Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Vários afegãos mostram credenciais a forças internacionais para tentar fugir do país em um dos voos da operação de evacuação, no Aeroporto Hamid Karzai, Cabul, Afeganistão, 26 de agosto
Vários afegãos mostram credenciais a forças internacionais para tentar fugir do país em um dos voos da operação de evacuação, no Aeroporto Hamid Karzai, Cabul, Afeganistão, 26 de agosto| Foto: EFE/AKHTER GULFAM

Na atmosfera rarefeita de Washington, o desastre que se desenrola no Afeganistão levou tanto a questões de como a China poderia explorar isso quanto a análises e discussões sobre o que está acontecendo em Cabul.

Uma pergunta frequente é se Pequim se sentirá encorajada a invadir Taiwan, seja porque os EUA estão preocupados em evacuar americanos do Afeganistão ou porque a reputação dos militares americanos foi destruída.

É certamente possível que a China aproveite o desvio da atenção americana para tomar Taiwan, mas dificilmente. Uma invasão não é algo planejado da noite para o dia.

Na verdade, as cenas transmitidas de Cabul demonstram que mesmo uma quantidade relativamente limitada de oposição pode interromper maciçamente operações complexas. O Talibã nem mesmo está tentando abater aeronaves americanas que tentam evacuar pessoas, mas a evacuação é um desastre.

Uma invasão real, como uma invasão de Taiwan pela China, seria muito mais complexa e enfrentaria muito mais oposição. É improvável que Pequim esteja prestes a comprometer as forças necessárias por capricho, por mais atraente que seja.

Outra questão é se a China vai querer entrar no Afeganistão para evitar um vácuo político ou impedir o potencial do Talibã de apoiar os separatistas uigures na China.

Essas perguntas deixam de reconhecer os laços fundamentais entre o Talibã e o Paquistão, e entre o Paquistão e a China. Os Estados Unidos nunca foram capazes de negar ao Talibã um santuário no vizinho Paquistão. Na verdade, os serviços de segurança do Paquistão desempenharam um papel fundamental na criação e manutenção do Talibã, mesmo antes do 11 de setembro.

Mas se o Paquistão estava disposto a desafiar os Estados Unidos (a ponto de Osama bin Laden estar escondido, não no Afeganistão, mas em Abbottabad, Paquistão), ele se mostrou muito menos disposto a desafiar a China. Os laços entre a China e o Paquistão são estreitos, desde que o Paquistão reconheceu a incipiente República Popular da China em 1950 (o terceiro país a fazê-lo). Os líderes do Paquistão descreveram a China como seu "amigo de todas as horas", em comparação com os Estados Unidos, que são descritos como seu "amigo de bons tempos".

O Paquistão estaria disposto a comprometer seu relacionamento com a República Popular da China para apoiar o Talibã , caso o Talibã contemplasse a disseminação do Islã radical na China? As políticas do Paquistão em relação aos uigures indicam que Islamabad valoriza seus laços com Pequim muito mais do que qualquer tipo de solidariedade islâmica. A este respeito, o Paquistão é ainda apoiado pela Organização de Cooperação Islâmica, que em 2019 aprovou uma resolução endossando o tratamento da China aos seus muçulmanos.

Em suma, o radicalismo do Talibã contra a China provavelmente seria um esforço solitário.

Uma última questão é se a China gostaria de explorar os recursos minerais do Afeganistão. A nação é considerada um tesouro de vários minerais, incluindo terras raras. Mas os chineses, embora busquem recursos em todo o mundo, já têm fontes para muitos desses recursos. Isso não significa que Pequim iria ignorar os minerais do Afeganistão, mas que não está necessariamente com pressa em explorá-los.

A paciência da China provavelmente será recompensada se esperar e usar o intervalo para obter uma melhor compreensão das várias tribos, personalidades e grupos étnicos da região e negociar a partir de uma posição de familiaridade cultural e étnica.

O que a China ganha à luz do catastrófico fracasso americano no Afeganistão é uma oportunidade maravilhosa de destacar a insegurança e a irresponsabilidade americanas. Como Pequim já sinalizou para Taiwan, se Washington não apoiará o Afeganistão, onde tem trilhões de dólares, milhares de vidas e lutou por 20 anos, por que Taipei deveria acreditar que Washington se comprometerá com a segurança de Taiwan?

O que é ainda mais problemático é que essas mesmas perguntas estão, sem dúvida, sendo feitas, espontaneamente, em capitais de todo o mundo, mesmo que Pequim não estivesse pressionando a questão. A República Popular da China não precisa tentar criar uma imagem da falta de confiabilidade e da potencial incompetência americana. Ele apenas tem que apontar para o caos no aeroporto de Cabul e a inexplicável decisão de retirar as forças militares americanas enquanto ainda havia dezenas de milhares de civis no Afeganistão.

Resta saber quais ações Washington tomará para tentar recuperar a situação e limitar a capacidade da China de capitalizar essas oportunidades.

©2021 Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]