisa

A confiança de que a Arena da Baixada estará pronta para a Copa de 2014 é um dos poucos índices que subiu entre os curitibanos, segundo levantamento da Paraná Pesquisas.

Em junho de 2011, 47,9% dos entrevistados apostavam na conclusão dentro do prazo estipulado. Em julho do ano passado, registrou-se um salto para 52,1%. Agora, a convicção de que a praça esportiva (71,43% das obras executadas até 11/7, segundo o Atlético) será entregue até 31 de dezembro deste ano é de 54,4%.

"É o único índice em que houve melhora. Por outro lado, a reprovação ao uso de recursos públicos aumentou. Isso, combinado à baixa aprovação dos governantes, torna cada vez mais difícil por dinheiro público na Arena", comenta o diretor da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo.

De acordo com o levantamento, apenas 11,7% dos curitibanos são a favor do uso de dinheiro público no estádio. É pouco menos da metade dos 23,9% apontados em junho de 2011. O patamar contrário ao aporte de recursos estatais é de 86,7%.

Falta fiscalização aos investi­­mentos para a Copa do Mundo de 2014. Essa é a percepção de 77,5% dos moradores de Curi­­tiba, segundo levantamento feito pela Paraná Pes­­quisas, com exclusividade para a Gazeta do Povo. É o ponto alto de um cenário de pessimismo geral com a preparação da cidade para receber quatro partidas do Mundial. Quadro reforçado pela queda no apoio ao evento e no desejo de assistir a uma partida in loco.

A sondagem foi realizada entre os dias 22 e 25 de julho. Foram ouvidos 436 moradores de Curitiba com mais de 16 anos. A margem de erro é de cinco pontos porcentuais.

Desde 2009, o instituto tem feito levantamentos periódicos para medir a percepção do curitibano quanto à Copa. A comparação dos dados transparece a desconfiança crescente. Em maio de 2009, quando a Fifa anunciou as 12 sub-sedes, 41,4% dos curitibanos acreditavam na correta fiscalização da aplicação de recursos públicos. Agora, quatro anos depois, a aprovação ao monitoramento dos gastos despencou para 11,9%, enquanto a reprovação bateu em 77,5%.

O monitoramento inadequado foi um dos motivos para o Tribunal de Contas Estadual ter recomendado, no início do mês, a suspensão do repasse de recursos do BNDES para a conclusão da Arena da Baixada. O TC-PR detectou falta de clareza no orçamento da obra e cobrou a ativação da comissão conjunta das secretarias estadual e municipal de Copa, responsáveis por verificar o aporte de dinheiro público.

"Herdamos os contratos da gestão anterior e temos de cumpri-los. Estamos fazendo um acompanhamento dos cronogramas físico e financeiro, além de ter aumentado de três para seis o número de integrantes do comitê de fiscalização", diz o secretário municipal de Copa, Reginaldo Cordeiro.

Oficialmente, o orçamento da Arena é de R$ 184,6 milhões. Há outro custo, extraoficial, de R$ 219,9 milhões, que ainda não foi formalizado. E, na sexta-feira, o presidente do Atlético, Mario Celso Petraglia, confirmou um novo aumento. "Após uma reunião com a prefeitura de Curitiba e o governo do Paraná, ficou definido que o número total do custo da obra é de R$ 265 milhões", afirmou.

Os orçamentos oficiais do estádio e de todas as obras de mobilidade deveriam constar em um portal da transparência, emenda aprovada ano passado pela Câmara Municipal, junto com a lei que regulamentou a emissão de potencial construtivo para o financiamento da Arena. O site ainda não entrou no ar. Em junho, um estudo do Instituto Ethos já havia apontado a capital paranaense como a terceira sede menos transparente do Mundial.

"Vivemos outro país depois da Copa das Confederações. O povo está extremamente desconfiado e a aceitação ao Mundial caiu por falta de sintonia entre os políticos e a população. A obrigação de fiscalizar foi deixada de lado e criou-se a impressão de que não há um limite para os gastos com a Copa", analisa o diretor da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo.

Principal canal para demonstrar a insatisfação popular durante a Copa das Confederações, as manifestações nas ruas foram diretamente influenciadas pelos gastos com a Copa, segundo 73,4% dos entrevistados. Outra percepção das ruas, de que outras áreas estariam sendo prejudicadas em benefício ao Mundial, é refletida na pesquisa. Para 87,8% dos curitibanos, setores mais importantes estão sendo deixados em segundo plano.

O estudo ainda revela uma queda no apoio à Copa na capital. Passou de 66,%, em junho de 2011, para 55,1%. O interesse de ir aos jogos do Mundial também caiu: de 76,6%, em maio de 2009, para 38,8%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]