Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Projeto terra firme

Esta professora mudou a vida de seus alunos da periferia por meio do cinema

Professora de escola estadual no Pará leva alunos ao cinema e, agora, quer transformá-los em diretores de seus próprios documentários

  • Maurício Brum especial para a Gazeta do Povo
A professora paraense Lília Melo criou o projeto Terra Firme, que leva alunos da periferia ao cinema | Reprodução/Facebook
A professora paraense Lília Melo criou o projeto Terra Firme, que leva alunos da periferia ao cinema Reprodução/Facebook
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Quando Lília Melo saiu do cinema, no início deste ano, seu único lamento era que a maioria dos seus alunos não tinha condições de ver o filme a que ela havia acabado de assistir — pelo menos, não na tela grande. Professora em uma grande escola estadual na periferia de Belém, capital paraense, ela deixou a sessão querendo que os jovens compartilhassem da mesma experiência. “Pantera Negra”, para Lília, foi “um marco” — um raro filme de super-herói apresentando um protagonista negro, com o qual a maioria de seus alunos poderia se identificar. 

Ao chegar em casa, Lília escreveu em seu perfil no Facebook: “Trabalho na 2ª maior escola da rede estadual e seu público maior é crianças negras carentes. Seria significativo proporcionar a elas essa ida ao cinema para assistirem a esse filme e promover rodas de bate-papo após a atividade”.

Leia maisPara ajudar professora preferida, adolescente arrecada US$ 10 mil para pesquisa do câncer

Não bastava ver o filme, entendia a professora — era preciso, também, ter a experiência completa de fazer isso em uma sala de cinema. O ingresso, no entanto, era proibitivo para as famílias de baixa renda. Ela, então, lançou de imediato a campanha para os seus mais de cinco mil amigos na rede social: quem estaria disposto a ajudá-la a realizar o sonho? 

Nossas convicçõesÉtica e a vocação para a excelência

A resposta, para sua surpresa, era que muitos estavam realmente dispostos a embarcar na ideia — rapidamente, o projeto de Lília Melo viralizou entre os seus amigos e, a seguir, tornou-se o assunto do momento em Belém. A iniciativa ganhou compartilhamentos na internet e virou notícia nos principais jornais e sites do Pará, que correram para repercutir a campanha.

Leia maisO açougueiro que espalha livros pela cidade

No fim das contas, a ação ecoou a tal ponto que inclusive os grandes estabelecimentos comerciais da cidade se uniram para ajudar: os dois principais shopping centers locais ofereceram matinês — com pipoca e refrigerante incluídos — sem qualquer custo para os alunos. 

Na metade de março, 400 jovens da escola onde Lília leciona lotaram ônibus e tiveram a chance de assistir à história do super-herói de Wakanda, em duas sessões diferentes. Depois, debates ajudaram a aprofundar a mensagem do filme e a refletir sobre a importância da representatividade na ficção.

Leia maisSozinho, aposentado planta 25 mil árvores e recupera área degradada em São Paulo

Era a primeira vez que muitos deles viam um personagem negro ser apresentado como o grande protagonista de um filme desse tipo.

Nossas convicçõesO princípio da subsidiariedade: menos Estado e mais cidadão

E, então, algo novo aconteceu — precisamente o que a professora desejava desde o início: os estudantes tornaram-se, eles próprios, protagonistas. “Muitas universidades, museus e empresas se interessaram pela experiência e entraram em contato querendo ouvir os alunos e conhecer a história deles”, relata. “Vieram vários convites, e eles foram para empresas e começaram a palestrar. Ao invés de ficar em um auditório calados, eles iam lá para ser ouvidos”. 

Violência

O sucesso da campanha para ver “Pantera Negra” deu notoriedade às ações feitas na Escola Estadual Brigadeiro Fontenelle, de ensino fundamental e médio, mas não foi a primeira iniciativa cultural surgida ali. 

Lília Melo, professora de Língua Portuguesa e Redação, está na instituição há dez anos, e nos últimos quatro tem se dedicado a fazer parcerias com coletivos artísticos e culturais da comunidade. A Brigadeiro Fontenelle atende a população de Terra Firme, bairro periférico com mais de 60 mil habitantes e com a triste fama de ser um dos mais perigosos da região metropolitana de Belém.

Leia maisPesquisadora publica uma biografia por dia de cientistas mulheres na Wikipedia

De fato, os projetos de Lília se iniciaram como resposta à violência. Com o bairro no centro de constantes operações policiais contra o narcotráfico, a população inocente da Terra Firme com frequência se vê em meio à mortandade causada pela guerra sem fim entre as autoridades e os criminosos. 

Em 4 de novembro de 2014, uma chacina vitimou onze pessoas na comunidade e nos bairros vizinhos Sideral e Guamá, revoltando a população local — a série de assassinatos ocorreu logo após a morte do cabo Antônio Figueiredo, da Polícia Militar, que havia sido atacado a tiros em Guamá, onde morava.

Leia maisEla tem uma doença fatal. Em vez de se conformar, virou cientista e está perto da cura

As onze mortes ocorridas na sequência tinham características de execução em represália ao crime original, e entidades como a Anistia Internacional se envolveram para cobrar a apuração do caso. No ano passado, duas pessoas implicadas no crime foram condenadas em júri popular, incluindo um ex-PM.  

“A chacina gerou uma intervenção muito grande no cotidiano das pessoas”, relembra Lília. “Ficamos sem aula, os alunos estavam com medo de sair nas ruas. No WhatsApp, o tempo todo, a gente recebia nos grupos áudios e fotos de pessoas conhecidas, pessoas próximas que tinham sido exterminadas. Aquilo começou a ficar um verdadeiro terror, um verdadeiro pânico na comunidade”.

Leia maisEstudante caminha a noite inteira para chegar ao trabalho e ganha carro do diretor

No início de 2015, tentando reescrever essa história, a professora começou a firmar uma rede de contatos com grupos que atuavam de forma independente para promover a cultura e a arte no bairro. O plano era mostrar um lado da Terra Firme que não costumava sair no noticiário: em vez das páginas policiais, Lília queria que seus alunos também tivessem a chance de se enxergar em exemplos positivos que davam certo dentro do próprio local onde viviam e estudavam. 

A professora também decidiu se mudar para o bairro, contrariando os alertas da família. “Diziam que eu era louca por me mudar para o ‘bairro mais violento’ de Belém”, ela conta. “Mas eu me apaixonei por esse lugar e por essa história, e queria muito que meus filhos participassem desse crescimento. Sempre me avisavam que eu estava vindo para o bairro mais perigoso, e eu respondia que era também o bairro mais produtivo. A gente precisa dar essa lição de humanidade”, defende. 

Inspiração 

O Cine Clube T.F., nome do projeto que levou os estudantes ao cinema, é a mais nova encarnação da caminhada da professora para oferecer aos alunos uma nova perspectiva. Mais do que organizar exibições de filmes, o grupo planeja se tornar também uma forma para que os adolescentes do bairro expressem a sua visão de mundo — em parceria com o coletivo Tela Firme, o plano, agora, é gravar cenas da vida cotidiana e das atividades realizadas na escola e na comunidade. 

Pouco a pouco, através de oficinas de filmagem e edição, os alunos da Brigadeiro Fontenelle vão se tornar também diretores de seus próprios documentários sobre o que acontece na região. 

Nossas convicçõesOs responsáveis pelo bem comum

Além disso, através das iniciativas levadas a cabo na escola, Lília Melo também quer manter a proximidade com os estudantes recém-formados no ensino médio, seja ajudando na produção dos vídeos ou, mesmo, compartilhando suas histórias. 

“Eles retornam à escola para incentivar aqueles que vão tentar vaga na universidade. Há muitas luzes que eles dão aos alunos: nossos jovens muitas vezes não têm onde estudar, não têm sequer uma mesa para colocar o livro, não têm um momento de silêncio vivendo na periferia da cidade”, destaca. 

“É importante conhecerem as histórias de quem superou tudo isso e passou no vestibular. Quais estratégias eles montaram para conseguir estudar. Os ex-alunos da escola se tornam uma referência para os mais novos”. 

 Para a professora, as iniciativas culturais feitas na Terra Firme são tanto uma resistência quanto um projeto de vida. “O governo não faz, a gente não está tendo suporte, mas precisamos viver e queremos viver da melhor forma possível. A gente está no mesmo barco e se dá as mãos para fazer uma história melhor para contar amanhã”, conclui.

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Ideias

PUBLICIDADE