Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Esportes
  3. Poliesportiva
  4. Morre o americano Jay Adams, lenda do skate

luto

Morre o americano Jay Adams, lenda do skate

Skatista era membro do grupo Z-Boys, que na década de 70 elevou a prancha de lazer infantil para esporte radical

  • Marcos Xavier Vicente
Jay Adams tornou-se um mito do skate com apenas 13 anos, quando apresentou manobras jamais vistas até então |
Jay Adams tornou-se um mito do skate com apenas 13 anos, quando apresentou manobras jamais vistas até então
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Morre o americano Jay Adams, lenda do skate

Morreu na noite de quinta-feira (14) o skatista Jay Adams, 53 anos, um dos principais integrantes do grupo Z-Boys, que nos anos 70 revolucionou a prática de skate em todo o mundo. Adams sofreu um ataque cardíaco enquanto passava férias com a família no México. Ele deixa esposa e dois filhos.

De lazer inocente para crianças, o Z-Boys, à época um grupo de adolescentes que morava no então violento bairro de Venice, em Los Angeles, transformou a pranchinha com rodas em um estilo de vida. Credita-se a Adams a primeira apresentação do skate como esporte radical.

Em 1975, Adams assombrou os competidores no campeonato nacional de skate em Del Mar, na Califórnia. O caçula da equipe, com apenas 13 anos, fez manobras jamais vistas até então, baseadas nos movimentos do surfe – outro esporte que os garotos do Z-Boys praticavam –, como giros em 360°.

Os próprios juízes não sabiam como qualificar as manobras do adolescente, que acabou apenas em terceiro lugar na competição, mas que dali por diante passou a ser, junto com os companheiros de Z-Boys Tony Alva e Stacy Peralta, um mito do skate. Tanto que ficou famosa a frase de Adams que dizia “você não para de andar de skate quando fica velho, você fica velho quando para de andar de skate”.

Ainda na década de 70, os Z-Boys aproveitaram a pior seca da história do estado da Califórnia para expandir os horizontes do skate. Sem a permissão dos proprietários, os garotos invadiam as residências de Santa Mônica para andar de skate nas piscinas vazias, criando assim o estilo vertical.

A revolução gerada pelos Z-Boys foi retratada em dois filmes. Em 2001, Peralta, que virou cineasta, contou a história do próprio grupo do qual fez parte no documentário Dogtown and Z-Boys – Onde Tudo começou. Nos relatos dos próprios membros do grupo, todos são unânimes em apontar Adams como o mais técnico dos Z-Boys. Em 2005, o diretor Catherine Hardwicke levou às telas o longa-metragem Os Reis de Dogtown, que foca na relação de Adams, Peralta e Alva dentro do Z-Boys.

Mesmo sendo considerado o melhor do grupo, Adams não alcançou o sucesso dos amigos Peralta e Alva. Antes de se tornar cineasta, ainda na adolescência, Peralta estrelou vários comerciais para marcas de prestígio, como a Pepsi, e nos anos 80 recrutou novos talentos para a sua própria equipe de skate, a Bones Brigade, que entre seus integrantes tinha Tony Hawk, considerado maior ícone do skate. "Adeus Jay Adams. Obrigado por ter nos inspirado a radicalizar e continua buscando os limites até onde é possível", escreveu Hawk em sua conta pessoal no Twitter.

Com o Bones Brigade, Peralta lançou modelos de skate, filmes, entre outros produtos que viraram febre entre os adolescentes americanos. Alva, que também estrelou comerciais, lançou sua própria marca de skate, uma das mais renomadas até hoje

Já Adams passou a ter problemas com drogas após o sucesso alcançado com os Z-Boys. Passou boa parte da vida adulta entrando e saindo de prisões – a ida ao México com a família foi a primeira concessão da Justiça para que o skatista pudesse sair do país desde sua última prisão. Mas a áurea de mito do skate jamais o abandonou.

Em 2012, Adams entrou para o Hall da Fama do Skate e foi homenageado pela IASC, a associação internacional das companhias de skate.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE