Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Claudio Tencati está desde 2011 no Londrina, enquanto Roberto Fernandes  foi contratado no final  de setembro, terceiro técnico do Tricolor no Nacional. | /
Claudio Tencati está desde 2011 no Londrina, enquanto Roberto Fernandes foi contratado no final de setembro, terceiro técnico do Tricolor no Nacional.| Foto: /

A excelente campanha do Londrina na Série B deste ano contrasta com o desempenho ruim do Paraná. Situação que não é fruto do acaso: com estabilidade dentro de campo, o Tubarão deixa uma série de lições para o Tricolor.

TABELA: Veja como está a classificação da Série B

Com 48 pontos e na 5.ª posição, o time do interior está na briga pelo acesso. Por outro lado, com 36 pontos e na 15.ª colocação, a equipe da capital se contenta em evitar o rebaixamento. Disparidade entre um clube que apostou na manutenção de uma base de longo prazo, contra outro que, a cada ano, monta e desmonta o próprio elenco em ritmo de alta rotatividade.

LEIA MAIS: Terceira força? Conheça os métodos do Londrina para desbancar o Paraná

A estabilidade londrinense começa pelo banco. Cláudio Tencati assumiu a equipe em abril de 2011, após a chegada da empresa de gestão esportiva SM Sports, do empresário Sérgio Malucelli.

No mesmo ano, o treinador comandou o time na conquista da Segunda Divisão do Paranaense. Três anos depois, o Tubarão foi campeão da elite estadual. Ainda em 2014, conquistou o acesso da Série D para a Série C. Em 2015, subiu para a Série B. Sempre com Tencati no comando.

LEIA MAIS: Londrina não merece um time na Série A, apesar do Tubarão

No mesmo período da “era Tencati”, o Paraná contratou 16 técnicos diferentes. Quem mais treinou o time desde 2011 foi Ricardinho. Foram 62 partidas, acumuladas em suas passagens em 2012 e 2014. Desde que caiu para a Série B, em 2007, o Tricolor já mudou 26 vezes de comando técnico.

Dentro de campo, os padrões opostos se mantêm. Líderes do atual elenco do Londrina, o zagueiro Sílvio e o volante Germano estão no clube desde a disputa da Série D de 2013. Neste período, o volante foi emprestado para o Coritiba, em 2014, mas no ano seguinte retornou para o interior.

Já do time que obteve o acesso para a Série C em 2014, estavam presentes também o lateral-direito Lucas Ramón e o atacante Bruno Batata. Por fim, a base do time que briga por uma vaga na elite este ano é a mesma que obteve o acesso para a Segundona no ano passado: com o zagueiro Luizão, lateral-esquerdo Paulinho, os meias Rafael Gava e Zé Rafael, dentre outros.

Enquanto isso, o Tricolor muda de elenco a cada ano. Contratado em 2013, o goleiro Marcos é o mais longevo. Do ano passado, por sua vez, permaneceram apenas os laterais Rafael Carioca e Fernandes, o zagueiro Zé Roberto, o volante Anderson Uchôa e o atacante Lúcio Flávio. Atletas que ficaram aquém das expectativas e estiveram longe de formar uma base sólida.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]