Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Como o Paraná está contornado a crise financeira da pandemia do coronavírus
| Foto: Gazeta do Povo

Em meio à pandemia do coronavírus, muitos clubes tiveram que ‘apertar os cintos’ e reduzir as despesas já que algumas receitas acabaram sendo cortadas com a paralisação do futebol. Em Curitiba, o Athletico optou pela redução dos salários de seus funcionários e jogadores em 25%. Já o Coritiba, além de diminuir os pagamentos de seus colaboradores também em 25%, demitiu e suspendeu o contrato de alguns funcionários.

Sem se pronunciar oficialmente sobre esse período de crise, o Paraná demitiu dois funcionários, que não faziam parte do departamento de futebol, e ainda não reduziu o salário de seus colaboradores – a reportagem apurou que a possível redução já foi mencionada, mas ainda não concretizada. Na última quinta-feira, o Tricolor conseguiu uma vitória na Justiça do Trabalho, com a suspensão do Ato Trabalhista, que fez com que 100% da receita que o clube conseguisse durante a paralisação do futebol fosse aplicada para arcar com as despesas do próprio Paraná.

‘Engenharia financeira’

As dificuldades financeiras não são novidades no Paraná. Por isso, para a temporada de 2020, o departamento de futebol do Tricolor optou pela aproximação com outros clubes, que cederam jogadores que não vinham sendo utilizados em suas respectivas equipes. Atualmente, o elenco paranista possui 12 jogadores que vieram de empréstimo. Todos eles são bancados pelo clube de origem.

Somado a isso, o Paraná também não renovou o contrato de alguns jogadores que possuíam vínculo até o fim de abril, como o lateral-direito Rafael França, que retornou ao Vasco da Gama, os zagueiros Fernando Timbó, Facundo Falcón e Clau, e o meio-campo Robson. Destes, apenas o lateral não era pago pelo Tricolor, o que fez aliviar ainda mais a já baixa folha salarial do clube.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]