|
| Foto:

Coluna do Boluca – Os bastidores das mais trepidantes negociações por 40 anos na Tribuna. E bordões como "nada mais disse porque nada mais lhe foi perguntado", "Quem viver, verá", "Eis tudo", "Vai com Deus, guri".

Oponentes célebres – Batel de Guarapuava, Matsubara de Cambará, Platinense de Santo Antônio da Platina, Jandaia, Caramuru de Castro, Pato Branco, União Bandeirante...

Sorveteiro – Escalando as bancadas com agilidade, boné virado pra trás, cabelo branco e óculos: "Coco, manga e chocolaaaaaaaaaaaaaaaaaate!".

Grudado no ouvido – Ecoando pelo estádio, a vinheta da Rádio Inde­pendência. A narração perfeita de Lombardi Júnior e o plantão afinado e antenado de Oldemar Kramer e Carlos Kleina na B2.

"De grátis" – Quantos torcedores foram formados pela carteirinha da Federação Paranaense de Futebol, aquela que permitia o acesso livre aos estádios até os 18 anos de idade?

Torneio Início – Um festival de bola na abertura do certame araucariano. Nada de gols em 20 minutos? Vencia a equipe que obtivesse mais escanteios ao longo do embate relâmpago.

Clássico do Café – O clássico de maior audiência fora de Curitiba? O Londrina se perdeu. E já morreram e nasceram tantos Maringás que nem sabemos mais qual é qual. Uma pena.

Loja Fedato – Do craque coritibano Aroldo Fedato, era local de peregrinação da molecada nas 10 sedes espalhadas por Paraná e Santa Catarina. Fechou a última em 2003.

Convivência ordeira – Uma corda e uma fileira de policiais (foto abaixo) era o suficiente para separar atleticanos e coxas-brancas. O que mudou para tantos e tantos anos de ódio e violência?

Arquivo/GRPCom

Colorido no clássico – Não pode foguete. Não pode faixa. Não pode bandeira. Não pode papel picado. Não pode fumaça. Não pode cerveja. Não pode ficar em pé. Brigar pode.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]