i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Fui a primeira pessoa “não-binária” dos Estados Unidos. Era tudo uma farsa

  • PorJamie Shupe*
  • The Daily Signal
  • 19/03/2019 17:15
Jamie Shupe obtendo um novo cartão de identificação militar com designação sexual masculina em fevereiro de 2019 (Foto: Arquivo Pessoal)
Jamie Shupe obtendo um novo cartão de identificação militar com designação sexual masculina em fevereiro de 2019 (Foto: Arquivo Pessoal)| Foto:

Quatro anos atrás, escrevi no New York Times sobre a minha decisão de viver como mulher, argumentando que eu queria viver “autenticamente como a mulher que sempre fui”, e tinha “efetivamente trocado meu privilégio de homem branco para me tornar uma das minorias mais odiadas dos EUA”.

Há três anos, decidi que eu não era nem homem nem mulher, mas um indivíduo não-binário, e fui parar nas manchetes depois que um juiz do estado do Oregon concordou que eu poderia me identificar como um terceiro sexo – nem do sexo masculino ou feminino.

Agora, quero viver novamente como o homem que sou.

Eu sou um dos sortudos. Apesar de participar de um procedimento médico de transição durante seis anos, meu corpo ainda está intacto. A maioria das pessoas que desiste de suas identidades transexuais após se submeter a mudanças de gênero não pode dizer o mesmo.

Leia mais: O que é “ideologia de gênero”?

Mas isso não quer dizer que eu saí ileso. Minha psique terá uma cicatriz para sempre, e hoje tenho uma série de problemas de saúde decorrentes desse nobre experimento médico.

Veja como as coisas começaram.

Depois de convencer a mim mesmo de que eu era mulher durante uma grave crise de saúde mental, visitei uma enfermeira no início de 2013 e pedi uma receita para compra de hormônios. “Se você não me der os remédios, vou comprá-los na internet”, ameacei.

Embora a enfermeira nunca tivesse me visto antes, ela prescreveu 2mg de estrogênio oral e 200mg de espironolactona no mesmo dia.

Jamie quando servia o exército (Foto: Arquivo pessoal)<br /><br />
Jamie quando servia o exército (Foto: Arquivo pessoal)

A enfermeira não fazia ideia de que eu tenho transtorno de estresse pós-traumático, tendo servido no exército por quase dezoito anos. Todos os meus médicos concordam com isso. Outros acreditam que eu tenho transtorno bipolar e transtorno de personalidade – possivelmente, borderline.

Eu deveria ter sido impedido de tomar aquela medicação, mas o ativismo dos transgêneros está fora de controle, o que fez a enfermeira ter muito medo de me negar a receita.

Aprendi a me tornar mulher lendo documentos médicos online no site do hospital do Departamento de Veteranos do Exército, dos EUA.

Depois que comecei a tomar os hormônios femininos, comecei a fazer terapia em uma clínica em Pittsburgh especializada em gênero, para que eu pudesse obter as autorizações necessárias para as cirurgias transexuais às quais planejava me submeter.

Leia mais: As consequências, no mundo real, de se submeter à ideologia de gênero

Tudo o que eu precisava fazer era trocar meu combustível hormonal e transformar meu pênis em uma vagina. Então eu seria igual a qualquer outra mulher. Essa é a fantasia que o ativismo transgênero me vendeu; é a mentira que eu comprei e na qual eu acreditava.

Apenas uma terapeuta tentou me impedir de cair nessa armadilha. E, quando ela me alertou, não apenas a dispensei, como apresentei uma queixa formal contra ela. “Ela é uma ‘vigia de portão’”, disse a comunidade trans.

O estigma profissional contra a “terapia de conversão” impediu que a terapeuta questionasse meus motivos para querer mudar de sexo.

De acordo com o Manual de Diagnósticos e Estatísticas de Transtornos Mentais (5ª edição), um dos traços da disforia de gênero é acreditar que você tem os sentimentos estereotípicos do sexo oposto. Eu sentia isso em relação a mim mesmo, mas nenhum terapeuta conversou comigo a respeito.

Nem duas semanas haviam se passado quando encontrei um novo terapeuta. O novo profissional não demorou para confirmar a minha identidade “feminina”. Lá estava eu novamente a caminho de conseguir a autorização para a vaginoplastia.

Existe, online, uma abundante literatura informando os transexuais de que a mudança de sexo não é real. Porém, quando um médico licenciado escreve uma carta basicamente afirmando que você nasceu no corpo errado, e uma agência governamental ou tribunal validam essa ilusão, você fica ainda mais confuso. Eu certamente fiquei.

Raízes dolorosas

Minha história de trauma se assemelha a um passeio pela estrada da morte durante a primeira Guerra do Golfo.

Quando criança, fui abusado sexualmente por um parente do sexo masculino. Meus pais me surravam. A essa altura, eu já tinha sido exposto a tanta violência e cheguei perto de morrer por tantas vezes que nem sei explicar como ainda estou vivo. Nem sei como processar mentalmente algumas das coisas pelas quais passei e testemunhei.

O doutor Ray Blanchard tem uma teoria impopular que explica por que alguém como eu pode decidir se tornar transgênero. Ele afirma que existem dois tipos de mulheres transexuais: homens biológicos homossexuais e homens que são atraídos pelo pensamento ou imagem de si mesmos como mulheres.

É uma coisa difícil de admitir, mas pertenço a este último grupo. Somos classificados como tendo “autoginefilia”.

Depois de assistir a pornografia durante anos, tanto no Exército quanto durante o casamento com uma mulher que resistiu às minhas exigências para se tornar a mulher ideal, eu me tornei a mulher em seu lugar. Pelo menos na minha cabeça.

Enquanto a autoginefilia foi a minha motivação para me tornar mulher, os estereótipos de gênero foram os meus meios de implementação. Eu acreditava que usar uma peruca com cabelo comprido, vestidos, saltos e maquiagem faria de mim uma mulher.

As feministas discordam sobre isso. Elas me rejeitaram por eu me sujeitar a estereótipos femininos. Mas, como um novo membro da comunidade transgênero, também parti para cima delas. Mulheres que se tornam homens não lutam as guerras da comunidade transgênero. Mas homens de vestidos sim.

Negligência médica

A melhor coisa que poderia ter acontecido é se alguém tivesse solicitado para mim terapia intensiva. Isso teria me protegido da minha inclinação para cross-dressing, e das minhas inúmeras e perigosas transgressões sexuais.

Em vez disso, charlatães da comunidade médica me mandaram para o banheiro das mulheres com as esposas e filhas de outros homens. “Sua identidade de gênero é feminina”, disseram esses supostos profissionais.

Leia mais: As feministas abandonaram as meninas para defender os transexuais

A comunidade médica tem tanto medo da comunidade trans que agora eles estão com medo de dar a alguém o diagnóstico de Blanchard. Homens trans já ganharam a batalha na linguagem e agora estão ganhando na medicina.

Leia mais: Os perigos da ideologia transgênero na medicina

Pense na palavra “travesti”. Eles conseguiram torná-la uma palavra vulgar, apesar de significar apenas homens que se vestem como mulheres. As pessoas não têm mais permissão de dizer a verdade sobre homens como eu. Em vez disso, agora todo mundo tem de nos chamar de transgêneros.

O código de diagnóstico em meus registros no hospital de Veteranos deveria ser Transtorno Transvéstico (302.3). Em vez disso, as novas teorias de Judith Butler e Anne Fausto-Sterling foram usadas para encobrir as verdades escritas por Blanchard, J. Michael Bailey e Alice Dreger.

Leia mais: 5 textos para entender as ideias de Judith Butler

Confesso ter sido motivado por minha autoginefilia durante tudo isso. Blanchard estava certo.

Trauma, hiperssexualidade devido ao abuso sexual na infância e autoginefilia deveriam ser sinais de alerta para todos os envolvidos nas áreas de medicina, psiquiatria e psicologia – no entanto, ninguém, exceto o terapeuta em Pittsburgh, tentou me impedir de mudar de sexo. Os demais só me ajudaram a me prejudicar.

Fuga para o status “não-binário”

Certo dia, três anos após minha conversão do sexo masculino ao feminino, olhei bem para mim mesmo no espelho. Quando fiz isso, a fachada da feminilidade desmoronou.

Apesar de ter tomado ou injetado todos os coquetéis hormonais antiandrogênicos do arsenal médico do Hospital de Veteranos, eu não me parecia nada com uma mulher. As pessoas na rua concordavam. Seus olhares agressivos refletiam a realidade por trás da minha existência fraudulenta como mulher. O sexo biológico é imutável.

Levei três anos para aceitar essa realidade.

Quando a fantasia de ser mulher chegou ao fim, pedi permissão a dois dos meus médicos para que eu pudesse me tornar um indivíduo não-binário em vez de um indivíduo do sexo feminino. Ambos concordaram prontamente.

Leia mais: Este homem recebeu 167 cirurgias para mudar de sexo. Ele vive em um mundo de arrependimento

Depois de me bombearem com hormônios – o equivalente a vinte pílulas por dia –, cada um deles escreveu uma carta de mudança de sexo. Os dois não estavam apenas me salvando; eles estavam salvando a si mesmos da minha experiência mal-sucedida de mudança de sexo. Um deles trabalhava no Departamento de Veteranos; o outro, na Universidade de Ciências e Saúde do Oregon.

Para escapar da ilusão de ter me tornado uma mulher, fiz algo completamente sem precedentes na história norte-americana. Em 2016, convenci um juiz do Oregon a declarar que meu sexo é não-binário – nem masculino, nem feminino.

Em minha mente psicótica, tinha trazido o mítico terceiro sexo de volta à América do Norte. E me tornei a primeira pessoa não-binária legalmente reconhecida no país.

Status de celebridade

A decisão histórica do tribunal me catapultou para a fama instantânea dentro da comunidade LGBT. Durante dez dias contínuos, e mesmo depois disso, a mídia não me deixou dormir. Repórteres acompanhavam dia e noite meu feed no Facebook; jornalistas se agarravam a cada palavra minha; um canal de TV de Portland seguiu minha esposa e eu até salas de estar no Reino Unido.

A transformação em mulher me colocou no New York Times. Convencer um juiz de que meu sexo era não-binário fez com que minha história e minhas fotos fossem divulgadas no mundo inteiro.

Então, antes que a tinta da caneta do juiz na minha ordem judicial de mudança de sexo tivesse secado, uma organização de ajuda legal a LGBTs, com sede em Washington, me contatou. “Queremos ajudá-lo a mudar sua certidão de nascimento”, eles ofereceram.

Em poucos meses, consegui emplacar outra vitória histórica depois que o Departamento de Registros emitiu uma certidão de nascimento nova em Washington, onde nasci. Um grupo local chamado Whitman-Walker Health tinha conseguido alterar a designação de sexo na minha certidão de nascimento, que foi alterada para “desconhecido”. Foi a primeira vez na história de Washington que uma certidão de nascimento tinha sido impressa com um marcador de sexo diferente do masculino ou feminino.

Outra organização de assistência jurídica a transgêneros também se juntou ao “movimento de Jamie Shupe”. A Lambda Legal usou a minha ordem judicial de pessoa não-binária para ajudar a convencer um juiz federal de Colorado a ordenar que o Departamento de Estado emitisse um passaporte com marcador X (que significa não-binário) para o autor de uma ação separada, chamado Dana Zzyym.

O meu dia a dia foi tomado por organizações LGBT sempre dispostas a me ajudar a estragar a minha vida. Durante a minha transição para o sexo feminino, a organização nova-iorquina Transgender Legal Defense & Education Fund tinha conseguido mudar meu nome legalmente. Eu não gostava de ter o mesmo nome do tio que havia me molestado. Em vez de oferecer terapia para lidar com isso, eles me deram um novo nome.

Uma juíza da Pensilvânia também não questionou a mudança de nome. Com o intuito de ajudar uma pessoa transexual, ela não só tinha mudado o meu nome, mas, a meu pedido, emitiu uma ordem judicial que me livrou de uma dívida gigantesca resultante da tentativa de compra de uma casa, para que eu pudesse começar minha nova vida como mulher. Em vez de unir a minha nova documentação à anterior, dois dos três departamentos de crédito simplesmente emitiram uma nova linha de crédito.

Abandonando a ficção

Entretanto, em 2017, quando me manifestei publicamente contra a esterilização e mutilação de crianças confusas em relação a seu gênero e contra o ingresso de transexuais no serviço militar, as organizações LGBT pararam de me ajudar. A maioria dos meios de comunicação recuou.

Leia mais: Crianças: a nova fronteira da ideologia de gênero

Do dia para a noite, deixei de ser o queridinho da mídia progressista e me tornei um pária conservador.

Ambos os grupos perceberam rapidamente que havia um desertor na comunidade transgênero. A solução desses grupos foi me ignorar completamente, bem como minha história. Eles também pararam de reconhecer que eu fui o precursor da opção de gênero não-binário, que agora existe em onze estados.

A verdade é que a mudança de sexo para não-binário era uma fraude médica e científica. É bom não ignorar o fato de que, antes da audiência histórica, meu advogado me informou que a juíza tinha um filho transgênero.

Não por acaso, na manhã da minha breve audiência, a juíza não me fez uma única pergunta, nem pediu para analisar qualquer evidência médica alegando que eu havia nascido diferente; em questão de minutos, assinou a ordem judicial.

Eu não tenho nenhum transtorno do desenvolvimento sexual. Toda a minha confusão sexual estava somente na minha cabeça. Eu deveria ter sido tratado e, em vez disso, a cada passo, médicos, juízes e grupos de defesa alimentaram a minha ficção.

O deus-nos-acuda resultante da minha vitória judicial estabeleceu um precedente tanto quanto a decisão judicial em si. A ordem judicial fez com que milhões de dólares dos contribuintes fossem gastos para colocar um marcador X em carteiras de motorista – em onze estados, até agora. Hoje em dia, nas carteiras de motorista, você pode ser um indivíduo do sexo masculino, feminino ou não-binário.

Na minha opinião, a juíza deveria ter se recusado a julgar o meu caso por conflito de interesse. Se tivesse feito isso, teria me poupado da provação que ainda estava por vir. Ela também teria evitado que eu tivesse de carregar o peso do grande segredo por trás da minha vitória.

Hoje acredito que ela não estava validando minha identidade transgênero; estava promovendo a identidade trans de seu filho.

Uma magistrada sensata teria educadamente se recusado a assinar um pedido tão absurdo. “O gênero é apenas um conceito. O que nos define é o sexo biológico”, deveria ter dito.

Leia mais: Rendendo-se a valentões: lobby transgênero ameaça a ciência

Em janeiro de 2019, incapaz de continuar vivendo essa fraude por mais um dia sequer, recuperei minha identidade masculina de nascimento. A mentira já pesava mais na minha consciência que o valor da fama que eu tinha conquistado ao participar dessa elaborada fraude.

Duas identidades de gênero falsas não conseguiram esconder a verdade da minha realidade biológica. Não existe terceiro gênero ou terceiro sexo. Como eu, pessoas intersexuais são homens ou mulheres. Sua condição é resultado de um distúrbio do desenvolvimento sexual. Elas precisam de ajuda e compaixão.

Desempenhei um papel na promoção dessa grande ilusão. Não sou a vítima nessa história. Minha esposa, minha filha e os contribuintes norte-americanos é que são as verdadeiras vítimas.

Jamie Shupe se aposentou do Exército no posto de sargento de primeira classe. Anteriormente identificado como transgênero, ele foi o primeiro americano a obter status não-binário sob a lei.

Tradução de Ana Peregrino.

©2019 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.

28 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 28 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • P

    Poliana dos Santos Martins

    ± 188 dias

    Meu Deus do céu! Que relato arrepiante! O que será do futuro da humanidade?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • C

      Cristian carla a. Volski cassi

      ± 448 dias

      Um perigo.... a analise da VIDA dessas pessoas demonstra desequilibrio desde sempre. Que pecado... ainda é preciso MUITO ESTUDO. E preciso CAUTELA pq .... misericórdia. Tenho piedade dessa pessoa. Pense no sofrimento

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • R

        rafael silva

        ± 448 dias

        Meu Deus, que vergonha alheia.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • H

          H. Romeu Pinto

          ± 448 dias

          Mais um paspalho que ao sair da bolha onde vivia descobriu que o mundo onde homens, mulheres e gays de verdade têm mais o que fazer, ao invés de preocuparem-se se no seu documento de identificação está escrito masculino, feminino, papagaio, lagosta, minhoca, binário, rotatória, cruzamento, etc...

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • D

            David de Carvalho

            ± 448 dias

            Mais um artigo do tipo "eles só pensam naquilo".

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            1 Respostas
            • J

              Jackson dos Passos

              ± 448 dias

              Simples apologia à Cura gay da qual acredito mas a mídia massacra diariamente.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          • A

            Anderson

            ± 448 dias

            Realmente ele se arrependeu, ou não aguentou o fardo de ser uma das minorias mais odiadas dos EUA, como ele mesmo disse e queria ter privilégios novamente? Gazeta que tal no lugar de vc pegar a exceção vc não pegar a regra, pegue reportagens com pessoas operadas e que vivem plenamente suas vidas, felizes pela escolha que fizeram, ou não aceitam devido ao preconceito que pode existir isso

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            2 Respostas
            • C

              Carlos miranda

              ± 447 dias

              Vc é mais um dos que querem ignorar os fatos que se opõe a narrativa progressista, pondo em cheque uma ideologia que nada tem de científica?

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • A

              Ae Carvalho

              ± 448 dias

              Vc não leu o artigo, pelo que pude apreender pelo seu comentário. Ditadura progressista?

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          • L

            Lucas

            ± 448 dias

            É impressionante essa Gazeta do Povo, agora TODA semana tem no mínimo um artigo/comentário, um texto qualquer falando sobre transgênero e aborto (contra, obviamente). Estão cada dia mais insuportáveis.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            11 Respostas
            • G

              Geison Lucio dos Santos

              ± 448 dias

              Lucas: Alguém já comentou que não há, nos outros veículos da grande mídia, quem dê espaço pra histórias como essa da matéria. Por aí, a chamada "imparcialidade" que você tanto deseja também não será encontrada. A saída é assinar outro veículo, que só foque em matérias que corroboram sua visão de mundo, e ser feliz. Tenho quase certeza que , nessas condições, a ausência de "imparcialidade" não te deixará indignado. No mais, já ouviu falar de algo chamado "linha editorial"?

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • L

              Luigi Tenco

              ± 448 dias

              Lucas, sou a favor do aborto nessas condições que você listou também. O que está em questão da matéria é a quase obrigatoriedade de se tratarem as questões de "desvios sexuais" (vou chamar assim o que é diferente do heterossexual "clássico") exclusivamente sob o ponto de vista da militância sexual. Tudo hoje, em relação a esse assunto, é tratado como assunto acabado, sujeito a receitas e modelos rígidos. O sujeito de que trata a matéria foi vítima dessa modelagem determinista, e foi execrado pela militância a partir do momento em que ele percebeu que a receita da militância não servia pra ele.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • L

              Lucas

              ± 448 dias

              Luiz Lima: Eu aceito que existem muitas pessoas que pensam diferente de mim, mas o problema é o jornalismo não ser imparcial, e a cada dia mostrar que é tendencioso nas matérias. Quanto ao aborto eu sou favorável nos termos da lei que já existem hoje, feto anencefálico, estupro, e acredite, já existe uma corrente querendo proibir inclusive nessas situações, imagine uma menina de 11 anos que foi estuprada pelo tio/padrasto/avô, levar a gestação por 9 meses e depois, quem cuida desse bebê, o estuprador? O assunto da matéria é transgênero e isso também irrita como a gazeta é parcial e só traz matérias negativas ao tema, como se ignorar que isso existe fosse uma solução.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • L

              Luigi Tenco

              ± 448 dias

              Lucas: Aceite que nem todas as pessoas pensam como você. A maioria absoluta da humanidade que um "mundo melhor", só um psicopata não o quer. O negócio é que o termo "mundo melhor" é passível de infinitas conotações, e que a esquerda quase sempre acha que é dona da conotação mais legalzinha, e não é, na maioria das vezes. Eu por exemplo, acho que um "mundo melhor" não é lugar em que se aceite como normal o assassinato de fetos. Antes que me "xingue" de religioso ou coisa parecida: sou ateu.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • L

              Luigi Tenco

              ± 448 dias

              Lucas, aceite que nem todo mundo pensa como você, e que "mundo melhor" é um termo muito subjetivo, passível de infinitas interpretações. Eu, por exemplo, acho que "mundo melhor" não é lugar em que seja permitido ASSASSINATO DE FETOS. Antes que me "xingue" de religioso, ou coisa parecida: sou ateu.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • L

              Luigi Tenco

              ± 448 dias

              Lucas: Moderno é poder matar feto?

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • L

              Lucas

              ± 448 dias

              Eduardo: problema é que do jornalismo a gente sempre espera posicionamentos dos dois lados, imparcialidade. Mas isso não se vê por aqui. E tá cada dia mais próximo mesmo eu cancelar essa assinatura. As pessoas querem um mundo melhor, mas não conseguem mudar a cabeça, aliás, preferem se possível retornar cada vez mais pra idade média.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • S

              Senor Rodriguez

              ± 448 dias

              É por isso que eu assino.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • A

              Ae Carvalho

              ± 448 dias

              Continue, por favor, Gazeta. Seus artigos são bem vindos.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • E

              Eduardo

              ± 448 dias

              Lucas, tu já paraste para pensar que este é o único lugar na grande mídia onde esta visão tem espaço? Se segundo a tua percepção isto é insuportável, melhor cancelares tua assinatura e procurares outro veículo: não te faltarão opções (Folha, Estadão, Globo, Época, Veja, para citar apenas os maiores). Outras pessoas, no entanto, vêem com bons olhos o contraponto trazido pela Gazeta – e estas, diversamente, não têm onde mais o buscar na imprensa tradicional.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • L

              Luigi Tenco

              ± 448 dias

              Insuportável é a ideia de descriminalizar o assassinato de fetos.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          • A

            Anderson

            ± 448 dias

            Isso explica pq a GP é veemente contra o criminalizar a homofobia, afinal como vai publicar os textões que induzem as pessoas a pensarem que nao passa de fase, de um erro

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            3 Respostas
            • G

              Geison Lucio dos Santos

              ± 448 dias

              Eu acho que está na hora de criminalizar a biologiafobia. Porque acha que homens nascem em corpo de mulher, vice-versa, e que existem sexos não identificados, é querer brigar com a genética.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • L

              Lucas

              ± 448 dias

              Concordo, pra mim isso explica muita coisa. É como se uma resposta ao posicionamento mais progressista do STF incomodasse, então melhor não dar essa chance, porque imagina que absurdo não poder mais ofender os outros por serem gays, lésbicas, trans.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

            • A

              Ae Carvalho

              ± 448 dias

              Vamos criminalizar a homofobia, a gordofobia ? Sai pra lá...

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          • R

            Ricardo Schrappe

            ± 448 dias

            Mais um caso em que um par de ouvidos valeria mais do que uma dúzia de leis e instituições "defensoras" de seus direitos.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            1 Respostas
            • A

              Ae Carvalho

              ± 448 dias

              Disse tudo, Ricardo.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          • C

            Carol

            ± 448 dias

            Essa loucura e histeria trangênera é resultado da covardia da sociedade. Médicos, juízes, advogados... todos morrendo de medo de dizer o que está bem na cara de todos. Cadê a nossa coragem de atestar o óbvio? Me lembra aquela história em que o rei estava nu, mas ninguém queria ser a pessoa a dizê-lo.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.