Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Ideias
  3. Eu fiz um aborto. Esta é a mensagem que quero compartilhar com outras mulheres

vida

Eu fiz um aborto. Esta é a mensagem que quero compartilhar com outras mulheres

“Meu bebê não se parecia em nada com uma bolha de tecido ou aglomerado de células, mas uma criança com braços e pernas. E um batimento cardíaco. Meu bebê tinha um batimento cardíaco”

  • Victoria Robinson
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Trinta anos atrás, eu era uma mãe muito jovem de duas meninas e divorciada. 

Meu ex-marido, o pai biológico de minhas filhas, havia nos abandonado, me deixando sem apoio e lutando para sobreviver. Foi um grande desafio colocar comida na mesa. Eu trabalhava de 12 a 14 horas por dia em uma academia e deixava minhas filhas na creche por até 12 horas. Partia meu coração toda vez que eu as via espiando pelas janelas da creche, acenando e chorando incontrolavelmente. 

Mas eu não tinha escolha. 

Elas eram minha responsabilidade e eu tinha que fazer o que fosse necessário para garantir que suas necessidades básicas fossem atendidas. 

Seis meses depois da partida do meu ex-marido, conheci um cara que frequentava a academia em que eu estava trabalhando. Nós nos demos bem e começamos a namorar quase imediatamente. Nós nos apaixonamos. 

Nove meses depois, eu estava grávida. 

Embora eu estivesse apavorada com a ideia de criar agora três filhos sem marido, fiquei igualmente empolgada com a perspectiva de ter um filho com esse homem que eu tanto amava. 

Dizer que fiquei chocada com a reação dele à minha notícia sobre a gravidez seria um eufemismo. Ele rapidamente reafirmou seu amor por mim e por minhas filhas – mas insistiu que o melhor curso de ação naquele momento era o aborto. 

"Podemos ter filhos mais tarde", disse ele. 

Tentei fazê-lo mudar de ideia, sem sucesso. Ele me convenceu de que isso era "para o melhor" e eu acreditei nele. 

Eu também acreditei na funcionária da clínica de aborto. Então, em uma linda e ensolarada manhã de sábado, eu dei um beijo de despedida em minhas filhas e fui para a clínica de aborto em Charlotte, Carolina do Norte. 

Quando acabou, eu sabia que minha vida, e eu, nunca mais seria a mesma. 

Avancemos cinco anos. Agora estou casada novamente e minhas filhas têm um padrasto. Nós dois queríamos desesperadamente um filho juntos e começamos a tentar imediatamente. 

Depois de sofrer dois abortos espontâneos – que eu estava convencida de que era o meu castigo por ter feito um aborto – fiquei eufórica em saber que estava finalmente grávida de novo. Eu ansiava por mais filhos. 

Oito semanas após a gravidez, comecei a sangrar. 

Sentindo que eu estava sofrendo outro aborto espontâneo, fui imediatamente ao consultório médico, onde ele realizou uma ultrassonografia. 

Lá estava ela. Meu bebê. Viva e bem. Eu pude vê-la. O som de seu batimento cardíaco era música para meus ouvidos. 

Neste exato momento, eu me dei conta. 

Este era o mesmo período gestacional em que eu estava quando escolhi o aborto, mas isso não parecia uma “bolha de tecido” ou “aglomerado de células”. O que eu vi foi um ser humano real e vivo. 

Eu comecei a chorar ali mesmo na mesa, e depois a soluçar. O médico fez o melhor que pôde para me acalmar dizendo: “Espero que sejam lágrimas felizes! Tudo bem, o bebê está bem! Você não está tendo um aborto espontâneo!” 

Ele não entendeu. 

Não estava nos meus registros. Claro, eu preenchi a papelada na minha primeira visita ao médico, mas eu menti no questionário quando ele perguntou: "Você já fez um aborto?" 

Eu não aguentei mais, então eu disse a ele. Naquela hora. Ali mesmo. Eu disse a ele que sabia que Deus estava me punindo por ter feito um aborto e é por isso que eu sofri esses dois abortos espontâneos. Eu disse a ele que estava com medo mortal de que Ele levasse esse bebê também. 

Este compassivo médico me assegurou de que eu estava errada. Ele também não me julgou, como eu achava que ele faria. Eu mantive meu "segredo" bem escondido por medo de ser condenada por outras pessoas. 

Eu tive uma menina saudável sete meses depois. Deus é bom. 

Esse ultrassom mudou tudo. Eu sabia que, naquele exato momento, eu não havia permitido que o médico do aborto extraísse uma "bolha de tecido" ou "aglomerado de células", mas um bebê. Um bebê real e vivo. Meu bebê. 

Neste dia, vi e ouvi evidências tangíveis em uma tela que meu bebê, às oito semanas, era real. 

Meu bebê não se parecia em nada com uma bolha de tecido ou aglomerado de células, mas uma criança com braços e pernas. E um batimento cardíaco. Meu bebê tinha um batimento cardíaco. Um batimento cardíaco muda tudo. 

Ao longo de toda a minha carreira, conheci milhares de pessoas que querem ajudar as futuras mães e seus bebês ainda não nascidos. 

Talvez elas tenham se sentido desqualificadas porque nunca passaram por um aborto. Talvez elas tenham se sentido confusas com a retórica e não saibam para onde ir. Talvez elas se perguntem se estão apoiando o tipo certo de organização. Quem quer que seja, elas estão por aí e estão ansiosas para fazer algo que tenha um impacto. 

A organização pró-vida Save the Storks lançou uma importante campanha de vídeo nas mídias sociais, projetada para dar a todos um veículo para fazer exatamente isso. 

Para não apenas fazer uma pequena diferença, mas uma que possa transformar uma mulher e a vida de sua criança para sempre. 

Estou confiante de que se tivesse tido acesso a um ônibus da Save the Storks durante minha gravidez em crise, minha história teria sido muito diferente. Não há como negar um batimento cardíaco. 

Meu envolvimento com a Save the Storks e a causa como um todo não é apenas para salvar bebês para mim, mas para salvar as mulheres também. Porque elas importam tanto quanto a criança que elas carregam. 

Esta campanha de vídeo está mudando o paradigma de como as pessoas veem e sentem sobre o aborto. Com impressionantes 84% de mulheres pós-abortivas acreditando que o aborto foi sua única escolha, é nosso trabalho fazer a nossa parte para mudar isso. 

E estamos apenas começando.

Conteúdo publicado originalmente no Daily Signal.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE