Pôster do filme “A Promessa”. Obra conta a história do genocídio armênio.
Pôster do filme “A Promessa”. Obra conta a história do genocídio armênio.| Foto: Divulgação/Open Road Films

Antes que houvesse o Holocausto, houve o genocídio armênio. Muito do horror nazista parece ter sido precedido pela barbárie perpetrada pelo Império Otomano, predecessor da atual Turquia: o plano deliberado de se livrar de um povo por inteiro, os trens apinhados de pessoas desesperadas rumo à morte, os trabalhos forçados seguidos de simples execução.

O episódio, na segunda década do século XX, foi tão grave que motivou a própria criação do termo genocídio. Talvez por ter ocorrido em terras relativamente distantes, fora da Europa, a tragédia armênia não recebe muita atenção do cinema e da literatura. Mas deveria: calcula-se que o episódio resultou na morte de 1,5 milhão de pessoas. E, ao contrário do que faz a Alemanha com os crimes do nazismo, a Turquia não reconhece o genocídio. Por isso tudo, e também por sua qualidade cinematográfica, o filme "A Promessa", disponível na Netflix merece ser visto.

A obra lançada em 2016 conta a saga do jovem Mikael Boghosian (interpretado por Oscar Isaac), um armênio que vive na Turquia e que começa a estudar Medicina em Istambul (então Constantinopla) justamente quando a perseguição aos armênios atinge sua fase mais aguda. Com uma boa dose de sorte, ele acaba escapando do morticínio - mas testemunha cenas tenebrosas retratadas de forma crua pelo diretor irlandês Terry George. O realismo das cenas, aliás, pode chocar os telespectadores mais sensíveis.

A fuga de Boghosian permite que ele se junte a um grupo de voluntários, liderados por um pastor protestante, que tenta salvar órfãos armênios enviando-os em segredo para fora da Turquia.

Apesar de a Armênia ser um país independente, uma quantidade significativa de pessoas de origem armênia vivia dentro das fronteiras do Império Otomano. Além da limpeza étnica, havia uma motivação religiosa para a perseguição perpetrada pelos otomanos: os armênios eram cristãos; os turcos, muçulmanos.

"A Promessa" também permite ao espectador mergulhar em um mundo pouco conhecido dos brasileiros. Nos minutos iniciais, ao retratar a vida antes do genocídio, o filme permite ao telespectador contemplar um mundo que hoje está praticamente perdido: o das sociedades culturalmente avançadas, na Ásia Menor e no Oriente Médio, onde os cristãos tinham um grau considerável de liberdade e constituíam uma parte ativa da vida social. Este mundo já não existe em países como Síria e Iraque, e, em certa medida, nem mesmo na Turquia, cada vez menos secular e mais islamizada.

Além do drama da guerra, o filme retrata um dilema vivido pelo jovem protagonista: o dilema entre a vida tradicional no vilarejo e as luzes da cidade grande. Ao seguir para Istambul, ele deixa uma mulher a quem tinha sido prometido, mas se apaixona pela bela Ana Khesarian, que, por sua vez, namora um jornalista americano. A propósito, a interpretação da atriz francesa Charlotte Le Bon, que faz o papel de Ana, é um dos destaques do filme.

"A Promessa" tem potencial elevado para arrancar lágrimas da audiência - e não as lágrimas inofensivas de quem se emociona com uma história puramente fictícia, mas as de quem vê o mal e percebe até onde pode ir a crueldade humana. É um filme que merece ser visto por sua qualidade cinematográfica e, além disso, como um compromisso pela memória das vítimas do genocídio armênio pelas mãos dos turcos.

14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]