i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
investigação

Advogado alega que prisão de ex-presidente da Fanáticos foi arbitrária

Delegado teria dito ao defensor que sabia que Juliano Rodriques ira inocente da morte de paranista. Policial rebate dizendo que cumpriu a lei ao pedir a prisão dos envolvidos

  • Porgazeta do povo
  • 17/03/2014 16:33
Exame balístico aponta que tiro que matou torcedor paranista foi disparado de uma arma do ex-presidente da Fanáticos Juliano Rodrigues | Brunno Covello / Gazeta do Povo
Exame balístico aponta que tiro que matou torcedor paranista foi disparado de uma arma do ex-presidente da Fanáticos Juliano Rodrigues| Foto: Brunno Covello / Gazeta do Povo

O advogado Haroldo Nater, que representa o também advogado e ex-presidente da torcida organizada do AtléticoOs Fanáticos Juliano Rodrigues, afirmou nesta segunda-feira (17) que o delegado da Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos (Demafe), Clóvis Galvão, admitiu que seu cliente não cometeu o homicídio do torcedor do ParanáDiego Henrique Gonciero, de 16 anos, em julho de 2012.

A prisão, segundo Nater, seria uma estratégia para descobrir o verdadeiro autor do crime. "O delegado afirmou para mim e para a família do meu cliente que tem convicção de que Juliano não foi o responsável pelo disparo", destacou.

Galvão confirma. Ele justificou que em momento algum declarou que Rodrigues havia atirado no rapaz assassinado. "Quero apenas que ele explique como a bala do revólver que pertencia a ele foi parar no corpo da vítima".

Nater também alegou que o pedido de prisão de Rodrigues foi um artifício utilizado pelo delegado para chegar à conclusão do inquérito. "É um desrespeito gravíssimo ao processo penal, uma vez que o estado fere os direitos de um cidadão", sustentou o advogado. Galvão rebateu que cumpre sua função de delegado de requisitar a prisão dos envolvidos no crime. No domingo, 16, o advogado do preso requereu judicialmente sua transferência para uma sala especial, separada de outros detentos, prerrogativa conferida a advogados pela lei. Tal pedido foi concedido pela juíza da 1ª Vara do Tribunal do Júri, mas não foi efetivado. Investigação

Rodrigues foi preso temporariamente na manhã do sábado, 15, após exame de balística apontar que a arma utilizada no crime pertencia a ele. O crime contra Diego Gonciero ocorreu em julho de 2012 em frente à sede da Fúria Independente, no bairro Jardim Botânico, em Curitiba, próximo ao estádio da Vila Capanema. Lá acontecia um churrasco de confraternização entre as torcidas do Paraná e a torcida Jovem, do Sport Recife, quando três carros chegaram atirando no local.

Na tarde do sábado, o também ex-presidente da Fanáticos, Fábio Marques, de 33 anos, se apresentou ainda no sábado à polícia e confessou ser o autor do disparo. Marques teria decidido confessar a autoria dos disparos por não suportar a acusação de um inocente.

Mesmo com a possibilidade de ser preso, Marques preferiu admitir que foi o responsável pelo assassinato do torcedor adversário. Procurado pela reportagem, o advogado de Fábio Marques preferiu não se manifestar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.