Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Autuori segue com prestígio no Atlético. | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Autuori segue com prestígio no Atlético.| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

O experiente técnico Paulo Autuori chega à segunda partida da final do Campeonato Paranaense, neste domingo (7), às 16 horas, no Couto Pereira, ostentando posição privilegiada no Atlético.

Especialmente para os padrões do clube, marcado pela alta rotatividade de técnicos em seu banco de reservas. Após duas derrotas consecutivas de difícil assimilação na Baixada, para Coxa e San Lorenzo-ARG, ambas por 3 a 0, Autuori segue inabalável.

Serviço: saiba como ver ao vivo o Atletiba decisivo deste domingo

Leia a matéria completa

E nada indica que o resultado final do Atletiba possa alterar o panorama de tranquilidade. “Não teve papo nenhum. Zero. Não há motivo para papo”, disparou, incomodado, ao ser questionado sobre uma possível conversa com a diretoria, após a série negativa.

LEIA MAIS: Atletiba encerra Estadual manchado por confusões dentro e fora de campo

Reflexos da alta credibilidade conquistada desde sua chegada, em março do ano passado, do alinhamento ideológico com a cúpula e do amplo projeto que lidera no Rubro-Negro.

Atletiba: tudo o que você precisa saber sobre a finalíssima no Couto Pereira

Leia a matéria completa

Autuori tem papel que extrapola o comando técnico. Ele é o gestor do futebol do Furacão. É quem indica e afasta jogadores. É também quem prepara os auxiliares Bruno Pivetti e Kelly para, num futuro próximo, assumirem o time. Pivetti, aliás, vem comandando treinos e até jogos (no Estadual).

Com perfil contestador, Autuori também se notabiliza pelas entrevistas, que não raro assumem tom reflexivo e filosófico, abordando temas que ultrapassam os limites do futebol — como a política e a sociedade brasileira. Frequentemente, cita pensadores contemporâneos para balizar seus argumentos.

Um dos preferidos é o italiano Umberto Eco. Já antes do Atletiba, recorreu ao poeta e jornalista Mário Quintana. “A mentira é apenas a verdade que se esqueceu de acontecer”, parafraseou, para criticar parte da imprensa, a quem definiu como “oportunista”.

“O oportunismo é isso. Quando você sabe que não existe absolutamente nada, segura e espera para colocar as coisas quanto tem oportunidade. Isso é mediocridade”, analisou, quando indagado se possíveis problemas internos no elenco estão afetando o desempenho em campo.

Em sua chegada ao clube, o treinador avaliou o Atlético como uma “ilha de prosperidade no futebol brasileiro”. Agora, de fato, ele vem usufruindo do “ar rarefeito” do CT do Caju. “ Vim com o objetivo de formar jogadores e profissionais da área. E vai continuar assim até quando os que comandam o clube acharem que deve ser ou quando eu achar que deve ser. Simples como isso”, garante.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]