Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
De volta à ativa, o psicólogo deu sua primeira entrevista à imprensa após 18 meses doente. E, mais uma vez, foi hostilizado.
De volta à ativa, o psicólogo deu sua primeira entrevista à imprensa após 18 meses doente. E, mais uma vez, foi hostilizado.| Foto: Reprodução

Jordan Peterson emergiu do caos. Após uma longa temporada longe das câmeras e palcos por uma sequência de tragédias familiares - que culminaram na internação do próprio Peterson em uma clínica de reabilitação na Sérvia -, o psicólogo canadense oficializa seu retorno ao debate público com a sequência de seu best-seller “12 Regras para a Vida: um Antídoto para o Caos”.

Desde a última quarta-feira, está à venda “Beyond Order: 12 More Rules for Life” (“Além da Ordem: Mais 12 Regras para a Vida”, em tradução livre), obra finalizada, segundo o próprio autor, entre idas e vindas ao hospital e durante a emergência da pandemia da Covid-19. O livro já alcançou o topo da lista de mais vendidos da Amazon no Canadá.

Com seu sumiço e o recente retorno, bem no olho de um furacão internacional, Peterson - cujos ares de “guru” estão sempre sob o escrutínio da imprensa - deixou uma multidão de admiradores e críticos ferrenhos a se questionar como, afinal, as experiências dos últimos anos impactaram seu trabalho.

E, ainda que o psicólogo reforce, logo de cara, que buscou escrever de forma que as regras não sejam atreladas somente a sua vida pessoal ou estritamente aplicáveis aos tempos do coronavírus, quem conhece seu trabalho há de perceber que Jordan Peterson está mais religioso do que nunca.

“Beyond Order” não traz, na verdade, nenhuma grande novidade: a dicotomia entre caos (o reino do desconhecido, do medo e da criatividade) e a ordem (o reino da cultura, da paz e da tirania), já extensamente destrinchada nas primeiras doze regras - e de forma ainda mais detalhada em sua obra de estreia, o calhamaço “Mapas do Significado” - continua a protagonizar a obra de Peterson, bem como o chamado à responsabilidade como forma de encontrar sentido na vida. Fãs habituados a ouvir suas palestras e podcasts reconhecerão muitas de suas falas, ausentes do primeiro livro.

Só que há muito, muito mais versículos bíblicos entremeados às lições. Peterson evoca a religião para falar de instituições, cita dogmas para falar de estabilidade e, mais de uma vez, assume Cristo como o Ser ideal. Lições sobre a vida familiar incluem passagens de Gênesis e o capítulo sobre a cura de traumas (“Se velhas memórias te incomodam, escreva todas com cuidado”) vem com a conhecida pregação - que também remete às primeiras doze regras - “buscai e achareis, pedi e será dado”.

Por todas as referências religiosas, somadas à análise de arquétipos que vão da mitologia babilônica à saga Harry Potter e à linguagem mais teórica do segundo livro, percebe-se um Peterson mais obcecado com o transcendente. Há muito o que se aprender - e reaprender - com ele nesse aspecto, mas as dicas práticas seguem sendo as mais valiosas. O psicólogo dessa vez se debruça sobre casamento, terapia, rotina e gratidão - em um sentido que extrapola a hashtag - e segue lutando contra ideologias, ainda que com mais misericórdia.

Afinal, ir além da ordem, para Peterson, é reconhecer o próprio caos, e o livro novo traz mais reconhecimento e elogios a bons opositores (o escritor marxista Slavoj Zizek, com quem o canadense debateu publicamente em 2019) e faz muito mais mea culpas do que em 12 regras. Ainda que suas obsessões mencionadas lhe deixem um bocado repetitivo, Jordan Peterson emerge das sombras mais sensível e com uma fé inabalável no Bem.

As novas 12 regras com spoilers

Não despreze instituições sociais nem realizações criativas.

Instituições não surgiram ontem, e nem do nada. São o resultado de anos de experiências, tentativas e erros, e refletem um acúmulo de sabedoria. Eis o “verdadeiro conservadorismo”, descreve o psicólogo. Ainda assim, é preciso atenção para não sucumbir à tirania; uma tendência de qualquer tipo de ordem. Daí a importância da criatividade que, equilibrada com o bom senso, é capaz de trazer o melhor do progresso.

Imagine quem você pode ser e mire nisso.

A segunda regra de “Beyond Order”, na prática, se parece muito com a quarta de “12 regras”: “compare a si mesmo com quem você era ontem e não com quem outra pessoa é hoje”. O foco, contudo, está menos na comparação e mais na projeção do futuro. Quem é você? Quem você poderia ser se estivesse realmente focado em cuidar da própria vida? Pelo que você está disposto a sacrificar alguns vícios?

Não esconda o que você não gosta na sombra.

Quem nunca relevou “defeitinhos” em um relacionamento, para explodir anos depois? Ou, pior, que nunca disse a verdade e acabou preso em uma relação fadada ao fracasso porque ninguém teve coragem de dizer o que não gosta? Peterson explica os efeitos nocivos da omissão e reforça a importância de arrancar ervas-daninhas antes de tomarem o campo inteiro.

Repare que a oportunidade nasce onde a responsabilidade foi abdicada.

Que tal se disponibilizar a resolver aquele probleminha de trabalho, aquele que incomoda todos os dias e que ninguém está botando a mão na massa para resolver? O psicólogo aplica uma de suas palavras favoritas - responsabilidade - para explicar como é possível obter crescimento com problemas que os outros fingem não perceber.

Não faça coisas que você odeia.

Uma extensão da oitava regra do primeiro livro (“fale a verdade ou, pelo menos, não minta”), este é um capítulo sobre assumir o risco de lutar contra o que se sabe ser errado - e, principalmente, a perceber pelo quê, afinal, o leitor não está disposto a vender suas convicções.

Abandone ideologias.

Há inúmeros fatores capazes de tornar a vida de uma pessoa miserável. Opressões de classe, raça ou sexo são, sim, algumas delas - mas não são tudo. Pessoas são profundamente complexas e as variáveis para explicar seus comportamentos são infinitas. Tentar encaixar tudo em uma receita pré-definida é o caminho para o ressentimento e a tirania.

Trabalhe o mais duro que puder em uma coisa só e veja o que acontece.

Outra regra que remonta a vários trechos do primeiro livro e fala sobre constância e paciência. Comprometer-se com um objetivo claro e de longo prazo é uma grande fonte de amadurecimento.

Tente tornar uma cômodo da sua casa o mais bonito possível

A internet guarda uma enxurrada de memes de Jordan Peterson com os dizeres: arrume o seu quarto antes de tentar consertar o mundo. Desta vez, o psicólogo não apenas admite que seu escritório tem estado uma bagunça, como diz que quer deixá-lo o mais belo possível, pois a beleza é divina.

Se memórias antigas te perseguem, escreva tudo o que se lembra sobre elas com cuidado

Esta é uma das regras mais interessantes - e práticas - do livro. Com sua experiência clínica, Peterson ensina o leitor a investigar cuidadosamente quais são as memórias que incomodam, e a entender o porquê de tanto incômodo. Traumas, segundo ele, são lições que não aprendemos direito - e por isso ficamos deprimidos ou ansiosos diante de qualquer coisa que remeta à sua causa.

Planeje e trabalhe cuidadosamente para manter o romance no seu relacionamento

A família é a base da sociedade. E, para mantê-la em pé, é preciso esforço, confiança e um pouco de diversão. O romance, explica o autor, pode e deve ser construído, e é resultado de um relacionamento onde expectativas e papéis são bem estabelecidos.

Não se torne ressentido, falso ou arrogante

Todo mundo tem uma razão para sentir ódio: seja por uma traição, por uma decepção, por uma ofensa ou por puro desprezo. Ninguém está livre de, em algum momento, acreditar que tudo o que sabe é suficiente. São esses sentimentos, entretanto, que limitam o aprendizado e fomentam a opção pelo Mal.

Seja grato (apesar do seu sofrimento)

Uma versão mais sofisticada de “acaricie um gato na rua quando encontrar”, que finaliza as doze primeiras regras, o último “novo mandamento” de Peterson é que o público não se esqueça de que gratidão não é só uma palavra bonita para legenda no Instagram. É o antídoto para os problemas do capítulo anterior.

16 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]