Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Hugo Harada/Gazeta do Povo
| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Sem anunciar um novo técnico desde a demissão de Paulo César Carpegiani, no fim de fevereiro, o Coritiba ganhou seu novo treinador neste domingo (30), na Arena da Baixada. Depois de conduzir o Coxa a uma vitória impecável sobre o Atlético (3 a 0) e encaminhar o título do Paranaense, o status de interino está com os dias contados para Eriélton Carlos Pacheco, o Pachequinho.

Atletiba: Veja os três gols do Coritiba contra o Atlético na Arena

Humor: Los 3 'Inimigos' e a festa do Coritiba no shopping Caldeirón

Leia a matéria completa

A atuação alviverde no jogo mais importante da temporada até então deve concretizar a troca oficial de posto do ex-atacante de 46 anos, que já contava com apoio público do elenco. Apesar do resultado no clássico, o Coritiba ainda não fez o anúncio da promoção de Pachequinho.

Em sua segunda passagem como interino – a primeira aconteceu primeiro turno do último Brasileiro –, Pachequinho acumula números chamativos. Em 11 jogos, quase 70% de aproveitamento: oito vitórias, um empate e três derrotas. Além disso, ensinou seu time a marcar gols e sofrer poucos. Foram 26 bolas na rede a favor e oito contra.

Leia também: Alex diz que gol de Iago no Atletiba é para ser aplaudido em pé

Apesar do momento positivo, perto da conquista do título que nunca conseguiu como atleta do Coritiba, ele ressalta que nada pode mudar por causa do triunfo nos primeiros 90 minutos. “Nada está ganho”, ressalta.

“Nosso objetivo é o título. E para isto temos que ter uma semana muito boa de trabalho, esta é minha preocupação... Temos de trabalhar muito bem nesta semana, com muito respeito. O Atlético tem um time que não podemos relaxar”, afirma.

Curiosamente, quando Pachequinho assumiu o comando do Coritiba, há dois meses, uma derrota para o mesmo adversário criou uma conexão entre os jogadores e ele. Depois de perder na primeira fase para os reservas do Atlético, em 1.º de março, o plantel prometeu o título ao presidente Rogério Bacellar. Coube ao interino externar a promessa, relembrada depois de colocar uma mão na taça.

“A nossa ambição de ser campeão paranaense cresceu muito na nossa derrota aqui dentro no primeiro turno”, recorda o treinador, perto de alavancar de uma vez por todas a sua carreira à beira dos gramados.

“O resultado foi muito bom. Mas ainda precisamos evoluir muito para o restante da temporada”, avisa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]