i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Canoagem

Projeto social de Foz do Iguaçu emplaca seu primeiro atleta olímpico

Revelado pela ação Meninos do Lago, parceria da Itaipu com a Federação Paranaense de Canoagem, Felipe Borges é o pioneiro do projeto paranaense nos Jogos. Trabalho na Fronteira tem ainda Ana Sátila

  • PorMarcos Xavier Vicente
  • Rio de Janeiro
  • 01/08/2016 21:55
Felipe Borges se encontrou na canoagem aos 13 anos, por incentivo da mãe. | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Felipe Borges se encontrou na canoagem aos 13 anos, por incentivo da mãe.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Desde que o filho se classificou para a Rio-2016 no mês passado, na última etapa da Copa do Mundo de canoagem slalom, na França, o taxista Auri Borges fala com orgulho para todos os passageiros que transporta em Foz do Iguaçu: “Meu filho está na Olimpíada”.

O orgulho tem motivo. Aos 21 anos, Felipe, é o primeiro atleta formado no projeto social Meninos do Lago – parceria da Hidrelétrica de Itaipu e da Federação Paranaense de Canoagem – a se classificar para os Jogos Olímpicos. O objetivo da ação é levar crianças carentes da rede municipal de ensino para treinar e, consequentemente, formar novos atletas.

CANOAGEM: saiba mais sobre o esporte

Ana Sátila e Felipe Borges: iguaçuenses da canoagem slalomo.Albari Rosa/Gazeta do Povo

Ele e Ana Sátila, mineira criada no Mato Grosso, mas radicada na Tríplice Fronteira há cinco anos, vão representar o Paraná na modalidade, cujas provas começam quarta-feira (7), no Parque Radical de Deodoro.

Para tentar controlar o comportamento do filho, a mãe de Felipe, Isolde Borges, o pôs para treinar vários esportes. Futebol, atletismo, basquete, vôlei: em nenhum o menino se acertava. Até que aos 13 anos se encontrou na canoagem. “Se não fosse o Meninos do Lago, talvez eu teria tentado a sorte em outro esporte. Mas não sei se chegaria tão longe, como em uma Olimpíada”, afirma o canoísta da categoria K1 (caiaque individual) que após obter o índice na última etapa da Copa do Mundo, em julho, tatuou no braço os arcos olímpicos.

O maior significado de minha classificação para a Olimpíada é ser espelho para os integrantes do projeto [Meninos do Lago].

Felipe Borgescanoísta brasileiro

Felipe considera o projeto mais do que essencial para se tornar atleta. Sem ele, a família dele não teria condições de gastar cerca de R$ 15 para ir voltar dos treinos todos os dias. Tanto que o atleta espera se tornar exemplo para os outros 100 garotos que treinam no projeto. “O maior significado de minha classificação para a Olimpíada é ser espelho para os integrantes do projeto”, confia.

Sátila

Após ser a mais nova atleta brasileira em Londres-2012, Ana Sátila vai para a segunda Olimpíada no Rio.Albari Rosa/Gazeta do Povo

Ana Sátila, que ocupa a quarta colocação do ranking mundial do K1 (prova individual do caiaque), treinava natação na infância. Aos 9 anos, a convite de um professor no clube em que nadava, foi para a canoagem, para desgosto inicial do pai, que competia em provas de natação. “No começo ele não gostou. Depois, foi até aprender do esporte para me ajudar no treino”, lembra.

Quando surgiu o convite para treinar em Foz, base da seleção brasileira de slalom, Ana tinha apenas 15 anos - ano seguinte, foi a atleta mais nova da delegação brasileira nos Jogos de Londres-2012. Pela pouca idade, a família impôs uma condição para a canoísta se mudar: a mãe, Marcia Helena, teria de ir junto.

Assim, a Confederação Brasileira de Canoagem (CBCA) acabou contratando Marcia para trabalhar na governança na pousada dos atletas. Na sequência, as duas irmãs também se mudaram para Foz – a mais nova, Almira, segue os mesmos passos e foi 16.ª colocada no último Mundial júnior.

“Sem minha família em Foz, seria tudo muito mais difícil. Eu acho que até chegaria à Olimpíada, mas com muita mais dificuldade”, afirma Ana, que também é sargento da Aeronáutica, dentro do projeto com atletas de alto rendimento das Forças Armadas.

Do técnico da seleção, o italiano Ettore Ivaldi, os dois arrancam elogios. “A Ana é o atleta que todo treinador quer ter, do tipo que tem que mandar parar de treinar”, afirma. “Já o Felipe é um garoto com muita margem para crescimento no esporte”, completa.

Saiba mais sobre a canoagem:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.