Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Lorena Spoladore ficou com o bronze na Rio-2016. | Marcio Rodrigues/MPIX/CPB
Lorena Spoladore ficou com o bronze na Rio-2016.| Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CPB

A paranaense Lorena Spoladore, 20 anos, natural de Maringá, ganhou a medalha de bronze no salto em distância categoria T11 nessa sexta-feira (16), na Paralimpíada do Rio de Janeiro. Ele saltou 4,71 metros para conquistar a medalha, o melhor salto na temporada.

Lorena já tinha sido bronze nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto 2015, prata no Mundial de Doha 2015 e ouro no Mundial de Lyon 2013. Devido a um glaucoma congênito desde os primeiros dias de vida, ela perdeu a visão gradativamente. A família mudou-se para Goiânia em busca de tratamento, mas, aos 4 anos, já tinha 95% da vista comprometida. Dois anos mais tarde, ficou totalmente cega. Sua história no esporte começou aos 9 anos no balé e em seguida utilizou sua força e elasticidade na prática do atletismo.

Conheça a história dos 23 paranaenses na Paralimpíada do Rio

Leia a matéria completa

Ouro também brasileiro

Na mesma prova, o ouro ficou com Silvânia Costa. O título paralímpico no Rio veio somente no último salto da atleta, que superou a marfinense Fatimata Brigitte Diasso, medalha de prata.

Recordista mundial da prova, com os 5,46 metros obtidos esse ano em São Paulo, Silvânia era a principal candidata ao ouro nesta sexta. Até conseguiu bons saltos no início, mas foi rapidamente superada por Diasso. A brasileira, então, esperou até o último salto do dia para superar a adversária e garantir o ouro.

No sexto e último salto, Silvânia conseguiu a marca de 4,98 metros, nove centímetros a mais do que a marfinense. A medalha serviu para completar a festa de sua família. Seu irmão, Ricardo Costa, já havia faturado o ouro na mesma prova entre os homens nesta edição dos Jogos Paralímpicos.

Além disso, a conquista encerrou um curto jejum de medalhas de ouro do Brasil no Rio, uma vez que o País não havia subido no lugar mais alto do pódio na última quarta e quinta-feira. Por isso, caiu para a sétima colocação, onde continua, com 11 ouros e 55 medalhas no total.

Ainda nesta sexta-feira, o Brasil lutará por mais medalhas no atletismo. Na categoria T11 dos 400m feminino, o País será representado por duas atletas na decisão. Terezinha Guilhermina e Thais Simplício registraram o terceiro e quarto melhores tempos das eliminatórias, respectivamente, e avançaram à disputa do pódio à noite.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]