Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Patrimônio

Prefeitura planeja o fim da Vila Capanema

Projeto municipal prevê acordo com o Paraná: clube desiste do Durival Britto e ganha novo estádio no Boqueirão

  • Adriana Brum
Prefeitura pretende ficar com a propriedade da Vila Capanema e terrenos no entorno para construir um Centro Administativo. Paraná ficaria com nova casa no Boqueirão |
Prefeitura pretende ficar com a propriedade da Vila Capanema e terrenos no entorno para construir um Centro Administativo. Paraná ficaria com nova casa no Boqueirão
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Prefeitura planeja o fim da Vila Capanema

De sede de jogos da Copa de 1950, casa dos extintos Ferroviário e Colorado, hoje estádio do Paraná, a Vila Capanema tem tudo para se transformar no Centro Administrativo da prefeitura de Curitiba.

Os gestores do município aguardam para os próximos dias o “sim” da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, para oficializar a negociação com o Tricolor.

Confira imagens do projeto da Prefeitura

A área de 55,3 mil m² é alvo de uma briga nos tribunais que já dura 41 anos. Em março de 2012, o imóvel foi incorporado ao patrimônio da União, mas os paranistas, detentores da posse, têm como recorrer da decisão.

Pela ideia inicial do município, toda formatada em planilhas com gráficos, após receber a praça esportiva do governo federal, o poder público oferece uma espécie de indenização ao Paraná: levanta um novo estádio, na Vila Olímpica do Boqueirão, e o clube abre mão de brigar na Justiça pelo terreno onde está o Durival Britto e Silva. O acordo leva em conta, entre outras coisas, o valor afetivo e histórico da Vila.

Assim a gestão Gustavo Fruet viu a possibilidade de resolver um problema próprio: centralizar todos os órgãos do Executivo, hoje espalhados em sedes locadas pela cidade.

“Estudamos as possibilidades jurídicas há quase um ano. Tivemos reuniões com o Paraná e com a Advocacia Geral da União (AGU). No campo jurídico, está tudo encaminhado”, diz o secretário municipal de governo, Ricardo Mac Donald Ghisi, que articula as negociações com apoio do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

Os dirigentes do Tricolor, porém, negam que os contatos tenham acontecido. “Não há uma proposta formal a respeito desse assunto. Isso só poderá acontecer quando a prefeitura for dona da área. Agora, se me perguntassem se o Paraná seria suscetível a conversar com quem quer que seja – município, estado, União – a respeito do terreno, é lógico que sim”, afirmou o presidente do Conselho Deliberativo do clube, o procurador da AGU Benedito Gomes Barboza.

O centro da prefeitura teria um edifício de dez pavimentos em uma área construída de 100 mil m². Além do terreno da Vila Capanema, o projeto aglutinaria onze imóveis ao lado, que somam 19,7 mil m², hoje administrados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e que serão cedidos à prefeitura.

A proposta prevê ainda a construção de uma nova Câmara de Vereadores, hoje localizada em um prédio histórico no Centro da cidade. “Com a economia que fizemos em 2013, em torno de R$ 28 milhões, poderíamos fazer o pagamento da construção da nova Câmara”, diz o presidente da entidade, o vereador Paulo Salamuni.

O valor total do Centro Administrativo é estimado entre R$ 350 milhões e R$ 450 milhões e seria pago com a economia feita em alugueis, taxas e serviços de condomínios que deixariam de ser gastos nos prédios que hoje a prefeitura usa para abrigar suas estruturas administrativas, explica Ghisi.

“Hoje gastamos R$ 40 milhões com esses custos. Va­­mos fazer uma parceria público-privada (PPP) e a empresa contratada para construir o Centro Admi­nistrativo, a nova Câmara e o novo estádio receberá o pagamento par­­celado com o valor economizado nos anos seguintes à entrega das chaves”, diz o secretário.

Se o projeto do novo Cen­­tro já ganhou o primeiro esboço, feito pelo Ippuc – que inclui um Museu do Futebol – e as tratativas políticas estão adiantadas, na parte administrativa ainda há muito o que fazer: não há nada alinhavado sobre as especificações do que seria o novo estádio paranista.

O Tricolor planeja ter uma nova praça esportiva até 2017, mas o clube ainda não se articulou para colocar o projeto no papel. “O Paraná tem outras questões estruturais que precisam ser realizadas com certa urgência. Se não conseguirmos isso até 2017, será um prejuízo muito grande, porque temos verificado que, especialmente depois da Copa, quem não tiver condições de oferecer conforto e praticidade para seu torcedor vai penar muito”, afirma Barboza.

Projeto

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE