Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Pedestres caminham por moradores de rua que dormem nas calçadas de San Francisco.
Pedestres caminham por moradores de rua que dormem nas calçadas de San Francisco.| Foto: Mason Trinca/ Washington Post

“Terceiro Mundo” é hoje um termo geográfico anacrônico da Guerra Fria. Depois de 1989, contudo, “Terceiro Mundo” ganhou outro sentido e deixou de ser um substantivo político para se transformar num adjetivo que vai além de se referir aos países asiáticos, africanos e latino-americanos não-alinhados nem com o Ocidente nem com o bloco soviético.

Hoje em dia, o termo “Terceiro Mundo” transcende a geografia, a política e a etnia. Ele se refere simplesmente a estados pobres e fracassados de todo o mundo, raças e religiões.

Os sinais de um país de Terceiro Mundo seriam governo corrupto, aplicação nula ou desigual da lei, duas classes sociais, e não três, e a volta de doenças medievais. Os países de Terceiro Mundo sofrem com altos impostos e péssimos serviços sociais, infraestrutura pré-moderna, transporte falho, tribalismo, gangues e falta de segurança.

Outra importante característica de uma sociedade de Terceiro Mundo é a negação oficial de todos os problemas mencionados e uma resposta estatal vingativa e quase histérica a todos que apontam essas tragédias óbvias. Outra é a emigração em massa. Os residentes preferem praticamente qualquer outro país ao seu. Pense na Somália, Venezuela, Cuba, Líbia e Guatemala.

Será que a Califórnia do século XXI se encaixa nessa definição, apesar de ter o clima mais ameno dos Estados Unidos, a geografia mais diversa e bela, importantes portos naturais de frente para as economias asiáticas mais dinâmicas e de ser naturalmente rica em madeira, agricultura, mineração e energia, além de ter herdado a eficiência governamental do século passado?

Os indicadores californianos

De acordo com vários critérios, a Califórnia do século XXI é ao mesmo tempo o estado mais rico e mais pobre dos Estados Unidos. Quase um quarto da população vive abaixo da linha de pobreza. Um quinto é classificado como próximo à linha de pobreza – fatos que não eram verdadeiros no fim do século XX. Um terço das pessoas que recebem ajuda assistencial nos Estados Unidos hoje vive na Califórnia. O estado tem a maior população de moradores de rua do país (135 mil). Cerca de 22% de todos os moradores de rua do país vivem no estado. Sendo que a Califórnia é a maior economia dos Estados Unidos, gerando vários bilionários e áreas com populações de alta renda.

Mas, de acordo com alguns indicadores, a classe média californiana está encolhendo — por causa da regulamentação excessiva, altos impostos, restrições ecológicas e o alto preço das moradias. A emigração continua sendo um fenômeno sobretudo das classes média e média-alta. Milhões de pessoas deixaram a Califórnia nos últimos trinta anos, sendo substituídos por indigentes ou imigrantes ilegais, juntamente com pessoas solteiras, jovens e ricas.

Se alguém tivesse previsto, há meio século, que uma delegacia de polícia de Los Angeles e até a prefeitura da cidade correriam perigo de surtos periódicos de tifo, essa pessoa seria considerada maluca. Afinal, a cidade que nos deu o sistema moderno de autopistas não deveria se parecer com a Constantinopla justiniana do século VI. Mas a tifo, bem como surtos da contagiosa hepatite A, estão nas ruas da Califórnia. As calçadas das principais cidades do estado exibem montes de agulhas, fezes e lixo. Os epidemiologistas alertam que os governos municipais estão montando o cenário — estimulando o crescimento das populações de pulgas, piolhos e ratos, espécies proscritas ao longo da história — para possíveis surtos de peste negra ou coisas ainda piores.

As empresas de alta tecnologia fazem sua parte ao deixar de limpar as ruas, preferindo a criação de aplicativos que mostram aos turistas e ao povo como evitar pilhas de excremento nas calçadas. De acordo com a lógica californiana, defecar em público é algo que combina com a tolerância progressista, por isso é algo isento da aplicação da lei. Mas se um morador dos subúrbios construir um pátio sem permissão ele vai pagar multas altas. Na verdade, um pátio novo, construído sem permissão, pode ser considerado mais perigoso para a saúde pública do que montes de excrementos nas ruas.

Um em cada três californianos que entram no hospital por qualquer motivo descobre que tem diabetes ou pré-diabetes, uma epidemia que atinge sobretudo a comunidade hispânica, mas que por vários motivos não deu origens a esforços das autoridades de saúde pública nem recebeu atenção suficiente. As clínicas estatais de diálise hoje são comuns nas cidades centrais da Califórnia — um sintoma trágico da cultura alimentar, da imigração ilegal em massa e da educação falha fornecida pelo estado.

Infraestrutura é para os alienados

O sistema de transporte da Califórnia, sendo sincero, está prestes a ruir. Apesar de ter os impostos sobre combustíveis mais altos do país, nenhuma das principais estradas do estado – nem a 99, I-5 ou a 101 —, depois de 70 anos de uso, está completa com seis pistas, o que gera perigosos gargalos e acidentes. Dirigir pela 99 ao sul de Visalia ou pela 101 perto de Paso Robles ou pela 5 ao norte de Coalinga é como estar em Mad Max 2 — mas não tão perigoso quanto as estradas em duas pistas como a 152 até Gilroy ou a 41, a oeste de Kettleman City. O slogan oculto dos 16 anos do democrata Jerry Brown como governador parece ter sido “A gente não constrói porque talvez você talvez não precise”.

Enquanto isso, as carcaças de concreto dos projetos multibilionários de ferrovias de alta velocidade recentemente cancelados pontuam o horizonte em Fresno. Os burocratas hoje insistem que outros tantos bilhões devem ser gastos para garantir que um trecho curto da rota menos movimentada será concluído, embora eles obviamente não prevejam a criação de outro corredor comercial e turístico entre Merced e Bakersfield.

Os gurus das ferrovias de alta velocidade insistem em salvar algo da lata de lixo porque eles têm uma justificativa econômica para mais dólares — que seriam mais bem aplicados na melhoria das autoestradas, aeroportos e ferrovias comuns — nascida sobretudo do orgulho e da vergonha que exigem que um símbolo menor seja resgatado de um pesadelo.

Em 1973, quando morei na Grécia pela primeira vez, as estradas lá eram medievais. O velho aeroporto Hellinikon era disfuncional, quando não assustador. As paradas de descanso das estradas eram nojentas. Vivi ou visitei a Grécia várias vezes nos 45 anos seguintes, até mesmo depois do colapso de 2008 e o impasse com a União Europeia. Mas hoje as estradas, o principal aeroporto e as paradas de descanso na relativamente pobre Grécia são melhores do que na Califórnia. Os acessos, o trânsito, a multidão, a sujeira e o caos no Aeroporto Internacional de Los Angeles parecem pré-modernos em comparação com o aeroporto ateniense de hoje.

É estranho ver aquele que já foi o estado mais importante dos Estados Unidos, supostamente desfrutando de seu auge, hoje se parecer com a Grécia dos militares de meio século atrás, enquanto a Grécia de 2019 se parece com a Califórnia eficiente de 1973. Atenas e Tessalônica ainda são sujas aqui e ali, e há moradores de rua e imigrantes ilegais. Mas não se vê agulhas e fezes nas calçadas e é seguro caminhar pelas cidades à noite. Os banheiros públicos gregos, antes famosos, são hoje mais limpos do que os das paradas de descanso em Fresno, São Francisco ou Los Angeles.

Blecautes são característicos dos países de Terceiro Mundo. Aqui na Califórnia somos aconselhados a enfrentá-los corajosamente, já que nossa antiquada rede elétrica aparentemente contribui para incêndios florestais nos dias mais quentes. Como nativo, não me lembro de um único caso, no século XX, em que as instalações estatais foram obrigadas a fecharem da forma que hoje rotineiramente acontece.

Califórnia para os outros

Nos últimos três anos, a criminalidade aumentou. Ela é epidêmica das cadeias locais. San Francisco tem a maior taxa de crimes contra a propriedade per capita entre as grandes cidades norte-americanas. O sistema prisional californiano é uma bagunça e cidades-santuários garantem que imigrantes ilegais acusados de crimes não sejam deportados. Pegue um jornal californiano e você verá que a criminalidade diária no estado é inacreditável.

Os ciclos californianos de anos com enchentes e secas continuam porque o estado se recusa a construir três ou quatro grandes reservatórios que foram planejados há mais de meio século e que acumulariam água o bastante para manter a Califórnia funcionando mesmo em meio à pior das secas. A justifica é que é mais sofisticado deixar que milhões de hectares de neve derretida sejam jogados no mar ou que é melhor ter uma ferrovia de alta velocidade entre Merced e Bakersfield do que milhões de metros cúbicos de água armazenada, ou ainda que secas garantem um maior controle estatal por meio do racionamento ou de políticas sociais ecológicas.

Vinte e sete por cento dos californianos não nasceram nos Estados Unidos e a maioria deles vive no país ilegalmente. Ainda assim, as universidades e a cultura popular californiana estão na linha de frente das confusas políticas identitárias que obstruem a assimilação, integração e casamentos inter-raciais — soluções históricas para as tensões naturais nascidas em sociedades multirraciais e multiétnicas. Em meio a esta tempestade perfeita, assim que os cidadãos mais pobres de Oaxaca e da América Central chegaram aos Estados Unidos, rejeitando, de fato, os protocolos de sua terra-natal, a mensagem de seus anfitriões foi a de que eles deveriam reclamar da injustiça social no seu novo lar e romantizar a cultura que eles tinham acabado de abandonar.

As escolas californianas geralmente ocupam as piores colocações dos rankings nacionais. Ninguém, durante uma discussão, questiona o porquê disso, já que as escolas de ensino fundamental do estado costumavam estar entre as mais competitivas dos Estados Unidos.

Ainda assim, e mais uma vez à moda medieval, as escolas técnicas e os departamentos de tecnologia e ciência das principais instituições de pesquisa da Califórnia — Cal Tech, Stanford, UC Berkeley, UCLA, USC — estão entre as mais bem avaliadas do mundo. Imagine algo como os oásis intelectuais de Pádua, Oxford ou Paris no assustador século XIII. Se alguém quer estudar engenharia elétrica ou oncologia, a Califórnia é um lugar atraente. Se alguém quer lecionar nas escolas de ensino fundamental e médio, com certeza o estado não é um lugar atraente.

O Departamento de Veículos Motorizados (DMV) (uma espécia de Detran americano) da Califórnia talvez seja o pior serviço público dos Estados Unidos. Entrar em qualquer posto de atendimento é se aventurar num Inferno de Dante de filas intermináveis, caos, banheiros sujos e funcionários sindicalizados grosseiros e geralmente incompetentes. O único posto de atendimento decente no estado é o de Sacramento, reservado aos deputados e autoridades que supervisionam o departamento para o restante da população. Em troca de uma taxa, despachantes oferecem alguns serviços do departamento, uma admissão de que o estado precisa de algo alheio a si a fim de propiciar os serviços mais básicos. Certa vez, perguntei a um funcionário, depois de esperar muito numa fila, se fazia sentido ela estar usando uma camiseta do sindicato. Ao que ela respondeu: “Você ainda quer ser atendido?”

Os escândalos do DMV são vários. Milhares de títulos de eleitor (uma lei de 1993 possibilitou esse envio para supostamente facilitar a vida dos eleitores) enviados para pessoas erradas, incluindo imigrantes ilegais que supostamente não teriam direito a voto; funcionários corruptos que vendem carteiras de motoristas de caminhão para pessoas sem qualificação; e empresas privadas e indivíduos vendendo reservas e encontros com pessoas de acesso difícil.

A Califórnia tem hoje os maiores impostos sobre o consumo, renda e combustíveis. Com um excedente estatal e uma economia lenta, seria de se pensar que o Legislativo e o governador parariam para pensar antes de aumentarem os impostos. Afinal, uma nova lei tributária federal limita as deduções estaduais e locais a US$10 mil — aumentando consideravelmente os compromissos tributários federais dos californianos de maior renda.

Mas a regra na Califórnia é punir a classe média alta e ao mesmo tempo se curvar aos ricos e romantizar os pobres. Assim, o Legislativo está hoje cogitando um novo imposto sobre heranças e acaba de criar um imposto sobre vendas virtuais.

Mais uma vez, a mensagem é a de que, se os californianos são capazes de sobreviver a um aumento recente no imposto de renda estadual e a um aumento no imposto de renda federal, eles podem ser espremidos mais um pouco para pagarem até 40% de imposto sobre suas propriedades com valor superior a US$3 milhões. Traduzindo, isso significa que uma casa em Los Angeles e uma modesta conta de aposentadoria são provas de que você não construiu seu patrimônio sozinho, por isso o Estado tem mais uma chance de ficar com seu capital póstumo, garantindo, assim, que seus filhos não se beneficiem de sua prosperidade e parcimônia.

O presente apocalíptico da Califórnia deu origem a um Universo alternativo, bem ao estilo Terceiro Mundo, de serviços pagos. Para evitar o serviço de emergência dos hospitais públicos (da última vez que usei uma, duas gangues entraram em conflito na sala de espera, para dar continuidade aos ferimentos pelos quais seus membros estavam sendo tratados), californianos progressistas geralmente pagam por serviços médicos especiais e qualquer outro serviço privado para evitar a todo custo os serviços estatais.

A elite geralmente matricula seus filhos nas escolas preparatórias que surgiram e se disseminaram pelo estado como aconteceu com as academias sulistas brancas dos anos 1960 para contornar os decretos federais antissegregação. A elite progressista imita os segregacionistas dos anos 1960, mas sente que o currículo ecológico e multicultural de seus filhos basta para amenizar sua culpa por terem abandonado as elogiadas escolas “diversificadas” estatais.

Nossos sonhos, seus pesadelos

O que provocou tamanha loucura?

A disparidade entre a pobreza importada ao sul da fronteira e os mimos dados àqueles que controlam uma riqueza sem precedentes no Vale do Silício, Hollywood, na indústria do turismo e nas universidades com grife. A enorme regulamentação ecológica e o zoneamento de butique, os altos impostos, a criminalidade, as políticas identitárias e o tribalismo e o governo progressista radial monopartidário foram forças multiplicadoras. É normal culpar os republicanos da Califórnia por seu próprio declínio nas urnas. Eles têm culpa, mas, em certo sentido, o estado simplesmente deportou os eleitores conservadores e importou eleitores de esquerda.

Num sentido mais reducionista, talvez se o ex-governador Jerry Brown soubesse que um dia se aposentadoria em Delano e teria de dirigir pela 99 todos os dias tendo várias pensões estatais em sua conta bancária, ou se a senadora Dianne Feinstein morasse em East Palo Alto ou Redwood City, e não em Pacific Heights, ou ainda se todos os netos da Presidente da Câmara Nancy Pelosi tivessem de frequentar as escolas públicas, então os arquitetos da Califórnia do século XXI talvez tivessem de conviver com as consequências de seus próprios sonhos, sem tanta vontade de impor seus pesadelos a outros 40 milhões de californianos.

Se bem que tal divergência radical entre uns poucos da elite e os muitos pobres, com pouca nuance entre eles, talvez seja o que define com mais precisão o termo “Terceiro Mundo”.

Victor Davis Hanson é bolsista da Hoover Institution e escritor.

© 2019 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]