Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Esportes
  3. Copa
  4. Copa 2018
  5. Antes do jogo da seleção, recorde os uruguaios que marcaram (ou não) o futebol paranaense

ELIMINATÓRIAS

Antes do jogo da seleção, recorde os uruguaios que marcaram (ou não) o futebol paranaense

  • Gazeta do Povo
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A seleção brasileira enfrenta o Uruguai nesta sexta-feira (25), na Arena Pernambuco, em Recife, pela quinta rodada das Eliminatórias da Copa de 2018.

Antes do confronto, que será marcado pela disputa particular de dois astros do Barcelona – Neymar, pelo Brasil, e Luis Suárez, pela Celeste –, recorde os uruguaios que marcaram o futebol paranaense. A passagem dos vizinhos pelo futebol daqui é oito ou oitenta: sucesso ou fracasso.

Matosas

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/03/25/Esportes/Imagens/Vivo/matosas.jpg
Gazeta do Povo

O argentino naturalizado uruguaio teve uma ótima passagem pelo Atlético em 1995, quando conquistou a Série B ao lado de Paulo Rink e Oséas, e 1996. O ex-meia se destacava pela raça e qualidade técnica fora do comum. Ainda fez um dos gols mais bonitos da história do Furacão (foto), contra o Rio Branco, em 1996, no campo enlameado da Estradinha em Paranaguá, em que a raça para roubar a bola ficou misturada com o belo toque por cima do goleiro. Ano passado Matosas treinou o Atlas, do México, e por pouco não fechou com o São Paulo em dezembro.

Pedro Rocha

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/03/25/Esportes/Imagens/Vivo/pedro rocha.jpg
Gazeta do Povo

Apontado por Pelé como um dos cinco melhores jogadores do mundo, Pedro Rocha era um meia de futebol técnico e elegante. Ídolo do Peñarol, onde participou do maior esquadrão da equipe de Montevidéu nos anos 60, também foi ídolo no São Paulo, onde jogou de 1970 a 1977. Chegou ao Coritiba em 1978, quando foi campeão paranaense como artilheiro alviverde com seis gols. Pedro Rocha também treinou o Coxa no Brasileiro de 1987.

Morro García

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/03/25/Esportes/Imagens/Vivo/11257212.jpg
Daniel Castellano/Gazeta do Povo

O atacante uruguaio ficou na história como a contratação mais cara do futebol paranaense até hoje, em torno de R$ 6,2 milhões. Com apenas dois gols em 15 jogos em 2011, com direito a punição por doping por uso de cocaína dos tempos de Nacional, foi muito utilizado pelo atual presidente do Conselho Deliberativo Mario Celso Petraglia para criticar a gestão de Marcos Malucelli à frente do clube. Após recuperar o futebol no River Plate de Montevidéu sob o comando do ex-técnico atleticano Juan Ramón Carrasco, agora Morro García é o destaque do pequeno Godoy Cruz no Campeonato Argentino.

Sérgio Ramirez

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/03/25/Esportes/Imagens/Cortadas/15862859-kAYB-U102710898998nbH-1024x683@GP-Web.jpg
Marcelo Andrade/Gazeta do Povo/

Ramirez ficou conhecido no Brasil ao perseguir Rivellino no gramado do Maracanã após uma discussão no amistoso da seleção brasileira com o Uruguai em 1976. O lateral-esquerdo encerrou a carreira na campanha vitoriosa do Pinheiros – um dos clubes que deu origem ao Paraná – no Estadual de 1984. No mesmo ano, virou treinador da equipe da Vila Olímpica do Boqueirão. No futebol paranaense, treinou ainda Colorado, Grêmio Maringá, Cascavel, Coritiba, Atlético e Paraná.

Jorge Seré

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/03/25/Esportes/Imagens/Vivo/sere.jpg
Gazeta do Povo

O goleiro Jorge Seré chegou ao Coritiba em 1995 aos 33 anos, com status de grande contratação, mas até hoje é considerado uma das piores contratações alviverdes. O uruguaio disputou apenas duas partidas – com direito a um frango vergonhoso na segunda delas, contra o Paraná. A passagem mais marcante da carreira de Seré foi no Nacional do Uruguai, em 1988. Na final do Mundial de Clubes daquele ano, contra o holandês PSV Eindhoven de Romário, ele defendeu quatro penalidades. O Nacional venceu a decisão por pênaltis por 7 a 6 e sagrou-se campeão.

Felix Magno

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/03/25/Esportes/Imagens/Cortadas/felix magno-kAYB-U102710898998xxG-1024x768@GP-Web.jpg
Coritiba

Felix Magno chegou ao Coritiba em 1950 para se tornar o recordista de jogos à frente da equipe. A marca de 201 jogos no comando coxa não foi ultrapassado até hoje. O treinador uruguaio comandou o Coxa em três oportunidades: entre 1950 e 1951, entre 1954 e 1959, entre 1965 e 1966 . Conquistou cinco estaduais pelo Coxa: 1951, 1954, 1956, 1957 e 1959. No futebol paranaense, o uruguaio também treino o Atlético em duas oportunidades: entre 1952 e 1954 e em 1963.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE