Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Montagem sobre foto da Agência Brasil
Montagem sobre foto da Agência Brasil| Foto: Montagem sobre foto da Agência Brasil

"Liberdade de opinião é eu torcer pro Flamengo" - Randolfe Rodrigues, senador da República (!), redefinindo o conceito de liberdade de opinião e mostrando um baita mau gosto futebolístico (é brincadeira, viu, flamenguistas?).

"Por que ainda precisamos nos masturbar coletivamente com a relativização da dor preta?" - Thiago Amparo, jornalista, bebendo na fonte mais cafona possível para, sem qualquer argumentação, sinalizar seu wokismo ortodoxo.

"Com os incas, teríamos proteção social há séculos"

- Laurent Binet, esquerdista francês. Eu conto ou você conta a ele que os incas não conheciam nem mesmo a roda?

"Elize Matsunaga é símbolo de luta contra relacionamento tóxico" - Ulisses Campbell, biógrafo da dita-cuja, para quem uma pessoa assassinada e esquartejada jamais será uma vítima se for homem e rico.

"Não nos esqueçamos que Tábata do Amaral estudou nos USA, apoiada por um bilhardário brasileiro. Ela se embebeu da ideologia destas duas fontes. Seria bom se voltasse às origens humildes de onde veio e aprender com o povo. Os olhos suplicantes das crianças pedindo comida a converteria - Leonardo Boff, padre-de-passeata, alternando machismo e demagogia para justificar os ataques da esquerda à deputada que nunca é esquerdista o suficiente.

"Não se deve dizer [que apenas mulheres têm útero]. Isso não está certo"

- Keir Starmer, líder do Partido Trabalhista inglês, dando duro para garantir uns 200 anos de governo conservador.

"A gente não faz aniversários. Os aniversários é que vão fazendo a gente. E depois, pouco a pouco, nos desfazendo" - Luís Fernando Veríssimo, celebrando mais um aninho de vida com o máximo de profundidade de que é capaz.

‘O brasileiro não quer crise política. O brasileiro quer emprego, quer comida na mesa e o brasileiro quer paz, acima de tudo’ - Luís Fux, ministro do STF, agindo como político - algo que ele recentemente condenou, usando as palavras bonitas da moda.

"Historicamente, a anatomia e fisiologia dos corpos com vaginas foram negligenciados" - The Lancet, ex-revista científica, prestando aquele rapapé básico à ciência do wokismo.

"Tem que acordar todo dia querendo esfolar o patrão", "Temos que estimular o ódio de classes" e "Tem que pegar pelo cabelo os ministros do STF"

- Jones Manoel, stalinista, stalinando despudoradamente na cara do STF.

"Enquanto Alexandre Garcia é demitido da CNN após mentir e desinformar, continuamos com um presidente que faz o mesmo e permanece no cargo. Até quando?" - João Amoêdo, o liberal que não entendeu absolutamente nada.

"Metade do País gosta do Lula, metade gosta do Bolsonaro. Mas há um homem que pode unir o Brasil: João Doria. 100% das pessoas não gostam dele" - Márcio França, ex-governador de São Paulo, numa análise que, se não é perfeita, chega bem perto disso. Alguém discorda?

"Agora são 12 horas sem luz em casa e sem atendimento. Apagão da Neonergia"

- Eliane Cantanhêde, jornalista, atribuindo à empresa uma apagão causado por um mero disjuntor desligado.

#MEMÓRIA#

“Antigamente convertia-se o Mundo, hoje porque se não converte ninguém? Porque hoje pregam-se palavras e pensamentos, antigamente pregavam-se palavras e obras. Palavras sem obra são tiros sem bala; atroam, mas não ferem.” - Padre António Vieira, descrevendo a política brasileira atual desde o século XVII.

Conteúdo editado por:Paulo Polzonoff Jr.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]